domingo, 30 de dezembro de 2012

Bilhetinhos

Estou escrevendo isso no futuro. Quer dizer, hoje estou há cinco anos namorando com o Arthur e encontrei esses bilhetes que eu mandei pra ele. Aqui estão, para sempre.



















quinta-feira, 27 de dezembro de 2012

Arthur em 9 de 57

- Por favor, não se casa em Vegas
- Sério?! E se o padre for o Elvis Presley?
- Nem se o padre for Jesus!
- Mas se Ele disser que aquela mulher é a certa pra mim?
- Então isso quer dizer que quem vai estar ao seu lado vai ser eu


segunda-feira, 24 de dezembro de 2012

I'm getting old and I need something to rely on.

"I'm getting tired and I need somewhere to begin"

quarta-feira, 19 de dezembro de 2012

I don't know what any of you are saying, or the singer for that matter, but I REALLY love this song. It's refreshing. I really wish there were more of these songs around and that people listened to it more.
 I miss the days when I was able to fit inside a shopping cart without being ridiculed.

sexta-feira, 14 de dezembro de 2012

good poem


the night we met I knew I
needed you so
and if i had the chance i 
never let you go 
so until say you love me
i'll make you so proud of me 
(...)
please be my be my
be my little baby
say you'll be my darling 
be my baby nooow

I'll make you happy baby
just wait and see
for every kiss you give me 
I'll give you three 
oh since the day i saw you
i had been waiting for you
you know i will adore you 
until eternity 

(carta para o Sr.) Arthur em 8 de 57

Eu gosto de livros românticos, de filmes de ação, de mar, de frio, do ventinho na nuca, das cores que o sol faz nas nuvens, de música, de romances, de olhos claros, de tapetes macios, de sofás brancos, de risos, de sol, de chuva, de bolinhos, de flores, de chocolate, de cinema, de desenvolver "teorias" malucas, de rir até a barriga doer, de Jesus, de abraços, de beija bochechas fofas, de cachorros pequenos, de dias bonitos, de árvores, de sofás, de arte, de gente divertida, de escrever, de conversar por horas, de coisas azuis, de passear, de andar de mãos dadas, de dormir, de esmaltes, de sonhar e até ter pesadelos de vez em quando, de desenhar ovelhas, de livrarias, você. Eu gosto muito de você, porque antes eu só gostava de todas essas coisas, mas depois de você eu comecei a amar, amar de verdade todas as coisas. Eu te amo não porque você me aceita da forma que eu estou e não se importa com meus defeitos, mas porque você me faz alguém melhor e diminui o que eu tenho de ruim e faz o que eu tenho de bom ser muito grande. É como se você estivesse aqui mandado por Jesus, pra que eu pudesse sentir, com cheiros toques visões som e tudo mais, que eu sou sim feliz. 

Te amo, 
B

segunda-feira, 10 de dezembro de 2012

Kaco. Meu Kaco.

eu sou romântico, acredito na cara metade, alma metade, pingente metade. Acredito até que o amor nos liberta das maldições. 

{desejando} Arthur em 7 de 57


"(...)
Perco, e perco a cabeça quando
Minha cabeça está ocupada
Vira no avesso, sensação sem preço
Tudo, tudo, tudo parece que para

Abala meu mundo de cara no muro
Tua boca, boca, minha alma alada
Some meu centro meu discernimento
A vista, vista fica toda embaçada
(...)
Não vá, não vá, não vá embora
Fica, Fica por mais mil horas 
Toda vida,..., todas madrugadas

Quero, quero você todo dia 
Todas, todas suas manias
Sua língua,..., todas suas caras

(...)
Arrasa todas asas do absurdo
Já estamos voando,..., sem nem perceber 
(...)"

sexta-feira, 7 de dezembro de 2012

Arthur 6 de 57

a paixão é de verdade efêmera. e não demanda labuta alguma pra que se alcance esse estado de êxtase completo.
mas por que quando a gente fala de amor tem que falar bonito? 
a paixão acaba todos os dias, quando vamos dormir. a paixão só existe quando estamos despertos, é algo exclusivamente físico, e quando estamos inertes, parados ela não existe. é como uma reação guardada, que já existe e precisa apenas de um estalo, de um despertar, de uma coisa outra que desperte nosso sentidos primitivos. porque paixão é sim instinto. e não é por outro motivo que conseguimos nos apaixonar por qualquer coisa, qualquer pessoa. a primeira vista.

e quando dormimos ela não existe mais. a paixão é a sensação. amor é  sentimento. amor até dormindo. até morrendo.

e quando acordamos está lá de novo, isto é, se for despertada juntamente com o corpo. e não é por outro motivo que digo "me apaixono por você todos os dias". o seu nome desperta. o seu rosto desperta. as suas mãos. os seus olhos. as suas palavras. o seu eu. o seu coração. o seu corpo. o seu ser. a sua existência. tudo desperta. e na sua ausência também desperta, porque você existe e me ama. e eu me apaixono,e vou caindo... porque em inglês se diz "to fall in love" e eu caio mesmo, como quem se lança, como que não tem medo de subir no topo do prédio mais alto, da torre mais alta, com duas asas de penas e se jooogaaa...
.
.
.
.
.
.
e
.
.
c
a
a
a
a
a
i
.
.
.
.
.
.
v
o
a
a
a
n
d
o
o
o
.
.
.
e voa. e não importa o medo ou fio na barriga, eu volto lá pra cima e caio de novo. não interessa se a paixão dá a sensação de morte, como as montanhas russas dão, é melhor. é real.
e a paixão é física porque o corpo precisa responder a tudo que ela causa. o coração bate feliz. os olhos ficam sorrindo.

e da mesma brunna que escreve demais, vem ai a que canta muito.


sábado, 1 de dezembro de 2012

arthur sendo meu em 5 de 57

Eu queria que você entendesse o que acontece comigo quando eu te vejo, ou quando eu falo com você ou quando ouço sua voz. Mas tudo bem se não entender, eu também não entendo porque meu primo fica tão eufórico quando me vê. e eu só to escrevendo porque eu to um pouco decepcionada comigo por desperdiçar as vezes em que posso ouvir tua voz e falar contigo, porque eu odeio falar no telefone justamente pelo fato de eu nunca dizer as coisas certas, porque eu fico muito feliz em apenas ouvir tua respiração, saber que você tá ali vendo tv (você deve saber que um dos meus sonhos ridículos é ver você vendo tv, porque eu te acho lindo.) e acho tudo lindo, não só seu rosto, ou seus olhos que me cativam, mas o seu corpo, suas pernas e seus pés, suas costas largas e claras, seu pescoço que tem um cheiro maravilhoso, acho lindo seu cabelo e as caras que você faz. eu amo todas as caras que você faz, acho lindo o  seu rosto quando você pensa, te acho lindo com raiva, se sentindo desconfortável ou tentando dizer que me ama sem falar nada. eu te amo muito e eu queria conseguir explicar isso de alguma forma, e eu acho que a única forma de te provar que te amo muito é dizer que quero me casar contigo ou dizer sim quando você me pergunta isso. o mais engraçado que pra sociedade provar meu amor seria dizer um sim, mas eu tenho certeza que eu preciso fazer mais, e eu tento de todas as maneiras que consigo te provar que meu amor por você é sim grande. e não me canso de dizer que amo você e tenho vergonha de dizer isso na frente das pessoas porque a psicologia diz que as pessoas nunca querem se mostrar verdadeiramente pros outros. e quer saber? o amor que eu sinto por você me faz ser eu mesma. antes eu não era a brunna. antes eu não era ninguém. agora eu te amo e isso faz de mim uma pessoa, uma amante, uma namorada, uma apaixonada, uma moça, uma um-dia-mãe, um-dia-esposa. eu não gosto muito que outras pessoas vejam isso em mim,  eu não quero que ninguém jamais veja, porque é só seu o que eu tenho guardado dentro de mim, porque o tipo de pessoa que eu sempre quis ser eu consigo ser com você. eu só quero que você saiba o que "você" significa pra mim, e pra mais ninguém. eu sou possessiva e não vejo problema nisso, não vejo problema em chamar de seu aquilo que te deixa dizer "eu". você é meu. e isso não é só um jogo de pronomes não, isso é amor, é aquilo que a gente quer dizer quando para de se beijar por um minuto, não porque tá com falta de ar, mas porque eu te faço parar porque eu quero te olhar e te dizer tudo isso, que você é meu, mas eu te olho e percebo que de uma forma muito traiçoeira você já sabe de tudo, porque todo mundo conhece muito bem aquilo que é seu. e você me conhece, me conhece bem demais, só não sabe disso; é como se fosse uma sessão na sua cabeça onde tem tudo sobre mim que você não sabe que ela existe, mas ela tá lá, prontinha pra ser explorada, e eu tenho a leve sensação que você já viu tudo, tem horas que você me olha como se já soubesse o que eu penso, então eu me sinto confortável, porque eu não preciso pensar em nada porque você já sabe e você vai fazer por nós. você talvez não saiba disso, mas é assim. você pode achar que não me entende, que eu te deixo confuso várias vezes, mas você me conhece e conhece como ninguém, porque Arthur, eu sou sua garotinha. e sou a primeira, a única. e isso em parte é ruim, porque haverá prazeres nessa vida que nós jamais gozaremos mas acima de tudo é bom, porque a parte do amor que tem gosto ruim que a gente nunca vai provar. e provavelmente ficar com uma única pessoa na vida pode realmente não ter grandes vantagens hoje em dia, mas eu não me importo, porque te amar é como uma aventura, eu simplesmente me lanço, porque eu sei que mesmo que ninguém esteja lá embaixo pra me segurar, eu estarei caindo com você, e o cair é um voo. acredite, se voarmos juntos terá alguém que vai nos segurar quando aterrizarmos. você é o primeiro e o único, porque se eu quero você hoje sei que vou querer amanhã e depois e depois e mais tarde e um pouco mais além... e vou te querer enquanto eu existir. isso pode ser mentira, pode ser que um tempo depois eu me canse ou simplesmente não queira mais, mas eu vou lutar pra querer de novo. o melhor de tudo é que eu sei que caso isso aconteça eu sei que não precisarei lutar, porque você é inteiramente desejável, da cabeça aos pés, de dentro pra fora e por fora. quem sai perdendo então sou eu, que não tenho muita coisa, não sou tão irresistivelmente desejável ou boa como você é, mas se eu tiver que ser, eu me torno isso. no fundo eu abuso mesmo da sorte que eu tenho e fico sofrendo com as histórias dos outros; eu choro com filmes românticos e me comovo com as tristezas alheias, porque isso é todo a dor que eu vou ter na vida, porque com você eu não sinto dor nenhuma, nada nada, nada que possa me fazer entristecer, ainda mais porque  eu consigo ver nos seus olhos escrito "eu jamais vou magoar a Brunna". é isso que eu acho bonito em olhos, não é a cor nem o tamanho, muito menos o brilho, mas o que eles me dizem. e os seus me dizem a todo instante coisas lindas e maravilhosas, mesmo quando você tá chateado porque quando você tá chateado é porque não queria estar naquela situação e tá chateado por isso, não pela situação, porque você sabe que pode lidar com todas as coisas. nossa, você ganhou o coração de uma mulher de maneira fácil, o que pode ser mais difícil que isso? eu te digo: ganhá-lo um pouco mais todos os dias, isso é mais difícil e você consegue. meu coração perto de você cresce e cresce muito e muito rapidamente e logo logo você vai poder ouví-lo, vai inclusive pegá-lo porque é o que você conseguiu ganhar. sabe toda a história por trás de coração de mãe? ela não nasce com ele, eu sei disso, ele vai sendo cultivado e vai ganhando tamanho e ele é realmente grande e pulsante. quem cultiva? bem, Deus prepara homens para cuidá-lo e filhos para aumentá-lo; acredite, você foi preparado com maestria. 

B. collector.

- Um dia eu vou ter uma coleção de livros enorme
- mas você nem compra muitos livros
- não, não dessa que as pessoas usam pra se fazerem de cult, dessas que pertencem aos cult de verdade.
- dessas que ficam guardadas na cabeça?
- e no coração também.
- é, ai ninguém esquece.

terça-feira, 27 de novembro de 2012

O amor lhe cai bem. 
- Karyn Bosnak  

segunda-feira, 26 de novembro de 2012

Arthur em 4 de 57

5:30 - vamos, acorde, você não consegue dormir de novo mesmo e sem contar que ele vai estar lá hoje.

8:30 - vamos, desista, ele não vem. vá logo pra casa melhor, vá passear um pouco sozinha.
        - e por quê?
        - pra que você possa ver como as coisas sem ele não são tão legais assim.

10:00 - vamos, entre no supermercado, afinal o shopping está fechado e são bem deliciosos aqueles pães doces que você quis comprar da outra vez quando estava com ele.
          - certo, em nome dele. e mais alguns pães-de-queijo também, por favor. obrigada.
10:20 - coma, coma tudo. Pare de olhar para a escada como se alguém fosse aparecer. E pare de esperar alguma espécie de surpresa, concentre-se em comer esses pães deliciosos e em assistir tv.
10:50 - entre logo nessa livraria. pare de tentar ligar pra ele.
          - mas seria maravilhosos se eu soubesse onde ele está agora.
          -quem sabe outra viagem ãnh?! uma dessas inesperadas. uma grande surpresa!
          - tudo bem. eu entro na livraria. mas se ele realmente ter viajado eu posso voltar aqui e mandar uma carta.
11:00 - vamos, anime-se, este livro é ótimos e nós sabemos o quanto você gosta dele. Uma narração sobre toxicômanos e desintoxicações nunca fez mal a ninguém.
          - bem, eu poderia dar uma volta naquela seção ali. Aquela mais lá embaixo.
          - não. pra casa, vamos, agora, antes que o sol esquente demais e torre nossas cabeças.
13:00 - leia logo este livro. não sabe que logo logo termina?
          - então depois eu vou poder ler outro, certo? Aquele... aquele que ele prometeu me dar. Ou posso até pedir outro, outro daqueles que estão na minha lista, que tal?
          - que tal ler esse, hein?!
14:25- eu juro que se eu pudesse falar com ele leria essse livro inteiro pra ele. Mesmo que ele ficasse caladinho e eu só escutasse o zunido que o telefone faz quando tem alguém escutando do outro lado, só por saber que ele estria ali, só por saber que seria ele ali. cadê, bruna? Cadê meu arthur?
17:10- ai, sua boba, bem dentro de você. 

terça-feira, 13 de novembro de 2012

arthur {me fazendo rir} no 3 de 57

eu gosto muito de dias como hoje.
 [mas você não sabe como eles terminam] 
assim, que a gente se olha, e pensa rapidinho o que vai fazer porque ontem foi tudo tão estranho. 

eu sei que você pensa 

daí eu te olho e vejo que é você: você é meu namorado. desses que a gente pode beijar quando quiser e se ficar dizendo eu te amo mil vezes não vai ser chamada de maluca. 

daí eu fico feliz. 
então... fritas... então... 
vamos conversar, né? 

então a gente conversa. vê livros engraçados. percebe de novo que só a presença do outro é boa. lembra que quando a gente não tá junto é complicado, mas suportável justamente por saber que vamos nos ver de novo. então a gente se beija. daí... booooooooooooooooooooooommmmm!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!! (com mil exclamações). 

e a gente ri muito. ri muito mesmo porque a gente sabe que a melhor parte do outro é a parte engraçada. e eu fio desesperada quando você finge que tá chateado, ou triste, ou magoada, porque parece que você nunca mais volta ao normal. daí fica uma coisa piscando na minha cabeça. na verdade gritando. 

e quando eu chego em casa eu começo a concordar que você realmente deveria ter um carro pra me deixar em casa, ou melhor ainda, na nossa casa. então na realidade eu fico cheirando minha mãe várias vezes, porque tem seu cheirinho, um cheiro mais ou menos parecido daqueles que quem fuma deixa na gente ou no telefone público, um cheiro que não sai. e eu lembro que você beijou a palma da minha mão. daí eu a beijo também. eu lembro de todas as coisas lindas que você já me disse e como disse. eu lembro de como você é bonito e de como eu tenho sorte por ser sua namorada e não uma amiga que você goste muito.

eu lembro que te amo muito. amo mesmo.

segunda-feira, 12 de novembro de 2012

tutu 2 de 57

"você tá estranha"
eu não 
"tá sim".

ok, estou estranha. Certo... pera ai... eu não era estranha antes??
YAAAAAAYYY!!!

terça-feira, 6 de novembro de 2012

Arthur 1 de 57

*vem me buscar?* /
abraço / sorrisos / para: comida / Oui! / água / sofá / outro sofá / uuuuuuuuuuffffaaaa / lista /
*tava com muita saudade* /
 deita / senta / beija / olha / beija de novo / olha mais uma vez /
*deita aqui * /
 lindo / bonito / sinestesia / o - melhor - beijo - do - mundo / chá verde / olha só, moreno / amar de...va..ga..rinho.. / tears / quente quente / passeia / bola / rebola / barbie / cócegas / Alô?! /
*tira meus pés do chão?* /
 Tartaruga / mais um sofá / uuuuuuuuffaa!

segunda-feira, 5 de novembro de 2012

O que é o mundo?


loucura -
loucura porque -
porque -
que palavra será -
loucura disto -
tudo isto -
loucura de tudo isto -
dado -
loucura dado tudo isto -
visto -
loucura visto tudo isto -
isto -
que palavra será -
isto isto -
isto isto aqui -
tudo isto isto aqui -
loucura dado tudo isto -
visto -
loucura visto tudo isto isto aqui -
porque -
que palavra será -
ver -
vislumbrar -
parecer vislumbrar -
precisar de parecer vislumbrar -
loucura porque precisar de parecer vislumbrar -
que -
que palavra será -
e onde -
loucura porque precisar de parecer vislumbrar que onde -
onde -
que palavra será -
ali -
ali mesmo -
além ali mesmo -
ao longe -
ao longe além ali mesmo -
a custo -
a custo ao longe além ali mesmo que -
que -
que palavra será -
visto tudo isto -
tudo isto isto -
tudo isto isto aqui -
loucura porque para ver o que -
vislumbrar -
parecer vislumbrar -
precisar de parecer vislumbrar -
a custo ao longe além ali mesmo que -
loucura porque precisar de parecer vislumbrar a custo ao longe além ali mesmo que -
que -
que palavra será -

que palavra será
 



Samuel Beckett

sábado, 13 de outubro de 2012

Happiest place.

- Pra onde você vai nessas férias?
- Não sei bem ainda. É difícil de escolher, mesmo que tenha lugares clichês pra ir que eu ainda não fui.Tem alguma ideia de lugar bom? 
- Não sei. 
- Vamos, Lil, você é boa nisso. 
- Ah... você poderia ir pra alguma praia desconhecida, daquelas descobertas por hippies. Poderia ir pra todos os lugares onde Edward Sharpe and the magnetic zeros foram, eles são ótimos em escolher bons lugares. Por exemplo, eles foram ao México recentemente. 
- Você sabe se o dinheiro do México vale mais ou menos que o do Brasil? Sabe, viagens demandam dinheiro e paciência para todo aquele câmbio. 
- Phill, é querer demais. Não faço ideia. Então, Índia, o real lá vale bem mais. Dá pra você trazer um elefante carregado com tecidos brilhantes e centenas de potinhos com pós mágicos. 
- Nada de cruzadas, Lil. 
- Paris? Itália? Buenos Aires? Moscou? Cairo. Não? Saara? Bahia! Trancoso? Já sei! Austrália, até porque tá tendo turnê de uma banda bem legal lá. 
- Não. Acho que já sei pra onde eu vou, sem mais pestanejar muito. Imagina só, eu vou de navio (cruzeiro), vou desembarcar de verdade, sem catacrese, pela primeira vez. Segundo especialistas é um lugar incrível e dificilmente ficamos deprimidos. O lugar mais feliz do mundo. Me entende? Eu quero ir a um lugar onde só há sorrisos, onde eu veja outras pessoas sendo felizes também, um lugar onde qualquer pedaço é uma atração e mesmo que meu dinheiro lá tenha um valor menor eu me controlaria bastante pra gastar o suficiente pra sobrar para outra viagem. Eu quero navegar Lil! Bem longe, mas bem clichê também. Eu quero ir num lugar onde os pés só tocam o chão porque é necessário, mas se eu puder voar, voo. 
- Você quer ficar dogado, Phill? 
- Não, Lil, my sweetheart, eu quero navegar em você, desembarcar em você, rir com você, ver seu sorriso, amar você, ser amado por você, tirar foto dos seus melhores ângulos, voar em você, passar minhas férias no lugar mais feliz do mundo. Com você. 

sexta-feira, 12 de outubro de 2012

Se ficar de bode,

explode.
Tá cansada, senta. Se acredita, tenta. Se tá frio, esquenta. Se tá fora, entra. Se pediu, aguenta. Se sujou, cai fora. Se dá pé, namora. Tá doendo, chora. Tá caindo, escora. Não tá bom, MELHORA. Se aperta, grite. Se tá chato, agite. Se não tem, credite. Se foi falta, apite. Se não é, imite. Se é do mato, amanse. Trabalhou, descanse. Se tem festa, DANCE. Se tá longe, alcance. Use sua chance.

domingo, 23 de setembro de 2012

Monalisa perde feio pra minha pop-art


Pátria amada e idolatrada.

A Olimpíada Nacional em História do Brasil, da qual eu participo, trouxe à tona milhares de partes do Brasil nunca antes vistas, por nós, meros eurocentristas. A visão que eu tinha do meu país antes de todas as fases da olimpíada era simples: música boa e corrupção. Sem contar que temos a sensação de que até que esse pedaço de terra viesse a ser "Brasil", muita safadeza rolou, até um certa dor-de-barriga no processo de independência (e que nada se fez diferente). 
190 anos de independência e dizer que nada mudou? Bom, de fato, no momento, nada ficou diferente. Mas não posso esquecer a cena final do filme "O cortiço" em que todos comemoram sem saber porquê, a República. A diferença não se fez no momento e nem nos despregamos da metrópole, nem hoje, onde somos levados a crer que vive bem quem vive a lá europe, mas apesar de tudo vivemos do nosso jeito. A nossa cultura é de encher os olhos, tiro por Carmem Miranda que colocou frutas na cabeça e ganhou o mundo sendo brasileira. Chico Science que fez americanos mexerem o corpo com seu maracatu atômico. Chico Buarque que é o queridinho dos franceses. E quantos mais, não citados, que fazem estrangeiros invejarem por não terem isso. Eu tenho orgulho do país em que vivo, mesmo que nas esquinas ainda haja o pânico da violência, mesmo que na periferia a indiferença ainda arda, mesmo que todos ainda fiquem embriagados com o poder. Isso haverá em todos os países, em todo canto e sempre, mas poucos têm tanta força de vontade quanto nós, brasileiros e mais: nordestinos. A beleza desse país é invejável, a alegria que há em todos é contagiante e a força de um cidadão é capaz de mudar a situação. 
Em ano de eleição tudo isso parece meio que proposital, mas eu me importo com política e não acho chata, aliás, acho até interessante ver que senadores e deputados brigam entre si pra por em prática seus objetivos, não o coletivo. A diferença é que a mudança não se faz com revoltas, revoluções ou reclamações, tudo aleatório (pode ser que faça), mas hoje, hoje onde os abaixo-assinados são feitos sem a necessidade da presença, hoje que a informação voa, hoje em que o voto é livre. Hoje, muito mais, somos capazes de fazer diferença, de dar cara nova pro país. 
"[L]embrarei que todos quantos apelaram, por volta de 1822, para a palavra independência pensavam, e pensavam corretamente, que ela significava acima de tudo a ruptura dos vínculos políticos que prendiam ainda a antiga colônia à antiga metrópole. Querer discutir sobre se a quebra desses laços impedia ou não uma dependência econômica em relação a outros países já é outro assunto. Quando se falava em independência era a soberania política diante do reino europeu que estava em jogo. Poucas nações que se presumiam independentes, a começar por Portugal, podiam furtar-se então a alguma forma de sujeição econômica, intelectual, em alguns pontos, política."
 Sergio Buarque de Holanda. “Sobre uma doença infantil da historiografia”
O que ganhamos com a ONHB.


sexta-feira, 21 de setembro de 2012

Sensação nº2 uma das únicas necessárias

You just keep me hanging on


terça-feira, 11 de setembro de 2012

bilhetinho de nº1 (adaptado)

domingo, 9 de setembro de 2012


Meu querido,
eu deveria saber

[no tittle]

Meu querido, 
se coubesse a mim saber todas as vezes em que eu poderei te abraçar, pode ter certeza, não desperdiçaria nem um minuto quando sei que posso. Há dias em que alguma coisa atravessa nossa carne, quase como uma espada (que corta dos dois lados) sendo empurrada de uma vez... talvez assim doa menos; meu querido, isso acontecia comigo todos os dias, há pouco tempo eu olhava além do meu nariz e quase que de repente vinha algo me empurrando, me cortando, me maltratando quase que completo. Se retorcer e retroceder não ajuda muito, o que vem antes é muito pior do que vem depois. Agora, imagine só a história contada há muito tempo, onde um moço de nobreza alguma (da burguesia quem sabe) vem com ousadia e puxa a espada. De uma vez, por completo, incrivelmente sem fazer corte algum. Arthur, depois de pouquíssimo esforço conseguiu tirar a espada, não porque tinha força ou algum tipo de mágica. O Arthur que tinha o dom. É você que tem o dom, meu bem. Sem metáforas: você que consegue me fazer feliz. Mas, meu bem, se eu soubesse que não poderia te ter toda hora que eu quisesse eu jamais erraria, eu calaria a mim mesma e não diria nada que vem a minha cabeça, nada, porque eu jamais teria a vontade de fazer você ficar triste, ou chateado, ou magoado, ou zangado, ou qualquer coisa diferente que tire a coisa mais linda do mundo do seu rosto. Eu não, eu não teria coragem de te ver triste, e nem tenho. Então, me perdoa, mas não um perdão simples. Me perdoa por todas as vezes que você disse que me amava e eu não entendi; me perdoa por não dizer nada quando alguém vinha dizer que você não quer nada (quando na verdade eu sei que você quer é me fazer feliz); me perdoa por todas as vezes que eu devia ter dito que você estava lindo e fiquei calada; me perdoa por todas as vezes que eu gritei com você; me perdoa por todas as vezes que eu quis brigar com você; me perdoa por ter feito você ter esperado tanto por mim; me perdoa por todas as vezes que eu reclamei dos seus joguinhos (poque você nunca reclamou das coisas fúteis que eu faço); me perdoa por te cobrar tanta coisa boba; me perdoa por todos os presentes que eu não te dei; me perdoa por todas as brincadeiras sem graça que eu fiz com você; me perdoa por não ter defendido você quando alguém  perto falava mal da melhor pessoa que eu conheço; me perdoa por já ter feito você voltar tarde pra casa; me perdoa por não te chamar de amor; me perdoa por ser tão grosseira; me perdoa por todas as vezes que eu te chamei de bobo; me perdoa por todas as vezes que você queria me beijar e eu não deixei; me perdoa por ter te deixado tão nervoso; me perdoa por não estar linda todo dia; me perdoa por eu não fazer um bilhetinho dizendo que te amo; me perdoa por todos os murrinhos cheios de força que eu te dei; me perdoa por todas as vezes que eu fiquei com pena de você; me perdoa por ter falado mal dos seus amigos; me perdoa por eu ser avoada; me perdoa por eu ter ficado olhando o tumblr enquanto você tava do meu lado; me perdoa pelas vezes que eu te ignorei; me perdoa por ter parado pra ouvir desabafos enquanto você estava doido pra ficar comigo; me perdoa por te fazer comprar bolinhos; me perdoa por te deixar esperando e chegar sempre atrasada; me perdoa por não saber cuidar de você direito. Me perdoa por eu não saber fazer você feliz como você me faz. Me perdoa por te amar demais [que é meu único defeito e qualidade]. Me perdoa, meu querido, mas é que eu sou assim, com um jeito meio estúpido, mas por você eu mudo. Só por você. Eu posso viver sem todas as pessoas que há no mundo, porque na realidade eu só preciso de Jesus, mas sem você eu não conseguiria, eu jamais saberia como é existir sem você (desaprendi).  Me perdoa pela colocação errada do pronome. Perdoe-me por todos os "perdões", mas eu preciso começar de novo. 
Tentar outra vez. Falhar outra vez. Falhar melhor
Com amor, B.  

sábado, 8 de setembro de 2012

After that long kiss I nearly lost my breath.
- Miguel Ministro

domingo, 26 de agosto de 2012

Há mais amor aqui que estrelas lá no céu

sábado, 18 de agosto de 2012

Let's do it

Let's fall in love

sexta-feira, 17 de agosto de 2012

Maria dos Povos


[...] o tempo trata a toda ligeireza,
E imprime em toda a flor sua pisada.

Gregório de Mattos

quarta-feira, 15 de agosto de 2012

Posso cantar, meu querido?



Olha, to só cantando, não é pra você...
Nosso amor não dura nada
não é pra você!
Mas há de dar um poema
Que transformarei num samba
Quando a gente se deixar
não to cantando pra você.

Nosso amor foi condenado
A breve amor nada mais
não é pra você, juro...
Eu tive um pressentimento 
No nosso último beijo
Deixa...

Uma coisinha de doida, Doida S,

o sol estava forte, brilhando no alto e a ponto de queimar aquela folhinha verde que Samanta olhava. Por mais que tudo estivesse perdido ela poderia regressar e brilhar mais uma vez, ser forte como e sol e minuciosa em seus passos como a folha que agora dançava ao vento. Ainda lembrava de como fora grossa em seus toques e como foi esquecida em suas histórias.
escrito em 06/12/2011

Eu sonho acordada. Mas quem sonhou isso foi a Barabara. Eu não.

Eu parada no nada. Além de mim só o nada.
Você me toca de leve.
Caio.
No caminho disso eu passo a voar. Eu aprendo a voar.
Você ri da minha descoberta.
Sonhar com você é como morder a bochecha com bastante força e não sangrar.

escrito em 03/09/2011

No aniversário do Pablo.

A gente sempre quer saber o que tem dentro da caixa de presente; o que há atrás da porta ou o que o futuro nos reserva. Mas isso a gente pensa sempre, é nisso que a gente não pode pensar.
é meia-noite e o céu tão escuro trás pra mim um vento gelado, daqueles que dá um medo danado, mas é tudo pensamentos, apenas. Mas o vento não precisa mais se fazer presente, até porque todas as lágrimas que insistiram em rolar já foram secadas e bem substituidas por enormes sorrisos. É meio óbvio que o PBLJ esteja nisso.
Dia 15 de Novembro de 2010. É o verdadeiro feriado. Mas o motivo é que o Pablo fez aniversário hoje, 17 anos, mas parece que não é isso. É que ele é grande, gigante e com coração ENORME! Mas bem que ele tem o sorriso sincero de criança... ele é.
Foi uma surpresa, mas aquele tipo de surpresa que surpreende até quem já sabia de tudo. Um frio na barriga fez com que aqueles segundos se igualassem a pular de para-quedas. Embora eu queira registrar aquela cena aqui, não posso. Apenas na memória. Apenas na memória irá ficar a "fotografia" não tirada, a foto mais linda de todas; porque nessa foto você está lindo, com os sentimentos e emoções à flor da pele, o olhar procurando um lugar para se instalar...
Eu não soube o que dizer. Mas não foi por falta de ideia, mas porque um choro incontido me calou. O coração batia em uma velocidade que parecia ter ganhado vida. Mas agora eu posso dizer, tudo. Tudo o que você é pra mim.
Devo admitir que há momentos em que o ar foge, o coração ganha vida e os olhos ficam inteiramente marejados. Quando nós falamos em crescer, soa como uma palavra tão confusa que esquecem de lembrar que é uma das coisas mais importantes a se fazer. Você me faz não ter medo disso. Pablo, você me faz não ter medo de nada; você me faz ser valente, grande e forte. É o fato de crescermos a cada dia que me faz te amar mais; é o fato de ver você esquecer um pouco de você mesmo pra não ver o outro chorar que me dá uma alegria enorme em poder conhecer você e poder participar desse teu sorriso.
Tão sincero, teu sorriso é singelo, mas traz junto de si uma felicidade que é unica.
Escrito em 16/11/2010

tem fundamento?

Brunna - "os punhos e os pulsos cortados" diz: a gente sempre se pergunta onde e com quem nós queremos estar quando for a hora do fim. Acontece que poucas pessoas sabem que o fim sempre vem quando menos esperamos e isso é no mínimo amedrontador. Mas um dia a gente aprende a lidar com isso e fica fácil. os dias vão passando e a gente nem percebe cada vez mais que o amanhã é tão certo e vem aquela vontade de aproveitar o pouco tempo que falta. embora pareça que iremos conseguir suportar dores fortes, nós sabemos muito bem que em noites frias e cálidas o choro vai forçar e a garganta vai travar, é nessa hora que pedimos para nunca ter existido, para que os momentos bons não tenham acontecido só para a dor do fim não chegar. Mas é o fim que nos mostra o quanto valeu e como foi bom "delirar e morrer de paixão". Sim, porque a paixão se você não sabe é o "vacilo da alma", é quando você faz tudo o que pode e o que não pode por paixão àquela pessoa. então as vezes eu penso que sou apaixonada pelo PBLJ, porque eu faço tudo o que estiver ao meu alcance por vocês. já perdemos tanto tempo conversando, tentando descobrir o que é isso, esse amor tão forte que vence tanta coisa. cada conversa é uma descoberta, vem sempre um adjetivo novo para qualificar esse sentimento. Porque nós somos grandes, gigantes e isso é inexplicável. essa grandeza toda provém de nosso crescimento que como já disse foi assim: "nós crescemos juntos". nessa palavra, "junto", vem cobrindo quilos de sentidos que
pronto
não tem mais o que se escrever

∞ ClariceCastro. diz: brunna toda vez que tu escreve sobre nossa amizade, eu fico frágil. eu mudo meus ideais.. e começo as descobrir todos de novos. tu toca meus sentimentos quanto a nossa amizade.
ah.. e o jardim vai morrer, você não vê?
brunna.. quando você tiver seu filhinhos.. vai ter tantas estórias e histórias pra contar pra eles. principalmente que já teve uma amiga ou ainda vai ter.. que o sonho dela era ser atriz.

Em novembro de 2010

O futuro é tão incerto. O passado nos dá a sensação de calafrio na nuca, só porque temos a impressão de não termos feito tudo. Mas esse "tudo" quer dizer nada mais nada menos do que "amar".

Escrito em 04/11/2010
oh Deus, eu era só muito boba. 

Só porque pediu eu tirei isso do fundo do nosso mar.

A vontade de te chamar de "homem" vem muito além da vontade de te chamar de "meu". A vontade de dizer "eu amo você" vem muito atrás da vontade de dizer "sou sua". Mas nada se compara a enorme vontade de dizer "consegui voltar no tempo". Voltar no tempo e não desperdiçar a chance de olhar fundo em seus olhos e me perder no infinito deles, porque é, ou era, a visão mais perfeita que eu tinha.
Agora a nossa trilha sonora deveria ser "Barcarolle", porque agora nós estamos tão distantes que tudo acontece em sonho. Um sonho que estamos juntos, não juntos de verdade, mas literalmente abraçados, assim dançamos lentamente e olhamos um para o outro como se tivesse algo mais a se descobrir, como se houvesse algo mais a se sentir. Seu abraço, que eu nunca tive a chance de sentir como é a força que tem o aperto dos seus braços ou como é quente o calor que sai de sua pele. Mas em sonho eu sinto isso, em sonho o seu abraço é inigualável.
Eu não preciso de um filme romântico, ou de um conto de fadas bem contado; preciso apenas de você, meu homem, porque você me faz sentir como uma utopia realizada e assim completa.
Por mais que eu finja, fuja e fale que não, é em você que eu penso quando vejo aquele filme bobo que agora não faz mais sentido, porque não tem você para me mandar parar. É você que vem em minha mente quando eu vejo aquele casal bonito, porque eu sei que talvez nós não seríamos um, porque eu sei que talvez não seja eu que farei você sentir-se amado de verdade, porque eu acho que você nunca tenha sido de verdade para cortar os pulsos.
O meu infinito era seu olhar, que as vezes ficava vazio, mas ainda assim fixos em qualquer lugar. Teu olhar, meu menino. Seus olhos fixos em mim me levavam a um lugar ao qual eu sempre quis estar, um lugar onde eu desejo até hoje, morar lá, ficar lá esperando que em algum momento você me acorde da utopia com aquele beijo indescritível que você tem. Não que eu tenha provado do sabor dele, mas em meu sonho o fazia. Em meu sonho, o melhor sonho, você descobria os lugares mais secretos de mim enquanto me entorpecia com seu beijo que era frio e quente, salgado e doce. Eu dizia a cada segundo que te amava porque eu queria ouvir você dizer isso também, meu garoto. Mas você não dizia nada e eu fiquei feliz demais em apenas estarmos ali. Mas de súbito eu acordara.
Eu não queria acordar, queria ir para a segunda parte do sonho. Porque para mim nós deveríamos ter participado de um filme, nós até participamos, mas ele ficou sem fim e a câmera ainda está filmando e filmando... E as pessoas na sala do cinema (que inclusive são poucas) ainda estão lá esperando que a dita cena de "filmes românticos" aconteça, mas todos já perceberam que o diretor do filme errou ao não escrever um bom fim para estória. A pipoca dos poucos expectadores já acabou e ele estão saindo da sala, porque ao que tudo indica, nós não fazemos mais parte do filme.  Mas eu ainda estou esperando que a última cena aconteça e que os créditos finais possam aparecer, mesmo que você não esteja ao meu lado para ver isso.
Nossas conversas não tinham começo nem fim, porque na maior parte do tempo eu estava calada olhando você se cansar de esperar que eu levantasse para dizer que naquele instante eu estava pronta. Mas eu não estava, porque eu precisava de que alguma coisa me fizesse crescer, e eu penso que agora, talvez, seja a hora certa. Porque eu me sinto pronta, meu homem.  Eu estou esperando o momento em que possamos rir de tudo e nada, o momento em que mergulharemos juntos na imensidão de um mar azul, para eu poder te ver em câmera lenta, em segundos eternos. Eternos segundos que agora talvez não façam mais sentido algum. Não precisa fazer sentido, não precisa ter explicação, porque o tempo vem me dizendo há dias que tudo é verdadeiro.
A poesia ainda não sai da minha cabeça, porque ela me diz que é verdade: "Deixa pra lá! Que de nada adianta esse papo de: Agora não dá! Que eu te quero é agora, não posso nem vou te esperar, que esse papo de tempo nunca funcionou com nós dois.  Sempre que der mande um sinal de vida de onde estiver dessa vez, qualquer coisa que faça eu pensar que você está bem, ou deitado nos braços de outra qualquer, que é melhor do que sofrer de saudade de mim como "eu tô" de você. Que essa dor eu não quero pra ninguém no mundo imagina só pra você. Quero é te ver dando a volta no mundo indo atrás de você, e rezando pra algum dia você perceber que o que falta em você sou eu." Mas a música só tocou na hora errada.
As fotos que nunca tiramos são as mais lindas, porque são secretas. Secretas porque elas grudaram em mim como tatuagem e eu sei que em você também. As fotos são lindas, encantadoras e me pertubam incessantemente, porque elas têm sede de realidade. Assim como nossos beijos, os beijos que nunca demos são os melhores. Eu sei que eles também te pertubam às vezes, assim como fazem comigo. Mas comigo a situação piora, porque eles me iludem a torná-los reais, mas geralmente ele quase me fazem acreditar que é verdade quando declamam "Mesmo quando a boca cala o corpo quer falar. Esses gestos incompletos, olhos tão repletos de te desejar, o direito de ir e vir, o desejo de ficar. Tudo isso pra dizer que eu não sei dizer onde é que isso vai dar, eu não mando no querer, aliás, é o querer que quer me governar. Hoje eu vivo pra dizer, eu digo pra viver, você é meu lugar". As cartas que nunca escrevemos são lindas, porque nelas você demonstra o quanto me ama e com é bom passar qualquer segundo que seja comigo, mas elas são cheias de poucas palavras e estão jogadas no lugar mais obscuro da lixeira do seu pensamento. As juras de amor que não fizemos são apaixonantes, porque elas expressam exatamente como nos sentimos.
Mas é ilusão, utopia ou qualquer coisa que tenha um mesmo fim. Aquilo que você não me diz me mostra com seu corpo, que em silêncio dança pra mim.  Você me adora, eu vejo através de seus olhos o menino que puxa o gatilho do coração sem saber o nome do que pratica. Você me adora e eu me gratifico só com os olho que eu vejo. Você tem medo de dizer que me ama, aperta minha mão e me chama de amiga.
Meu homem, meu garoto, você foi meu tudo. Eu não me lembro bem se te amei ou se apenas me apaixonei, mas foi tão intenso, tão bom. Depois de eu ter tentado esquecer tudo, inclusive seus olhos, eu tornei a sonhar contigo, o melhor sonho que poderia ter durante séculos, porque em meu sonho você era meu; meu menino, meu homem.
Se o amor não nos quiser, então azar do amor, não soube nos amar.


Escrito em 3/08/2010

esse cara. 3 vezes;

Mas esse homem que mora comigo é o homem que eu amo, mas eu bem sei que ele me adora porque posso ver em seus olhos; seus olhos de menino que tem coração puro e que ainda não está pronto para ser usado. Mas ele é o homem que eu escolhi, escolhi calculadamente e cuidadosamente para não errar, porque eu precisava de um homem, assim como ele para me ver de branco e vermelho. Tudo aquilo que ele não me diz é porque ele não sabe como, mas ele vai me dizendo com o corpo e termina dançando para mim. Seus olhos infantis quando sorri para mim e com olhos de bandido quando demonstra que desiste. Ele é quem decide, estou entregue a seus desejos e suas vontades, porque quero que ele perceba que eu o amo. Ele já grudou em mim, não há maneira de tirá-lo de mim, como uma tatuagem e ele em mim ficou. Mas tudo que ele quiser e mandar eu fazer, faço, porque ele é meu homem e eu sou apenas uma mulher. Ele está aqui porque quer e eu estarei sempre aqui para o que der e vier.

original:
"Mora comigo na minha casa, o rapaz que eu amo. Aquilo que ele não me diz porque não sabe, vai me dizendo com seu corpo que dança para mim. Ele me adora e eu vejo através de seus olhos o menino que puxa o gatilho do coração sem saber o nome do que pratica. Ele me adora e eu me gratifico só com os olhos que eu o vvejo. Eu corto todas as cebolas da casa, eu arrasto os móveis, ele tem medo de dizer que me ama e me aperta a mão e me chama de amiga."

escrito em 31/08/2010

terça-feira, 24 de julho de 2012

Principais comentários.


alguém sabe me dizer qual a historia da inspiração pra essa musica?
bielbarros 4 anos atrás

A inspiração surgiu (suponho) das conclusões que os visitantes protagonistas da canção (coole poter, paul gauguin e claude lèvi-strauss) tiraram da baía de Guanabara. Se você ler "Tristes trópicos" de Lèvi-Strauss vai saber que este antropólogo realmente odiou a Guanabara: a "boca banguela" é porque a baía só tinha os "dois caninos e uma enorme boca escancarada engolindo quem nela entrasse".
Eis o que disse o antropólogo: "Naquele livro decidira descrever, com liberdade, tudo o que me vinha à cabeça diante do que via, minhas impressões imediatas, sem nenhuma auto-censura. Quando vi a Baía da Guanabara, fui invadido por uma sensação de decepção em face do que imaginara. Era uma coisa tão grande, os lugares importantes ficavam tão distantes uns dos outros que, na hora, me veio a imagem de uma boca sem dentes. Não vi porque esconder essa sensação".
Magao1970 em resposta a Magao1970 4 anos atrás 22



Sambinha bom

vai bicicleta!

"eu, eu quero ficar com você. eu, eu quero grudar em você. eu, eu quero me bordar em você. quero virar sua pele, quero fazer uma capa"

ele me perguntou se eu te amava


do tipo de querer ficar com você pra sempre
Na hora meu coração bateu forte e bem rápido, pois lembrei de você, de todos os momentos bons que passamos juntos (...). Lembrei que tinha uma garotinha que me amava e a qual eu prometi meu coração pra ela, e isso me deixou com um sorriso no rosto, e eu senti uma coisa tão boa quando lembrei de tudo, que eu pensei por uns 2 minutos como seria nossa vida daqui a 20 anos por exemplo. Eu pensei primeiro no sofá branco de couro (que é mais fácil de limpar) e vi aquele dia de chuva, eu e você juntos assistindo um filme, aquele edredom cobrindo nós dois. Eu levantei minha cabeça e falei "Sim" com um sorriso estampado no rosto, e ele perguntou, "e como você sabe que é ela?" (...)
- Eu sei porque eu tenho aquela vontade de fazê-la feliz todos os dias. Aquela vontade de me importar mais com ela do que comigo mesmo, porque ela estando bem eu estou bem, porque eu a amo muito e provavelmente o senhor entende isso, por que o senhor após anos com a mesma mulher ainda a ama e sente a mesma coisa que eu e isso pai eu num troco por nenhuma garota de iguatemi, ou de expocrato, porque eu a quero pra sempre comigo e eu vou fazer por onde a ter comigo ... Pra sempre

quinta-feira, 19 de julho de 2012

(ex)citações

"Faria silencio, só para ouvir aquelas batidas, faria silencio tempo todo, em qualquer momento, em qualquer situação para ouvir aquele sopro liberado pelo teu sorriso."

quarta-feira, 18 de julho de 2012

Tem noção de como isso me deixou sem palavras?

"Eu te amo Brunna e quero te amar pra sempre, isso é , se você deixar eu te amar pra sempre, por que eu quero o nosso dia de chuva no sofá branco, e vai ser nesse dia que eu vou dizer valeu a pena esperar."

sexta-feira, 13 de julho de 2012

é tão desse jeito


Quando encontrar alguém e esse alguém fizer seu coração parar de funcionar por alguns segundos, preste atenção: pode ser a pessoa mais importante da sua vida.
Se os olhares se cruzarem e, neste momento,houver o mesmo brilho intenso entre eles, fique alerta: pode ser a pessoa que você está esperando desde o dia em que nasceu. Se o toque dos lábios for intenso, se o beijo for apaixonante, e os olhos se encherem d’água neste momento, perceba: existe algo mágico entre vocês.
Se o primeiro e o último pensamento do seu dia for essa pessoa, se a vontade de ficar juntos chegar a apertar o coração, agradeça: Deus te mandou um presente: O Amor.

quinta-feira, 12 de julho de 2012

Dança de viagem


Escrito para mim há algum tempo, mas como tudo que ele escreve é atemporal, me deu uma vontade boa de ler mais uma vez. Eis aqui, para sempre guardado, a carta de um navegante que eu amo demais. Porque amar é melhor que ser amada.

Elizabeth dançava radiantemente, seus cabelos cacheados voavam ao vento como uma cortina, e um sorriso tão iluminado quanto o sol forte – ou até mesmo sua dança – se exibia entre a cara pintada com sardas.
                - Vamos Louis! – Dizia-me ela me puxando para dançar também – Pare de pensar em trovas, e venha cá dançar comigo.
                Todos do caís pararam para nos olhar, e o mastro ao mando de Elih, começou a tocar uma música animada, que fazia até meus músculos de um velho adiantado, quererem remexer-se juntamente com ela.
                - Só essa dança, vamos lá, você me deve Louis.
                Abri um sorriso de valer a pena, e sem delongas a acompanhei na dança. A música de Elizabeth era contagiante, inundava meu corpo sem pedir permissão, mexia comigo e bagunçavam meus pensamentos, me deixava quente e feliz.
                - Desculpe-me novamente por minha ausência – dizia enquanto dançávamos sem parar – Eu sei que as culpadas são essas minhas viagens às fontes, mas é preciso sempre navegar.
                - Não fale nada agora Louis, aproveite, dance, pois sempre que falamos algo, surge um perigo, por isso, fiquemos tranquilos nessa dança, e aquietemos nossas palavras já tão gastas. Já que depois você irá viajar novamente, e só Deus saberá quando iremos nos ver outra vez.
                - Logo – prometi.
                - Por favor, não me faça mais promessas que não pode cumprir, apenas venha, dance, e me deixe inteiramente feliz.
                - Mas eu sei que venho logo, não se preocupe.
                Elih gargalhou jogando a cabeça para trás, os cabelos cortinosos novamente voando ao léu, seus dentes juntos e belos – pois esses eram sim, ela gostando ou não – a mostra, sem ao menos cessar com os passos dançantes.
                - Ai Louis, você ,mais do que ninguém, sabe o quanto imprevisível pode ser um Leão, indomável, viajante, sedento... Não me prometa que voltará logo, porque assim, ficarei esperando, e esperando, esse barco voltar novamente a ancorar neste porto. Já me vejo até comendo feito uma louca lúcida.
                - Não há nada de errado em comer moça!
                - Nem em deixar de comer.
                Elih então parou de dançar, ofegando e soando. Parei de dançar também e a música se deteve, e ficamos apenas fitando os olhos.
                - Eu sei que você estará em boas mãos Elih – disse mansamente ajeitando seus cabelos do rosto – Aprenda o máximo que poder, pois a paixão é uma ótima matéria da escola da vida, mas disso já conversamos.
                Elih mordeu os lábios fazendo uma careta, e cruzando os lábios virou a cara.
                - O que foi?
                - Estou me controlando para não te fazer perguntas...
                - Tudo bem, esta é a hora.
                - Até onde você irá dessa vez, Louis meu?
                Parei para pensar em sua perguntar que nem mesmo sabia a resposta. Tal mar que estava prestes a desbravar, havia águas tão negras, e ao mesmo tempo tão brancas e na melhor – ou pior – das hipóteses, teriam águas geométricas, mas isso eram coisas para outras prosas.
                - Eu não sei – disse inseguro fitando o possível mar futuro – Talvez até onde meu bilhetinho da loteria me leve, contudo Elih, Escute-me, não me interessa o que você ache quanto a isto, pois eu prometo, prometo, que voltarei em sumo o mesmo.
                - Você sempre volta.
                Assenti levemente com um sorriso acanhado nos lábios. E então estávamos no caís, sem música, sem danças, falas ou trovas, nos restando apenas nossa despedida.
                Com um abraço duradouro, daqueles que mais parece que estamos tentando arrancar um pedaço de quem está em nossos braços, para se colocar em nosso peito, dissemos mil palavras que ainda restavam a ser ditas, mas que apenas nossos peitos colados poderiam dizer.  E dando de costas um para o outro, estávamos sim, podres de felizes, esperando até que novamente nos reencontrássemos em um caís do barroco.

Kaco
               

Tempos de paz



Eu assisti esse filme (tempos de paz) esses dias, mas já tinha visto o vídeo antes, mas nada como entender a história. Olhando de novo vídeo, achei esse comentário, me explicou muita coisa.


"Impressionante este monólogo, levou às lágrimas Segismundo e a mim também. Como o personagem que dialoga com Deus, também dialoguei buscando entender a miséria humana, o horror que é a humanidade. Minha conclusão é de que com o homem a vida é impossível. Somente com um Deus que é amor, que criou o pássaro, o rio, a fera e a mim, a vida é aceitável. Este é o mundo criado por Deus porém construído pelo homem. Eu andava indiferente ao teatro, porque não suporto o besteirol geral. Foi libertador. Viva o teatro!"

terça-feira, 10 de julho de 2012

Jogos para atores e não-atores

"Todo mundo atua, age, interpreta. Somos todos atores. Até mesmo os atores. Teatro é algo que existe dentro de cada ser humano, e pode ser praticado na solidão de um elevador, em frente a um espelho, no Maracanã ou em praça pública para milhares de espectadores. Em qualquer lugar, até mesmo dentro dos teatros."


O que é loucura pra você?

A simples resposta de um “louco”: "Aqui dentro não existem loucos apenas pessoas que não agüentaram a loucura do mundo lá fora"

 Programa A liga [saúde mental].

domingo, 8 de julho de 2012

Hino

É nessa hora que aquele versinho vale:
"Nosso céu tem mais estrelas"

sexta-feira, 6 de julho de 2012

a gente espera


sabia que
um dia
a gente vai se ver tanto
vai se olhar tanto
vai ficar tanto tempo se beijando
que quando chegar no sétimo dia
a gente vai ficar cansado
cansado da gente
ai a gente vai descansar
descansar no abraço
no abraço um do outro
um dia a gente vai se amar
se amar mais
mas se vendo
ai você vai sentar
sentar num sofá branco
e vai dizer
quase sem respirar
"eu sabia que seria uma boa ideia"

[oui, moi]
isso vai demorar um pouco ... mas vai valer a pena

quinta-feira, 5 de julho de 2012


"Meu coração é coberto de melado e gruda fácil em risadas e carinhos solúveis como achocolatado em pó."

- Gabito Nunes

quarta-feira, 4 de julho de 2012

Então, era você?

Então, era você? O tempo todo era você? Eu lembro bem de todas as vezes em que acordei sozinha e olhei pro lado e via alguém, eu abria um sorriso e não dava pra ver quase nada, porque a luz do sol era muito forte e minha vista estava embaçada. Eu via seu cabelo, sua silhueta, mas nada do seu rosto, só sua boca, que sorria. Quer dizer que era você? Eu sempre pensei que demoraria mais um tempo pra descobrir quem seria, mas hoje - em tão pouco tempo - eu tenho certeza que era você ali. Era você? Jura? Era você quando eu comprava sorvete e sentava em um banco grande, com a mão direita sobre a madeira, esperando que aquele moço que eu via do meu lado a segurasse. Porque eu sempre soube que em algum lugar a sua mão ficou sozinha sobre a mesa; era porque a minha estava embaixo da sua. Assim, combinando, não cumprindo o comprimento, mas aquecendo a minha, que já ficava mais fria
Hoje eu te vejo e é inacreditável como seu jeito se parece tanto com o de todas as pessoas que eu já vi e até conheci, mas não, não eram elas. Ninguém tem seu rosto, ninguém tem sua mão e ninguém, tenho certeza disso, ninguém tem seu abraço. Existem melhores - é bom lembrar que poucos abraços são bons como os abraços de leões com saudade - mas eu queria o seu e sempre quis, sempre foi assim, você sem me ter e eu a te querer, mesmo sem saber.
Era você? Era pra você que eu escrevia coisas lindas; você é "ninguém"? Porque sempre que me perguntavam pra quem eu escrevia tanta coisa bonita eu sempre respondia ríspida "é pra ninguém". Mentira, era pra você. Você. Você, com letra maiúscula. Meu. Meu, com letra maiúscula. Muda seu nome, muda seu nome e se chama Meu, Meu Pedaço, Meu Melhor Pedaço. 

segunda-feira, 2 de julho de 2012

se ninguém te quiser ouvir grita / escala um arranha-céus e diz tudo


 não sejas cruel contigo que és o único que tens
tens que ter noção do teu papel
 -João Negreiros

quinta-feira, 28 de junho de 2012

 


Esperando Godot - "não há nada a fazer"

- O que vamos fazer agora?
- Esperar.
- E o que faremos enquanto esperamos?

quarta-feira, 27 de junho de 2012


"E se um dia isso aqui for acabar, colocamos a mão no tempo e mandamos ele parar."

terça-feira, 26 de junho de 2012

"Todas as artes contribuem para a maior de todas as artes, a arte de viver."

- Bertolt Brecht

segunda-feira, 25 de junho de 2012


isso tem só um nome.

Já me acostumei com a tua voz, com teu rosto e teu olhar. Me partiram em dois, e procuro agora o que é minha metade. Quando não estás aqui, sinto falta de mim mesmo. E sinto falta do meu corpo junto ao teu. Meu coração é tão tosco e tão pobre, não sabe ainda os caminhos do mundo. Quando não estás aqui, tenho medo de mim mesmo, e sinto falta do teu corpo junto ao meu. Vem depressa pra mim, que eu não sei esperar, já fizemos promessas demais. E já me acostumei com a tua voz, quando estou contigo estou em paz. Quando não estás aqui, meu espírito se perde, voa longe.

- Renato Russo

quinta-feira, 14 de junho de 2012

mas a garotinha da vida do arthur tá muito apaixonada


quarta-feira, 13 de junho de 2012


Coro de cor, sombra de som de cor, de mal me quer
De mal me quer, de bem, de bem me diz
De me dizendo assim: serei feliz
Serei feliz de flor, de flor em flor

terça-feira, 12 de junho de 2012

É dia santo

Dia dos Namorados está todo errado. O pessoal entendeu errado a data. Não é para provar amor. Não é show para demonstrações de quanto se ama e se quer a namorada.
[...]
Amor não se prova, amor se é. É um dia para oferecer mais atenção do que os demais, como um feriado religioso.

- Carpinejar

sábado, 2 de junho de 2012


terça-feira, 22 de maio de 2012

agora tudo faz mais sentido. o que antes tinha cheiro bom agora tem gosto barulho.
tudo isso só porque eu to apaixonada.
e tem sensação melhor no mundo?

sábado, 19 de maio de 2012

Entranhas.

MENÊNIO - Contra o estômago os membros se insurgiram certo dia, acusando-o de no meio do corpo colocar-se, preguiçoso sempre e inativo, e, como sorvedouro, absorver, insaciável, a comida, sem nunca contribuir com sua parte para o comum trabalho, enquanto os outros órgãos viam, andavam, refletiam,sentiam e falavam, contribuindo cada um, assim, com sua parte, para proverem às comuns necessidades e apetites do corpo. Respondeu-lhes o estômago... -
PRIMEIRO CIDADÃO - Ora bem, senhor: qual foi a resposta do estômago?
MENÊNIO - Vou dizer-vos, senhor. Com uma espécie de sorriso, que não se originava dos pulmões, um sorriso deste modo - pois, no final de contas, tanto posso dotar o estômago de fala como fazer que ele sorria - com um sorriso desdenhoso falou aos insurrectos, aos membros sediciosos que invejavam suas atividades absorventes, tal como ora fazeis, só por maldade, com nossos senadores, por não serem em tudo iguais a vós. 
PRIMEIRO CIDADÃO - Mas a resposta do estômago? Que disse? Se a cabeça de real coroa, os olhos vigilantes, o conselheiro coração, os braços nossos soldados, os corcéis - as pernas - a língua nosso trombeteiro e as outras aparelhagens e menores peças de nossa construção, se todos, disse...
MENÊNIO - E então? E então? Mas como ele é eloquente! E então, que aconteceu?
PRIMEIRO CIDADÃO - Se todos ficam lesados pelo estômago voraz, que é a sentina do corpo...
Menênio - Bem, e agora?
PRIMEIRO CIDADÃO - Se eles, os principais, fizeram queixa, que poderia responder o estômago?
MENÊNIO - Já vou dizer-vos. Se me concederdes um pouco do que quase nada tendes, que é paciência,direi sua resposta.
PRIMEIRO CIDADÃO - Quantas voltas fazeis para dizê-la!
MENÊNIO - Atenção, caro amigo! Nosso estômago, sempre grave, manteve-se tranqüilo, sem revelar exaltação nenhuma, como seus detratores. Deste modo lhes respondeu: "É certo, meus amigos incorporados", disse, "que eu recebo, antes de outro qualquer, todo o alimento de que viveis, e é justo que assim seja, por ser eu o depósito e celeiro de todo o corpo. Mas se estais lembrados, pelos canais de vosso sangue tudo de novo mando à corte, ao coração, à alta sede do cérebro, e assim, pelos sinuosos passos da oficina humana, os nervos mais potentes e as menores arteríolas de mim recebem tudo de quanto necessitam para a vida. E muito embora todos vós, a um tempo, meus bons amigos..." isso disse o estômago, observai bem. -
PRIMEIRO CIDADÃO - Pois não, senhor. Adiante!
MENÊNIO - "E muito embora todos vós, a um tempo, não vejais o que eu dou em separado para cada um, mui fácil é provar-vos por um cálculo certo e rigoroso, que recebeis de mim toda a farinha, sobrando-me de tudo só o farelo." Que dizeis a isso?
PRIMEIRO CIDADÃO - Foi resposta boa. E a sua aplicação?
MENÊNIO - Os senadores de Roma são esse bondoso estômago; vós, os membros rebeldes. Seus conselhos examinai, suas canseiras todas, e heis de reconhecer que os benefícios gerais que recebeis vêm tão-somente da parte deles, nunca de vós mesmos. E vós aí, que pensais disto, sendo, como sois, o dedão do pé do grupo?
PRIMEIRO CIDADÃO - Eu, o dedão do pé? Por que o dedão?
MENÊNIO - Porque sendo, como és, um dos mais baixos, mais pobres e ordinários desta muito sapiente rebelião, vais sempre à frente. E se assim fazes, é porque farejas qualquer vantagem própria. Vamos! Ide preparar vossas clavas resistentes, vossos bastões, que Roma está no ponto de bater-se com os ratos. Um dos lados terá de ser malhado.
Coriolano 
- William Shakespere

domingo, 22 de abril de 2012

Indochinha










sábado, 21 de abril de 2012

é o que rende na aula: muita psicologia.



quinta-feira, 19 de abril de 2012

"faz o que tu faz de melhor: escreve"

não se preocupa, ninguém lê aqui. 
Sabe porque eu gosto de você? Porque eu vejo em você uma inocência tão grande, calma, não é inocência da vida nem nada; é como se você não soubesse nada de tudo o que eu sei e eu sinto uma vontade imensa de te ensinar tudo isso. Mas eu descobri isso agora, depois que eu fiquei segundos [ou foram três mil anos?] encostada no teu peito ouvindo aquilo que é tão bonito... assim... rápido e combinado...  vivo... que me dá uma vontade tão grande de ouvir essa música até o final, até que ela pare de tocar dentro de você. Mas eu gostava de você antes e eu não vejo muito um motivo pra isso, até porque eu já sabia que quando eu ficasse apaixonada seria por motivo nenhum se não por um muito bobo, mas muito bom. o seu cheiro que é singular. o seu abraço que é grande. o seu carinho que é imenso. o seu eu que é pequeno. Eu penso nisso toda hora, fico até reclamando comigo por não conseguir me concentrar em mais nada, mas eu já sabia disso, eu já sabia que quando me apaixonasse ia ficar doente assim que nem eu to. Eu só não sabia que o melhor disso era você cuidar de mim, com seu cuidado, embora ultimamente eu não tenha me esforçado nada pra te mostrar a moça delicada que eu realmente sou, mas acho que você viu esse meu pedaço e eu te devo isso, eu me sinto na obrigação de te dar essa parte que você viu em mim, porque só você viu. 
Pronto, você já sabe o que se passa aqui dentro de mim, agora só precisa saber o que "impede" a gente. Arthur, eu tenho medo de me perder em você, sabe? Eu tenho medo de entrar de cabeça nisso e acabar ficando diferente, acabar não gostando mais, não querendo mais e fazendo você ficar mal e nossa, eu não quero te magoar nunca mais, parece até que quando alguém te belisca no braço eu sinto alguém me cutucando no rosto. Eu não sinto vindo de você o que sai de mim, mas mesmo assim eu gosto de ficar perto, de ficar abraçada todo tempo, mas isso ai é o gato, né? As vezes eu penso até que, poxa, eu realmente posso tá te enrolando e te levando no papo, sei lá, nem sei o que é fazer isso, mas eu também não quero te dizer não, mas ainda não é um sim. até porque você não me perguntou e nem pediu nada, sim ou não, não é resposta, pra mim não é; eu gosto do infinito que há entre isso e no infinito que há entre nós dois. Mas é só a gente, por isso eu pedi pra você não falar nada pra ninguém e poxa, você não falou. Ah... eu achei que você ia contar, mas não falou nada pra ninguém e isso me dá uma vontade de me arriscar, porque  mesmo que não seja como eu imaginei pra mim, de alguma forma, vai ser bom pra você. Mas o que me deixa na dúvida é o fato de em uma semana você ter dito "eu não vou começar uma coisa que eu sei que não dá certo" e dias depois você me falar que gosta mesmo de mim.
Eu juro, me arriscaria, mas ai você teria que me carregar. Teria que me ter pouquinho, me ter dividida, tem que aguentar minhas manias, minha arte e a minha intensidade, eu juro que te preparava pra isso, mas nem sempre funciona, mas eu só pedi pra você esperar porque eu quero cultivar em você, de onde sai essa música que eu gosto de ouvir, uma semente de mim pra que você aprendesse a cuidar de mim. Gato, eu to apaixonada, pra mim isso é doença, porque você não tem noção de como eu fico boba e esqueço tudo que eu sei fazer de bom, mas é uma das melhores sensações que existem. Eu gosto do que eu to sentindo, então no fundo eu tenho medo que você me decepcione.