terça-feira, 24 de julho de 2012

Principais comentários.


alguém sabe me dizer qual a historia da inspiração pra essa musica?
bielbarros 4 anos atrás

A inspiração surgiu (suponho) das conclusões que os visitantes protagonistas da canção (coole poter, paul gauguin e claude lèvi-strauss) tiraram da baía de Guanabara. Se você ler "Tristes trópicos" de Lèvi-Strauss vai saber que este antropólogo realmente odiou a Guanabara: a "boca banguela" é porque a baía só tinha os "dois caninos e uma enorme boca escancarada engolindo quem nela entrasse".
Eis o que disse o antropólogo: "Naquele livro decidira descrever, com liberdade, tudo o que me vinha à cabeça diante do que via, minhas impressões imediatas, sem nenhuma auto-censura. Quando vi a Baía da Guanabara, fui invadido por uma sensação de decepção em face do que imaginara. Era uma coisa tão grande, os lugares importantes ficavam tão distantes uns dos outros que, na hora, me veio a imagem de uma boca sem dentes. Não vi porque esconder essa sensação".
Magao1970 em resposta a Magao1970 4 anos atrás 22



Sambinha bom

vai bicicleta!

"eu, eu quero ficar com você. eu, eu quero grudar em você. eu, eu quero me bordar em você. quero virar sua pele, quero fazer uma capa"

ele me perguntou se eu te amava


do tipo de querer ficar com você pra sempre
Na hora meu coração bateu forte e bem rápido, pois lembrei de você, de todos os momentos bons que passamos juntos (...). Lembrei que tinha uma garotinha que me amava e a qual eu prometi meu coração pra ela, e isso me deixou com um sorriso no rosto, e eu senti uma coisa tão boa quando lembrei de tudo, que eu pensei por uns 2 minutos como seria nossa vida daqui a 20 anos por exemplo. Eu pensei primeiro no sofá branco de couro (que é mais fácil de limpar) e vi aquele dia de chuva, eu e você juntos assistindo um filme, aquele edredom cobrindo nós dois. Eu levantei minha cabeça e falei "Sim" com um sorriso estampado no rosto, e ele perguntou, "e como você sabe que é ela?" (...)
- Eu sei porque eu tenho aquela vontade de fazê-la feliz todos os dias. Aquela vontade de me importar mais com ela do que comigo mesmo, porque ela estando bem eu estou bem, porque eu a amo muito e provavelmente o senhor entende isso, por que o senhor após anos com a mesma mulher ainda a ama e sente a mesma coisa que eu e isso pai eu num troco por nenhuma garota de iguatemi, ou de expocrato, porque eu a quero pra sempre comigo e eu vou fazer por onde a ter comigo ... Pra sempre

quinta-feira, 19 de julho de 2012

(ex)citações

"Faria silencio, só para ouvir aquelas batidas, faria silencio tempo todo, em qualquer momento, em qualquer situação para ouvir aquele sopro liberado pelo teu sorriso."

quarta-feira, 18 de julho de 2012

Tem noção de como isso me deixou sem palavras?

"Eu te amo Brunna e quero te amar pra sempre, isso é , se você deixar eu te amar pra sempre, por que eu quero o nosso dia de chuva no sofá branco, e vai ser nesse dia que eu vou dizer valeu a pena esperar."

sexta-feira, 13 de julho de 2012

é tão desse jeito


Quando encontrar alguém e esse alguém fizer seu coração parar de funcionar por alguns segundos, preste atenção: pode ser a pessoa mais importante da sua vida.
Se os olhares se cruzarem e, neste momento,houver o mesmo brilho intenso entre eles, fique alerta: pode ser a pessoa que você está esperando desde o dia em que nasceu. Se o toque dos lábios for intenso, se o beijo for apaixonante, e os olhos se encherem d’água neste momento, perceba: existe algo mágico entre vocês.
Se o primeiro e o último pensamento do seu dia for essa pessoa, se a vontade de ficar juntos chegar a apertar o coração, agradeça: Deus te mandou um presente: O Amor.

quinta-feira, 12 de julho de 2012

Dança de viagem


Escrito para mim há algum tempo, mas como tudo que ele escreve é atemporal, me deu uma vontade boa de ler mais uma vez. Eis aqui, para sempre guardado, a carta de um navegante que eu amo demais. Porque amar é melhor que ser amada.

Elizabeth dançava radiantemente, seus cabelos cacheados voavam ao vento como uma cortina, e um sorriso tão iluminado quanto o sol forte – ou até mesmo sua dança – se exibia entre a cara pintada com sardas.
                - Vamos Louis! – Dizia-me ela me puxando para dançar também – Pare de pensar em trovas, e venha cá dançar comigo.
                Todos do caís pararam para nos olhar, e o mastro ao mando de Elih, começou a tocar uma música animada, que fazia até meus músculos de um velho adiantado, quererem remexer-se juntamente com ela.
                - Só essa dança, vamos lá, você me deve Louis.
                Abri um sorriso de valer a pena, e sem delongas a acompanhei na dança. A música de Elizabeth era contagiante, inundava meu corpo sem pedir permissão, mexia comigo e bagunçavam meus pensamentos, me deixava quente e feliz.
                - Desculpe-me novamente por minha ausência – dizia enquanto dançávamos sem parar – Eu sei que as culpadas são essas minhas viagens às fontes, mas é preciso sempre navegar.
                - Não fale nada agora Louis, aproveite, dance, pois sempre que falamos algo, surge um perigo, por isso, fiquemos tranquilos nessa dança, e aquietemos nossas palavras já tão gastas. Já que depois você irá viajar novamente, e só Deus saberá quando iremos nos ver outra vez.
                - Logo – prometi.
                - Por favor, não me faça mais promessas que não pode cumprir, apenas venha, dance, e me deixe inteiramente feliz.
                - Mas eu sei que venho logo, não se preocupe.
                Elih gargalhou jogando a cabeça para trás, os cabelos cortinosos novamente voando ao léu, seus dentes juntos e belos – pois esses eram sim, ela gostando ou não – a mostra, sem ao menos cessar com os passos dançantes.
                - Ai Louis, você ,mais do que ninguém, sabe o quanto imprevisível pode ser um Leão, indomável, viajante, sedento... Não me prometa que voltará logo, porque assim, ficarei esperando, e esperando, esse barco voltar novamente a ancorar neste porto. Já me vejo até comendo feito uma louca lúcida.
                - Não há nada de errado em comer moça!
                - Nem em deixar de comer.
                Elih então parou de dançar, ofegando e soando. Parei de dançar também e a música se deteve, e ficamos apenas fitando os olhos.
                - Eu sei que você estará em boas mãos Elih – disse mansamente ajeitando seus cabelos do rosto – Aprenda o máximo que poder, pois a paixão é uma ótima matéria da escola da vida, mas disso já conversamos.
                Elih mordeu os lábios fazendo uma careta, e cruzando os lábios virou a cara.
                - O que foi?
                - Estou me controlando para não te fazer perguntas...
                - Tudo bem, esta é a hora.
                - Até onde você irá dessa vez, Louis meu?
                Parei para pensar em sua perguntar que nem mesmo sabia a resposta. Tal mar que estava prestes a desbravar, havia águas tão negras, e ao mesmo tempo tão brancas e na melhor – ou pior – das hipóteses, teriam águas geométricas, mas isso eram coisas para outras prosas.
                - Eu não sei – disse inseguro fitando o possível mar futuro – Talvez até onde meu bilhetinho da loteria me leve, contudo Elih, Escute-me, não me interessa o que você ache quanto a isto, pois eu prometo, prometo, que voltarei em sumo o mesmo.
                - Você sempre volta.
                Assenti levemente com um sorriso acanhado nos lábios. E então estávamos no caís, sem música, sem danças, falas ou trovas, nos restando apenas nossa despedida.
                Com um abraço duradouro, daqueles que mais parece que estamos tentando arrancar um pedaço de quem está em nossos braços, para se colocar em nosso peito, dissemos mil palavras que ainda restavam a ser ditas, mas que apenas nossos peitos colados poderiam dizer.  E dando de costas um para o outro, estávamos sim, podres de felizes, esperando até que novamente nos reencontrássemos em um caís do barroco.

Kaco
               

Tempos de paz



Eu assisti esse filme (tempos de paz) esses dias, mas já tinha visto o vídeo antes, mas nada como entender a história. Olhando de novo vídeo, achei esse comentário, me explicou muita coisa.


"Impressionante este monólogo, levou às lágrimas Segismundo e a mim também. Como o personagem que dialoga com Deus, também dialoguei buscando entender a miséria humana, o horror que é a humanidade. Minha conclusão é de que com o homem a vida é impossível. Somente com um Deus que é amor, que criou o pássaro, o rio, a fera e a mim, a vida é aceitável. Este é o mundo criado por Deus porém construído pelo homem. Eu andava indiferente ao teatro, porque não suporto o besteirol geral. Foi libertador. Viva o teatro!"

terça-feira, 10 de julho de 2012

Jogos para atores e não-atores

"Todo mundo atua, age, interpreta. Somos todos atores. Até mesmo os atores. Teatro é algo que existe dentro de cada ser humano, e pode ser praticado na solidão de um elevador, em frente a um espelho, no Maracanã ou em praça pública para milhares de espectadores. Em qualquer lugar, até mesmo dentro dos teatros."


O que é loucura pra você?

A simples resposta de um “louco”: "Aqui dentro não existem loucos apenas pessoas que não agüentaram a loucura do mundo lá fora"

 Programa A liga [saúde mental].

domingo, 8 de julho de 2012

Hino

É nessa hora que aquele versinho vale:
"Nosso céu tem mais estrelas"

sexta-feira, 6 de julho de 2012

a gente espera


sabia que
um dia
a gente vai se ver tanto
vai se olhar tanto
vai ficar tanto tempo se beijando
que quando chegar no sétimo dia
a gente vai ficar cansado
cansado da gente
ai a gente vai descansar
descansar no abraço
no abraço um do outro
um dia a gente vai se amar
se amar mais
mas se vendo
ai você vai sentar
sentar num sofá branco
e vai dizer
quase sem respirar
"eu sabia que seria uma boa ideia"

[oui, moi]
isso vai demorar um pouco ... mas vai valer a pena

quinta-feira, 5 de julho de 2012


"Meu coração é coberto de melado e gruda fácil em risadas e carinhos solúveis como achocolatado em pó."

- Gabito Nunes

quarta-feira, 4 de julho de 2012

Então, era você?

Então, era você? O tempo todo era você? Eu lembro bem de todas as vezes em que acordei sozinha e olhei pro lado e via alguém, eu abria um sorriso e não dava pra ver quase nada, porque a luz do sol era muito forte e minha vista estava embaçada. Eu via seu cabelo, sua silhueta, mas nada do seu rosto, só sua boca, que sorria. Quer dizer que era você? Eu sempre pensei que demoraria mais um tempo pra descobrir quem seria, mas hoje - em tão pouco tempo - eu tenho certeza que era você ali. Era você? Jura? Era você quando eu comprava sorvete e sentava em um banco grande, com a mão direita sobre a madeira, esperando que aquele moço que eu via do meu lado a segurasse. Porque eu sempre soube que em algum lugar a sua mão ficou sozinha sobre a mesa; era porque a minha estava embaixo da sua. Assim, combinando, não cumprindo o comprimento, mas aquecendo a minha, que já ficava mais fria
Hoje eu te vejo e é inacreditável como seu jeito se parece tanto com o de todas as pessoas que eu já vi e até conheci, mas não, não eram elas. Ninguém tem seu rosto, ninguém tem sua mão e ninguém, tenho certeza disso, ninguém tem seu abraço. Existem melhores - é bom lembrar que poucos abraços são bons como os abraços de leões com saudade - mas eu queria o seu e sempre quis, sempre foi assim, você sem me ter e eu a te querer, mesmo sem saber.
Era você? Era pra você que eu escrevia coisas lindas; você é "ninguém"? Porque sempre que me perguntavam pra quem eu escrevia tanta coisa bonita eu sempre respondia ríspida "é pra ninguém". Mentira, era pra você. Você. Você, com letra maiúscula. Meu. Meu, com letra maiúscula. Muda seu nome, muda seu nome e se chama Meu, Meu Pedaço, Meu Melhor Pedaço. 

segunda-feira, 2 de julho de 2012

se ninguém te quiser ouvir grita / escala um arranha-céus e diz tudo


 não sejas cruel contigo que és o único que tens
tens que ter noção do teu papel
 -João Negreiros