21 setembro 2011

Primavera!

 Eu tentei fazer algo bonito pra registrar isso. Mas agora eu tenho um caderninho de sensações e parece que aqui ficarão apenas meus textos e devaneios hehe. 
Dia 19 (segunda) foi aniversário da Tayná, fazendo quatro aninhos e nada mais justo de ela dar as caras por aqui. :)

20 setembro 2011

Eu amo sim!

É a risada. :D
Video do dia: Comentários na Internet from Chico Buarque: Bastidores.

Sabedoria.

Só encontrará a sua vida aquele que a perdeu
- Provérbio zen.
Se alguém quiser vir após mim, negue-se a si mesmo, e tome a sua cruz, e siga-me. Porque qualquer que quiser salvar a sua vida, perdê-la-á, mas, qualquer que perder a sua vida por amor de mim e do evangelho, esse a salvará.  
Marcos 8:34-35

Para provar o que muitos já sabem, tudo o que filósofos, sábios, sociólogos e pensadores afirmam não é nada além da reprodução do que Jesus já havia dito. 

14 setembro 2011

Ah...


05 setembro 2011

Ato VI, Cena V - Ofélia


OFÉLIA — Aqui está rosmaninho, para lembrança. Não te esqueças de mim, querido. Estes amores-perfeitos são para o pensamento.
[...]
OFÉLIA — Para vós, funcho e aquiléia; arruda para vós, e um pouco para mim, também. Poderemos chamar-lhe erva da graça dos domingos, mas a vossa deverá ser usada de outro jeito. Eis aqui uma margarida. Quisera dar-vos algumas violetas, mas murcharam todas, quando meu pai morreu. Dizem que ele teve um fim muito bonito. (Canta) Para o doce pintarroxo é toda minha alegria!
LAERTES — À tristeza, à paixão, ao próprio inferno, a tudo ela dá graça e empresta encanto.
OFÉLIA (canta) — Nunca mais o veremos? Não mais retornará? Sumiu deste mundo; baixai para o fundo, que ele não voltará. Barba branca de neve, de linho a cabeleira. Já foi, sem parar; é inútil chorar; que no céu Deus o queira e a todas as almas cristãs, é o que eu rogo a Deus. Deus seja convosco! (Sai)
Shakespere

02 setembro 2011

"bate muito mais que sente, fica doente, mas é natural"

"(...)Não te deixes ficar sequer à minha espera
não telefones não marques o número
ele terá mudado a casa será outra
Nada penses ou faças vai-te embora
tu serás nessa altura jovem como agora
tu serás sempre a mesma fresca jovem pura
que alaga de luz todos os olhos
que exibe o sossego dos antigos templos
e que resiste ao tempo como a pedra
que vê passar os dias um por um
que contempla a sucessão de escuridão e luz
e assiste ao assalto pelo sol
daquele poder que pertencia à lua
que transfigura em luxo o próprio lixo
que tão de leve vive que nem dão por ela
as parcas implacáveis para os outros
que embora tudo mude nunca muda
ou se mudar que se não lembre de morrer
ou que enfim morra mas que não me desiluda
Dizia que ao chegar se olhares e não me vires
nada penses ou faças vai-te embora
eu não te faço falta e não tem sentido
esperares por quem talvez tenha morrido"

Ruy Belo.

Sobre sincronicidade e voltar no tempo.

O quão longe se pode chegar é a pergunta que se fazem todas as pessoas que buscam algo. Quanto mais adiante eu vou, percebo que minha sensação de bem-estar está no regressar e no re-sentir. Então, o que concluo é que prefiro escrever a estudar literatura e gramática; tirar as maiores notas da sala só me fazem cócegas no ego e o id, coitado, anda sendo continuamente cortado pelo super ego. 
Então, quando eu já havia perdido todas as vontades que me surgem em devaneios, eis que elas me aparecem de novo, só para não me deixar com a cabeça vazia, já que o que me ocupava antes não tem mais um espaço tão grande em mim. O que na infância fazia meu coração palpitar e meu corpo suar, agora me chama de amiga e eu gosto disso, gosto tanto que posso sentir as batidas um pouco mais rápidas.  Preciso comer pudim, andar na praia, falar de como eu gosto de estar e abraçar sem compromisso, mas cheia de alegria, abraçar para que as mãos encontrem-se de novo. Eu preciso mesmo é me encontrar, retomar as partes que deixei nos outros e tirei de mim, transformando meu corpo em uma caixinha, que Deus molda. Então isso já é muito, é muito. 
A Hellaíny me ligar no momento que eu to escrevendo isso? S-I-N-C-R-O-N-I-C-I-D-A-D-E! Melhor, ligou pra falar de uma coisa que eu já tinha guardado em um cantinho do consciente: T-E-A-T-R-O. Eu precisava lembrar disso, lembrar dela, lembrar de uma música antiga, de um cantor que me fez a cabeça na infância e pensar como eu gosto de ser eu. 
Lembrar de que não sei parar de ama, não sei fechar os olhos e esquecer, porque as coisas sempre voltam mesmo que eu vá embora com minhas próprias pernas. Mas permanecer onde estou quando penso na melhor amiga, na grande amiga. 

A vida escorregou entre as linhas das nossas mãos. Foi-se o destino. Foi-se o verbo, amor. Fizemos do nosso tempo um Futuro do Pretérito.
Nina Araújo  (araújo, de sincronia.)