27 abril 2011

A situação agora é séria. Não que as outras resultassem sorrisos, mas essa agora importa mais. Não que isso vá mudar algo muito que radicalmente, mas talvez trará emoções, alguns sentimentos

(A arte de sorrir

cada vez que o mundo diz...)
Não.

24 abril 2011

Elle panique


Elle flippe qu'on ne l'aime plus
Elle balise de s'aimer un jour
(...)
Elle veut pas finir seule et moche
Elle veut qu'on s'inquiète pour elle
Elle veut pas voir de la bidoche

Uma queda, um sonho, uma vida.

- Eu tive sonhos.
- Ah! Nem vem, nem vem que hoje eu não me sinto no ofício de te ouvir. Hoje é hoje e isso já é demais?
Eu ria, apenas para não explicitar minhas angústia: eu queria vê-lo sorrir e agora não podia. Ele parado ali parecia que olhava pra algum lugar, procurava tanto alguma coisa naquele infinito: eu me perdi no infinito dele e não me achei mais, não mais. Ulisses me olhou de volta, pela primeira vez, olho bem calmo como se quisesse retirar a grosseria. Mas a grosseria (ainda em palavras) é como o ovo: "ovo visto, ovo perdido".
- Tudo bem, desculpa, fala ai do seu sonho.
- Não foi apen...
- Sei, os seus sonhos. Saiba que eu vim aqui sabendo que ouviria esse tipo de coisa, então pode falar.
- Eu sonhei que ia te contar meu sonho e você me falava que o dia teria te machucado demasiadamente, mas você não me explicou o motivo e eu fui embora, sabe?
Ele sorriu como se aquilo dissesse, bem alto, "eu não acredito".
- Eu magoei. Foi isso. Eu jamais imaginaria que isso aconteceria, quer dizer, imaginava, mas não sabia que faria, entende?
Assenti com os olhos, só com os olhos e ele entendeu que sim.
- Mas se foram através de palavras, e não gestos, você não tem culpa, certo? Eu não me importaria, nem um pouco.
- Claro que sim. Talvez eu tenha me machucado mais do que ela.
- Ela?
- Filmes de terror, pode ser a palavra-chave. Então, eu me sinto mal por ela: a dor, pequena que seja, que ela sentiu eu senti em dobro por ser nela. Entende?
- Como se tivesse sido você que a empurrasse, então ela cairia e se machucaria: a dor não seria da queda, mas de você ter empurrado. Em você, a dor não seria da queda, mas de ela ter se machucado: ela.
- Entende.
- Posso contar meu sonho? Se você quiser ouvir, porque eu acho que nos seus pensamentos há apenas essa situação.
- Conta ai.
- Você vai ouvir?
- Eu disse que sim. Fale. Eu disse fale com "e" no fim, não com "a", então eu ordeno que diga.
- Ele me apareceu de novo, não na forma humana, mas em poesia. Isso é horrível, me consome tanto.
- É um sonho, Lóri.
- Você deveria saber que sonhos para mim são vivos. Vivos. Assim como as palavras, porque me revelam, são meus pensamentos. Minha alma.
- Então, continue.
- Sim, era como se ele fosse meu, de verdade. Mas no sonho. Como se aqui, na vida real, ele fosse uma coisa e no sonho outra. O professor da vida real não quero, mas o dos meus sonhos, aquele que me leva ao teatro e olha pra mim dizendo: "é, você me surpreenderia se". Ele me põe em uma incerteza tão grande que eu o amo por isso. Assim como eu amo você por não ter certeza de você.
- Você é tão confusa.
Eu ri, dessa vez eu tive mesmo vontade de fazer isso. Imaginei nos pensamentos dele (uma estante) cheia de livro e eu indo lá e gritando e quebrando e rasgando e destruindo e fazendo ele me olhar daquele jeito pedindo-me para parar.
- Eu não paro. Até que falem que eu causo orgulho.
- Você ficou mexida com isso? Sério?
Afirmei com o polegar, meu único sinal verdadeiramente verdadeiro.
- Ela te causa orgulho por ela não saber de nada, mas ela inventa teorias que convencem. Eu não acredito nela, nem um pouco, mas o fato de ela saber usar palavras tão bem faz com que cause isso. Nós precisamos crer. Precisamos não ver apenas.
- Eu não mudo de opinião, sabes disso.
- A verdade é que, como já disse Oscar, algumas pessoas vivem, outras apenas existem. Eu busco o meu lugar entre essas duas com meus sonhos. Talvez eu não seja o orgulho de muitos por não me entenderem, mas eu não me importo. O meu professor sorria muito quando via minha nota máxima.
- Eu continuo te amando, Lóri. 

23 abril 2011

Minha parede.



Somnium quo Leo: Promessa sem Ç

Eu estava no msn, aí ela entrou.
Aí eu Bruuuuuuuuuuuuuuuuh *----*

Eu sei o quão idiota tudo isso pode parecer, mais faz sentido. :P
Uma promessa sem ç, de que logo logo estará aqui uma coisa pra ti Bruh
:P Dona Fea -n

*-*


Fique podre de feliz como você prometeu :P
Mais podre impossível! É, esqueceu do Sandia.

É isso o que eu preciso para me fazer bem, para me dar conforto. Na zona de conforto.



22 abril 2011

Eu te registro, moço.


Brunna Anselmo says:
eu não quero perder meus neurônios tão cedo D:
Leão says:
calma xD
estar apaixonado é ruim, mas é uma das melhores coisas que existe
não importa por quem
Brunna Anselmo says:
eu não acho.
a psicologia fala muito mal da paixão.
os filosofos.
e todos esses estudiosos que por um acaso estavam apaixonados quando fizeram as tais afirmaçãoes
Leão says:
Eu posso dizer por mim
que já estive apaixonado, e já estive de uma forma de que não tinha paixão por ninguém.
'-'
Eu nunca me senti tão mórbido
tão sem vida
a apaixão é uma forma de te manter vivo, dor e felicidade fazem partes de ser vivo.
E não existiria felicidade sem tristeza. '-' Na paixão, se só existisse a "felicidade", muita gente não daria menor valor.
Acho q o enfoque todo na paixão só existe por essa dualidade, porque é bom quando se é reciproco, mas umas das piores coisas quando você está apaixonado sozinho, e pior ainda quando isso tem que ficar dentro de você, sem poder sair.
vá por mim ;}
posso não ter vivido muita coisa, mas ainda sim é muito
Eu quero avivamento! Eu quero sentir o Espírito Santo comigo e me ajudando em tudo. Eu preciso buscar mais, amar mais, adorar mais. Deus é a minha razão para tudo, eu sinto vontade de ir contando a cada um sobre a minha alegria, eu quero compartilhar isso.

18 abril 2011

Milena Buarque

É como o vento...:
"E o sol chorou suas lágrimas de chuva. Porque até ele não era capaz da felicidade plena."
MB

17 abril 2011

Uma caixa.

Quando se está triste deve-se ter cuidado. Não pelo fato de poder fazer algo indevido, mas porque os sentimentos estão à flor da pele. Aquela caixa, cheia de poeira e mofo, eu nunca tive a ousadia de ver outra vez; recordações boas e más estavam mergulhadas ali a alguns anos. Mas, como eu já mencionei, quando se está triste as emoções estão bem aparentes e não se pensa muito. Peguei a caixa e a abri com pressa, o que me esperava PODERIA ser muito bom. 
A primeira coisa vista foi um rolo grosso de papel: uma carta com alguns metros de comprimento, o que estava escrito ali eram coisas que eu devia ter me esquecido, mas não, não esqueci e lembrava muito bem de cada sorriso e de cada lágrima; coloquei a carta de lado. 
Depois apareceu as fotos, o que me fez tremer. Lembrar.
Eu não queria mais ver. Foi-se a tristeza e a felicidade tomou lugar.

15 abril 2011

Algo meio romântico


Estou extremamente cansada. Cansada de ter de fingir pra você que aquela noite foi boa; é revoltante ter que mentir sempre dizendo que você é lindo quando acorda, quando não é. São tantas coisas que eu devo inventar para demonstrar que... demonstrar uma coisa que não faz o mínimo sentido. Estou cansada de agir como uma personagem com um script escrito por uma adolescente apaixonada. Estou cansada. Extremamente mal-disposta, possivelmente chateada. Pra você pode ser chato ter que fingir que gostou da minha comida ou ter que responder como foi seu dia. Acontece que um dia me disseram que o amor, se ele é de verdade, não importa o como o outro seja isso não vai importar, pois é o amor que irá sustentar a imagem de perfeição pra sempre.

Coemço a perceber que nunca te vi perfeito.

12 abril 2011

Quando uma pessoa está deitada no seu colo ou no seu ombro e você se sente desconfortável, mas não sai dali porque sabe que a outra pessoa está bem assim. Eu faço tanto isso, com as outras pessoas e com você, mas é mais com você. É como se a minha dor passasse a partir da sua felicidade. É isso.
Esses dias me mandaram aquelas fotos de susto, sabe? Se fosse a um ano atrás eu passaria uma ou duas semanas com medo.

11 abril 2011

Mudar é preciso, sim, um bem necessário.

Andei recebendo uns comentários e confesso que fiquei bastante feliz em lê-los. Compartilhar ideias é o que mais se faz na internet, certo? Então, passo a fazer isso agora. Obrigada pelos comentários :)
Eu ando fazendo mudanças no meu quarto, já que eu percebi que irei ficar parada em um lugar só (sem mudanças) eu resolvi mudar para não atrapalhar minha rotina nômade.
Já fiz a parte dos corações, ainda vou finalizar as bolinhas e estou prestes a ter novas ideias para mudar.
Boa parte das ideias que tive tirei de sites, ou cirei mesmo. Vai uma lista de links com tudo que eu encontrei de dicas para mudar meu espaço. Mudar. Mudar. Mudar! Mudar? Mudar, Mudar... Mudar; Mudar?! Mudar: Mudar} Mudar] Mudar° Mudarº Mudarª Mudar*

10 abril 2011

Não precisa ser homem, basta ser humano, basta ter sentimentos, basta ter coração. Precisa saber falar e calar, sobretudo saber ouvir.
Tem que gostar de poesia, de madrugada, de pássaro, de sol, da lua, do canto, dos ventos e das canções da brisa.
Deve ter amor, um grande amor por alguém, ou então sentir falta de não ter esse amor... Deve amar o próximo e respeitar a dor que os passantes levam consigo. Deve guardar segredo sem se sacrificar. Não é preciso que seja de primeira mão, nem é imprescindível que seja de segunda mão.
Pode já ter sido enganado, pois todos os amigos são enganados. Não é preciso que seja puro, nem que seja todo impuro, mas não deve ser vulgar. Deve ter um ideal e medo de perdê-lo e, no caso de assim não ser, deve sentir o grande vácuo que isso deixa. Tem que ter ressonâncias humanas, seu principal objetivo deve ser o de amigo. Deve sentir pena das pessoas tristes e compreender o imenso vazio dos solitários.
Deve gostar de crianças e lastimar as que não puderam nascer.
Procura-se um amigo para gostar dos mesmos gostos, que se comova, quando chamado de amigo. Que saiba conversar de coisas simples, de orvalhos, de grandes chuvas e das recordações de infância. Precisa-se de um amigo para não se enlouquecer, para contar o que se viu de belo e triste durante o dia, dos anseios e das realizações, dos sonhos e da realidade.
 Deve gostar de ruas desertas, de poças de água e de caminhos molhados, de beira de estrada, de mato depois da chuva, de se deitar no capim.
Precisa-se de um amigo que diga que vale a pena viver, não porque a vida é bela, mas porque já se tem um amigo. Precisa-se de um amigo para se parar de chorar. Para não se viver debruçado no passado em busca de memórias perdidas. Que nos bata nos ombros sorrindo ou chorando, mas que nos chame de amigo, para ter-se a consciência de que ainda se vive."
 Vinicius de Moraes.


Eu prefiro rosa.


"Porque eu gosto de rosa.". 
Não, eu tenho certeza absoluta de que essa não foi a melhor resposta que eu pude dar, eu deveria ter dito qualquer coisa que fosse, mas tratando-se de perguntas onde o assunto central sou "Eu" é melhor não "teorificar" muito. 

Quando entrei em casa e vi seu rosto cansado, devo admitir que senti uma enorme vontade de rir, mas você estava sério e CANSADO, não poderia perder a chance de te ver um segundo que fosse sem um sorriso no rosto. Eu vestida de azul e você de laranja, odeio laranja e você sabe disso, mas foi um suco de laranja que você me ofereceu; para me irritar? Colocou uma toalha de mesa, amarela. Você bem sabe que odeio essa cor, mas foi com ovos fritos que você trouxe meu café-da-manhã. As cores não me irritaram muito, até o momento em que você veio com aquela música que lembra aquele casal que tanto me enoja, você sabia disso, mas não se importou com minha opinião e não mudou a estação da rádio. 

Suportei cada segundo, sofridos, acreditando que tudo fosse uma brincadeira sua e que logo voltaríamos a sorrir e começaríamos a dançar a música certa. Você não fez nada disso e me irritou mais, me fez querer pular em você e arrancar cada fio do seu ca... não, do seu cabelo não porque eu preciso dele para ter o que afagar antes de dormir; eu fiquei com vontade de  beliscar seus bra... não, seus braços não poderiam nunca ficar machucados porque como você faria para me abraçar daquele jeito que só você sabe? 

Eu não pensei em fazer qualquer mal a você, mas fechei a cara e lhe dei aquele beijo que você espera todos os dias, o sinal de que eu ia embora. Mas era domingo. Isso foi o pior de tudo, o estopim para você me perguntar o que eu não saberia responder. 
Com aquela voz de quem quer realmente saber a resposta você disse, "O que está acontecendo? Fique calma, eu não fiz nada pensando em te magoar ou te irritar, mas porque você vai sair?". Não, eu não tinha respostas e até agora não tenho, o único fato de eu ter agido daquela forma é que eu sou mulher, sou fraca e odeio todas aquelas cores que estavam entopindo aquele apartamento. Sem pensar muito, mas agora penso que foi a resposta certa, se ele tiver pensado o mesmo, eu disse com indiferença, "Porque eu gosto de rosa."

09 abril 2011

08 abril 2011

Foi, matemática.

O caminho da escola até me casa foi tranquilo, não houve interrupção alguma. Apesar de tudo ela estava cansada, o corpo sem sustento algum. Era o medo do amanhã.
Chegou em casa, jogou a bolsa sobre a mesa, tirou os sapatos... queria ficar sozinha. 
Estava mais perdida do que aquela nordestina ingênua que vira em um filme antigo. 
Andava falando coisas sem sentido, para os outros, para ela todas as coisas que dizia eram ótimas de se ouvir. 
Queria ser outra. Não sabia bem quem era esse 'outra', mas de que isso importava, sabia apenas que não estava  em um dos seus melhores dias. Não era o "eu" que ela queria.

07 abril 2011

 

Mesmo quando a boca cala... Nós ainda falamos.

"Esses gestos incompletos, olhos tão repletos de te desejar.
O direito de ir e vir.
O desejo de ficar.
Tudo isso para dizer que eu não sei dizer onde é que isso vai dar.
Eu não mando no querer aliás é o querer que quer me governar.
Hoje eu vivo pra dizer, ou digo pra viver: Você é o meu lugar.
Se o amor não nos queiser, então azar do amor: não soube nos amar."
Vinícius Calderoni. 

Uma dor no joelho é um aperto no coração/cérebro

A vontade de apagar tudo não sai de mim.
Mas vou organizar esse meu espaço.
A minha máquina de criar sensações parece que está com defeitos.
Deve ser o que se ganha com a felicidade.

Voltei a fazer coisas na parede.
Me calei.
Para alguns)
Sem mais poesia.
Eu agora sou uma pessoa normal.
"A coruja e o coração"
Tiê.

Andei vasculhando uma loja de cds.
Encontrei esse.
Descobri essa música.
"Perto e distante"
Achei a mim.

06 abril 2011

Apenas.O.Fim.

Ontem eu estava navegando (navegar é preciso) e encontrei alguém falando de um filme que na época foi muito criticado, mas não merecia nem metade das más críticas que recebeu, afinal o filme é muito bom.
Eu baixei (link), eu vi, eu fui a protagonista do filme durante ele todo, mas não encontrei nada de mau nele. É sensacional. É genial. Me deu vontade de ser Ela. Depois quis ser Ele. Descobri, no fim que eles são todos, cada um com suas loucuras. As loucuras tão parecida com as nossas, mas que por um acaso ousamos escondê-las.
Entre tantas más críticas eu achei essa que achei até simpática e fala bem do filme, como deve.
"Esta brevíssima sinopse pode sugerir um filme monótono. Não é. Enquanto caminha pelas alamedas arborizadas da bela PUC do Rio, o casal revive momentos do namoro e conversa sobre futuro e presente. Tudo regado a diálogos deliciosos com um humor digno de um Woody Allen. Ou de um Domingos de Oliveira? Por exemplo: “As montanhas do Rio de Janeiro são um projeto do Oscar Niemeyer. Foi o trabalho de formatura dele, em 1524”. Ou então: “Você é a pessoa mais maluca que eu já conheci. E olha que eu conheço gente louca. Minha mãe, por exemplo, faz terapia há 20 anos e meu pai torce pelo América.

Não é, contudo, uma comédia. Mas sim um grande painel dos sentimentos humanos construído por dois jovens repletos de cultura pop. De Super Mario Bros a Dakota Fanning; de Star Wars a Michael Jackson. Tudo cozido dentro de um fervente caldeirão de emoções à flor da pele. "
P.S. Vou criar uma nova tag com o título de "Filmes", só para eu não esquecer cada filme bom que eu vejo.

05 abril 2011

Uma palavra pra definir o ano de 2011

Intenso.

que tipo de filme vc curte?

Tudo, menos filmes com tiros/policiais, ação, terror e tal tal tal. Prefiro muito mais aqueles filmes que não te tiram da cadeira, mas aquele que te deixa lá, grudadinho esperando o fim com olhos assim O.O

pergunta, mas usa o tal do ''bom-senso''

04 abril 2011

Recado pra Luana sobre o susto

Você até vai rir depois de ler isso. Ou não.
Ontem eu recebi um link, falando do Justin Bieber e a namorada dele na Espanha. E eu: "Eita! Vou ver esses dois." Na verdade, quando eu abri era a mulher do exorcista bem grandona e gritando "AAAAAAAHHHHHHHHH!!! AAAAAAAAAAHHHH!!!". Eu tremi. Fiquei cega, toda desnorteada. Já tinham feito isso comigo fazia uns dois anos, eu passei uma semana em pânico. Em pânico de verdade, não conseguia ir pra canto nenhum e ir pra escola era horrivel.

03 abril 2011

O tempo. O pequeno. O ver.

Você está ai.
Eu sei que está, não adiante se esconder porque eu sei que bem ai do outro lado você está dando um sorriso agora, bem pequeno, mas bem indeciso. Não precisa mais se esconder porque eu sei que tudo isso é só a vontade de fazer tudo.
Eu quero fazer uma poesia, o que quer dizer que já não faz mais parte de mim a prosa.
Poesia
Poesia
Você tem direito a cinco desejos
Não três porque eu quero que você aprenda a ser
Você tem o direito de pedir mais cinco e mais cinco e mais cinco e mais cinco e mais cinco...
Até que você não tenha mais nada a pedir.
Eu quero que você peça para ter tempo
(não para falar comigo)
para ver se na presença física do tempo você aprenda a importância dele
O tempo.
O vento.
O tempo.
O sinto.
O tempo.
O minto.
O tempo.
O tinha.
O tempo.
O falo.
O temo.
O quero.
O tempo.
O crio.
O amo.
O pinto.
Era uma vez um pinto que só tinha uma perna.
Era pra termos concertado a perna dele e não deixa-lo jamais cair.
Deviamos ter concertado as pernas de todos os bixos pequenos
porque nós sabemos a importância das coisas pequenas e como dói não tê-las
São tão pequenas que você nem vê.
Você não vê
Não vê
Seria eu uma pessoa para te dizer para ver?
Não, não serei eu.
Eu sou eu e o eu eu já nem sei quem é
Mas sou eu
Eu e apenas
Seria eu aqui para te ensinar das coisas pequenas?
Ensinar-te que sou prosa e não poesia?
"Há dias em que as coisas pequenas se te atravessam no caminho
e, por serem pequenas,
tu achas que,
mais cedo ou mais tarde,
elas vão acabar por desaparecer.
Mas as coisas pequenas são as únicas que nunca desaparecem
pela particular razão de serem quase invisíveis.
Não percebes, pois não?
Eu explico: tens uma chave, e tens uma porta,
e a compor a porta tens uma casa que tem um recheio... sem creme, mas muito doce."

02 abril 2011

Resolvi.do

Antes eu escrevia com mais frquência nesse meu canto, fui dar uma olhada nos arquivos antigos e vi que em um mê eu postei mais de 40 coisas. E agora? Eu não sei mais escrever?
Na verdade o que acontece é que eu sinto um turbilhão de informações rondando minha cabeça e eu sinto que querer se sentir forte dói demais, é difícil demais e me toma muito. Eu preferia quando eu podia postar qualquer coisa aqui, qualquer coisa que fosse, sem me preocupar com nada, nada. Mas agora, embora eu saiba que poucas pessoas lêem isso, eu me sinto receosa de escrever certas coisas, como se aquelas palavras fossem acertar em cheio a alguém, a interpretação seria errada... mas não, eu não sei quem é essa pessoa que leria tudo que eu escrevo e e interpretaria de modo errado. Eu não conheço alguém que leia meu blog sempre, que está lendo isso agora e ejá está com a interpretação errada, mas eu sei que existe.
Pensando bem, eu não quero conhecê-la. Não quero.
O não já é sozinho tão egoísta que com o contato do "querer" já torna-se por demais prepotente, não se pode ser prepotente. Não se pode falar na hora errada. Não se pode falar.
Para registrar alguns sentimentos, já que esse blog foi feito para isso. Vou tentar registrar o que sinto por meio de um texto bem pequeno, que agora forma-se na minha cabeça e já grita para sair e ficar aqui dentro.

- Pega isso, isso e mais isso. - os objetos quebráveis eram colocados um a um na mão dele e com cuidado ele resistia, para não quebrá-los.
- Eu já não aguento mais, é muita coisa, vou acabar não aguentando tudo e vai acabar caindo. Se cair você vai se machucar e vai ser muito difícil pra mim e pra você.
- Monta. São apenas peças separadas na sua mão, junte tudo e monte; vai ficar mais fácil de segurar e não quebrará.

01 abril 2011

Olhos de ressaca...


"...Grandes... Abertos... Prestes a tragar navios e navegantes..."