sexta-feira, 24 de maio de 2013

Os verbetes

Adulto: Pessoa que em toda coisa que fala, fala primeiro dela mesma (Andrés Felipe Bedoya, 8 anos)

Água: Transparência que se pode tomar (Tatiana Ramírez, 7 anos)

Deus: É o amor com cabelo grande e poderes (Ana Milena Hurtado, 5 anos)

Paz: Quando a pessoa se perdoa (Juan Camilo Hurtado, 8 anos)

Sexo: É uma pessoa que se beija em cima da outra (Luisa Pates, 8 anos)

Tempo: Coisa que passa para lembrar (Jorge Armando, 8 anos)

Universo: Casa das estrelas (Carlos Gómez, 12 anos)

Violência: Parte ruim da paz (Sara Martínez, 7 anos)

segunda-feira, 22 de abril de 2013

They shine

Não é maravilhosa a forma como você sempre tem uma palavra boa pra mim? Talvez nem sempre a certa, ou a verdadeira, mas uma que me abre espaço pra olhar pra outros cantos; na faculdade eu fico me sentindo pequenininha, reprimida pela imensidão de conhecimento de pessoas como eu, aquelas que nos olham de cima. Dai eu lembro de ti, lembro que você é um garoto imenso e nem se dá conta disso, e eu lembro o quanto te amo, logo eu faço parte dessa tua imensidão. E olha, fazer parte de algo grandioso te faz grande sim. Como por exemplo, você mora em um dos planetas mais lindos da galáxia (não o mais porque netuno tem um azul delirante, a gente precisa ir lá um dia, já que a lua já está habitada), galáxia essa que tem número incontável de estrelas gigantes, cada uma com sua história e seu modo, imenso, existindo em um universo que não tem tamanho, um pano de pique-nique gigante fazendo ondulações aleatórias e dançando sem parar, ouvindo uma música cósmica e celeste. Somos vizinhos de estrelas (e quem sabe se as estrelas não têm sentimentos? Você pode provar que elas não pensam? Como provar que os cometas não são estrelas mais maduras abusando de sua liberdade e correndo entre o infinito. Ou como provar que estrelas sempre próximas as outras não são famílias? Não são amantes. Como provar que não existe eclipse estrelar? Como provar que elas não fazem sexo no espaço, com amor, prazer e luz? Não dá pra saber se brilhando mais forte elas atraem uma outra, estrelas provavelmente não têm sexo e isso é a bênção delas, e se amam, brilham mais fortes, ficam juntas, ficam velhas, se amam mais, se apaixonam mais, crescem mais, explodem... Como, meu karo navegante, provar que não somos vizinhos de uma das coisas mais absurdamente sensatas e apaixonantes?) e isso nos faz grandes. E quando eu digo nós, não falo da humanidade inteira da terra que pertencem a esse lugar, falo de nós dois e mais umas poucas dúzias de pessoas que nasceram aqui, mas logo logo nossos donos virão nos buscar para levar-nos ao lugar onde realmente deveríamos ter nascido. Pensar que sou sua amiga, e que eu te amo, me faz ver o quão grande eu sou e como estamos a frente de tantos porque sabemos de segredos e mistérios, não sabemos todos, obviamente, mas sabemos. E quem sabe se leões não são a sucessão de uma estrela que se encantou com a alma de pandora e decidiu dar um voltinha por aqui, depois ela volta pra casa (porque elas não contam dias nem tempo, por isso são mais felizes); você, Kaco, leão, quem sabe não é uma estrela, que vai amar amar apaixonar apaixonar apaixonar e explodir. Talvez por isso é difícil sentir teu coração, porque luz não pulsa, encandeia. 

Pequenininha


Quando você chega, calminho, dizendo devagarzinho (quase sem querer) que tá sem graça me ver eu confesso que dói meu coraçãozinho. Em palavrinhas, em passinhos eu vou te entendendo e vendo que essa cidade é pequena pro nosso amor. 
E tudo que é tão miudinho um dia fará falta, porque em nosso coração imenso vai sobrar espaço. E essa cidade que é pequena jamais irá se comparar com o tamanho que a nossa casa terá pra gente, será imensa, porque tudo que tem amor é absurdamente gigante. Mas espera, amor, vem calminho, de mansinho, que as melhores coisas são conseguidas com leveza e carinho.

p.s: amor a gente tem e tá sobrando

Miss

"Eu te conheci e a partir deste momento eu senti pela sua vida uma deliciosa admiração. E quis ser sua." e eu achei tudo tão lindo. Tão lindo que me deu uma vontade de fazer parte disso, como quando vimos uma roupa das mais lindas e raras do mundo todo e desejamo-nas a qualquer custo, porque temos certeza que vestidas com ela vamos ser mais lindos. E vestida de você, com sua vida e sua personalidade eu me sinto mais linda. E hoje quando eu vejo que meu coração já bate em sintonia com o teu, que era uma das minhas principais inteções, eu vejo que valeu a pena, porque eu despertei pra um sonho, e durmo, porque vou despertar de novo. Por isso, amor, não sai de perto, não diz que eu to distante porque isso dói, "meu coração chora frio, tristinho" e caladinho pra não te incomodar com meu soluçar, porque como eu sei você deveria saber que amar não é físico (e se pra você é, tá errado, estamos amando pouco, mas na minha visão eu te amo tanto - e nessas horas eu penso que amar não é o bastante, e nunca será), mas amor, amar é o bastante porque não há nada maior que isso, e nós nos amamos tanto. Ah meu bem, você precisa viajar mais e ver que de todos os lugares nenhum é melhor como a nossa casa, que as coisas chatas e repetitivas que fazemos são importantes, e fazem falta, porque veja, imagine se não fizermos mais. 

Especial (lê-se is-pé-xial)

Quando eu vejo aquele casal que eu gosto tanto é interessante porque enquanto eu vejo uma das partes eu percebo como aquela pessoa é maravilhosa e linda, e que só a outra tem total acesso a ela. Tem gente especial e egoísta que quer as pessoas mais bonitas do mundo só pra si. E eu não to falando de beleza física não (embora esses dois tenham de sobra), mas eu to falando de uma delicadeza, uma inteligência, de coisas bonitas de verdade; aquelas que o fogo não queima. Porque tantas pessoas queriam estar no lugar da outra e não, ninguém pode estar porque só uma tem acesso. E eu me sinto assim, exclusiva, com relação a você, porque eu sei que ninguém vai ter acesso a você como eu tenho. Ninguém vai conhecer suas manias, seus detalhes, seus segredos, aquelas coisas que todo mundo bate o olho e se encanta, é meu. Essa beleza que te compõe (exteriormente mesmo) é do tipo que alguém vê e tem vontade de conhecer mais a fundo, porque teus olhos dizem a todo mundo que tem muito mais pra mostrar, bem escondidinho, e só eu posso ver teus detalhes com relação a isso, só eu um dia vou ver tua parte bonita inteiramente, sem subjetividade ou pudor. Só eu, e ninguém mais. E se isso não for ser especial, eu preciso conversar com o criador dessa palavra pra saber o que ela realmente significa, porque pra mim significa isso: ter o que é de melhor pra si, guardar em si, e se sentir aliviada por não ter que procurar mais por isso. As tuas caras, as tuas expressões, teus gostos, teu cheiro, a tua parte esquisita (porque creep aren't we all?), os teus olhos mais brilhantes, o teu sorriso (que aliás me deixa com uma vontade imensa de te beijar), o teu beijo e o teu amor (esses dois principalmente) são só meus, serão só meus até o infinito... E o bom de te amar é isso: ter um infinito dentro de mim, porque ter a certeza que eu vou te amar por eternidades, como Deus assim prometeu, é ter isso em mim. E diz, é todo mundo que tem isso? É não, not at all. E eu? Sou sua, só sua, e se algum carinha (ou mulher, diante da libertinagem dos nossos dias) me quiser, pode ter certeza que vai ser em vão, porque eu nasci pra ser sua e é só você que mexe comigo, nobody else. E quando você me fala "minha" é como estar em casa, verdade, é uma sensação que eu não sei te explicar. Meus beijos, meu amor, meu inglês ruim e tudo mais de bom e ruim que há em mim, é teu, teu, e teu de novo. E relaxa, mesmo que eu aprenda a voar eu não vou fugir, porque aqui é meu lugar e tudo o que eu preciso nessa vida eu já tenho, aqui, com você, aqui, meu. 

segunda-feira, 15 de abril de 2013

Just for one day


Ela abriu os braços, como se fosse redentora do universo, e sentiu o vento atravessar, não bater, atravessar, como se ela fosse um espírito livre, desses que atravessa paredes, mas ela atravessava o vento. Então ela fechou os olhos e se perdeu numa escuridão imaculada, um espírito de noite procurando corpos para se aconchegar. E o vento voava em seus cabelos e pela primeira vez ela não se preocupou em como eles ficariam quando ela saísse dali, porque isso não faria tanta diferença. Os gritos não se ouvia muito, porque a música que tocava dentro dela agora era muito mais alta, e embora ela estivesse com os braços em posição totalmente contrária a de todos os outros, era isso que a fazia livre, esquisita e especial. No segundo giro ela não se preparou, e ficar de cabeça pra baixo foi absolutamente inesperado, e sair dele intacta foi melhor ainda, mas os estragos que aquela montanha-russa acabara de fazer dentro dela, e com os pensamentos dela eram piores do que tudo. Ela ainda não abrira os olhos porque não queria ver onde estava, esperava sair dali para outro mundo, onde descesse dali e diretamente mergulhasse num mar de água tão azul e brilhante como não existe na terra. E na última subida ela decidiu que iria abrir os olhos, no momento certo, pra que o estrago nos maus pensamentos fossem bem piores, então ela abriu, e desceu, e foi caindo...............
ela entrou em um túnel
as luzes que atravessavam eram como outros espíritos a olhando, e as pessoas paradas eram quase indiferentes diante da infinidade que existia ali, ela quase se sentia voando, e embora ela soubesse que poderia cair e morrer se saísse voando do carrinho, ela queria voar, ela queria voar, queria abrir os braços o máximo que pudesse, abrir os olhos mais ainda e ver além do que todos já viram no mundo, queria deixar o vento a travessá-la de novo. Queria ser Herói, desses que voam, desses que são livres, desses que nãos são criados por homem nenhum, desses que nascem sozinhos, porque são imensos demais pra permanecer calados. E o dela nascia agora. 

tutoiement et vouvoiement


E se nós nos tratássemos com "vós" e "vão"? Aparentaria nos amar mais? 
Se nos tratássemos com "tu" e "qualquer coisa"? Teríamos um amor mais desobrigado?
quando começarmos a nos tratar como "meu" e "amanhã" seremos amantes fiéis.
no tempo em que nos tratávamos pelo nome éramos estranhos, início para um amor inocente, descompassado, bobeante, de pé, firme e absoluto. 
no dia que nos tratarmos com "você" e "agora" é porque quase não acreditamos e quase esquecemos de nós. 
se nós nos tratássemos como "amor" e "vida" é porque não saberíamos o que tais palavras significam.
Quando nos tratarmos com adjetivos no diminutivo, e talvez usar voz manhosa, será uma prova de que nossos corpinhos já ficaram devidamente juntinhos e nossos coraçõezinhos já tocaram uma cançãozinha pertinho do outro, devagarzinho, pequenininho. 
Por que o amor quando quer parecer mais forte se trata com gramática? E quando quer parecer livre se usa com linguagem popular, e até vulgar? Por que nos dá vontade de entender e explicar tudo e todas as coisas?

Sobre confessar


- Lu, eu posso te confessar um coisa?
Esse é o momento em que todas as suas ações passam resumidamente e rapidamente na sua cabeça, pra ver se algo de errado aconteceu, ou algo de muito bom. 
- Fala Ulisses
- Eu acho que você tá ficando diferente
- Diferente como? Diferente, mudando pro lado negro da força? ou diferente crescendo?
- Não sei bem, mas com certeza não é mudando pro mal, deve ser crescendo. Lu, você seria capaz de desejar algo mal pra mim?
- Não! Nunca, isso jamais passou pela minha cabeça. Eu te amo tanto. Quer uma prova? Eu odeio falar no telefone, e olha só, to há meia hora falando aqui contigo por esse comunicador desagradável. 
- Mas você odeia tudo, Lu! 
- Não te odeio. 
- Mas voltando a conversa de você estar diferente. Eu acho que percebi. Provavelmente você esteja crescendo e eu ainda não. Sabe? Você tá com um olhar diferente, pessimista, mas realista. Eu sinto que parei na fase de achar tudo maravilhosamente com esperança.
- Mas há esperança. Eu acho que não pra mim, mas pra alguém que acredita. 
- Você é a minha esperança.
- Isso me tocou mais do que a vez que você me fez acreditar no amor. 
- Mas você é pessimista, não acredita no amor.
- Acredito no seu.

in love ♥


Eu queria não escrever pra você 

Acredita se eu disser que você é a ultima coisa que eu penso antes de dormir? E a primeira, antes de acordar. Eu gosto de imaginar, gosto de ficar sonhando, porque nossos sonhos são nossa libertação. 

Sabe, você não é um cara que se encontra todos os dias, e não é mesmo; eu, que encontrei, quero te levar pra vida toda. 

Eu pinto minhas unhas só pra te ver pegando na ponta dos meus dedos com cuidado pra ver o novo tom de azul que botei nelas. 

Nos dias que eu não te vejo eu te imagino melhor do que você é, e quando finalmente eu te vejo é uma surpresa feliz.  

Por que aquela garotinha teve que cantar meu amor por você e não eu? Vai ver ela sente algo muito parecido por outra pessoa e não perdeu tempo 

eu queria escrever de novo

mas o problema é que

eu me sinto bem agora
bem demais 

agora. 

Eu te amo de um jeito mais bonito que aquele filme do japonês. 

eu fico tão nervosa quando penso que vou demorar pra te ver, sabe? Porque já é a segunda semana que eu te vejo só nos domingos e pra alguém que estava acostumada a te ver a semana inteira, bem, é gritantemente e freneticamente pouco. Parece que vivemos em estados diferente, ou em cidades mesmo, e fosse extremamente cansativo e desnecessário se locomover pra perto do outro durante a semana, tão ocupada. Porque eu descobri que o bairro onde você mora é longe de tudo, e sempre foi longe, porque morar perto do mar não era agradável. E hoje não é seguro. Então eu fico esperando pelo alerta de onda gigante aproximando-se da sua casa pra que você venha correndo pra minha, onde é seguro. 

Creep, aren't we all?


- Sabe quando você se sente no mundo errado? Sabe, eu acho que as vezes imagino demais e acabo querendo que minha vida seja igual ao livro. Mas, eu me esforço pra pensar e olho pro mundo e vejo que isso nem existe, sabe? Bem, não pra eles, pra mim com certeza existe. Com certeza. Tenho certeza que os grandes gênios eram absolutamente tratados como esquisitos. Eu tiro pelo Einstein, pela Clarice (que era até de nome), o Camelo, o Russo, Coco... gênios. Não que eu queira ser gênio e essa seja minha desculpa pra não ser assim tão normal, mas eu gosto de ser assim, ser comparada com gente tão grande, ter característica em comum. Sabe. Eu sempre penso que não importa como você morre, importa o que você deixa, você precisa deixar alguma coisa, e certamente agora eu tenho poucas coisas pra deixar porque ainda não pensei muito em morrer, e nem em com quem vai ficar com o que eu deixar. Mas eu não falo de herança não, falo de legado, de algo que faça mais de um grupo pequeno de pessoas lembrar de você. Sabe, o cantor que morreu recentemente deixou um resultado imenso da vida dele. Há pessoas que baseiam suas vidas na morte, mas eu baseio a minha no meu legado e no meu descanso. Sabe?
- Sei sim. Essa história dela ter te chamado de esquisita mexeu contigo, não foi?
- Muito. Mas não foi só isso, é que depois disso eu comecei a querer achar meu lugar, procurar pessoas como eu, porque você não é, e se não é você, quem é? Então procurei, e me encontrei com aquele nosso amigo em comum, sabe? De cabelo ruivo, e olha, tem coisa mais estranha do que ser ruivo? Mas todo mundo gosta! Por que todo mundo não gosta de ser diferente? Quer dizer, acho que gostam, mas não admitem porque não querem ver a diferença alheia. Então, quando eu comecei a falar com ele eu percebi que uma coisa que um outro amigo meu havia me dito era verdade (pra falar a verdade, eu acho que ele me conhece, mas eu tenho que fingir que não, porque você não quer), ele me disse "você começou a andar com pessoas que não têm nada a ver com você" e "no fundo você tem ódio de todas as coisas". Não  é que é verdade? - e eu to escrevendo porque eu sei que essa conversa nunca vai acontecer, porque você nunca vai me entender e isso não vai fazer diferença nenhuma - Eu não pertenço a esse grupo, esse que você faz parte, sabe? Não gosto das mesmas coisas, acho tudo que eles fazem muito feio, acho os nomes feios. São engraçados, divertidos, mas quem é pra mim não me faz rir, me faz sorrir <por dentro> e por fora. Depois fui falar com minha prima, sabe? Eu percebi como ela mudou, e como ela achou alguém igual a ela, mas mesmo ela estando diferente e falando palavrão eu ainda gosta dela, ainda sou dela e ela ainda me faz carinho no coração. Ainda gostamos das mesmas coisas, e ela ainda vem me mostrar as coisas divertidas que ela conhece, e eu conto as coisas boas que fiz e faço por ai. Eu sou pra ela, e ela pra mim, o problema é que não vejo ela com frequencia e pra ela eu tenho minhas amigas também, mas tenho não, sabe?
- arram. Achei que seria mais fácil entender isso. 
- Sabe de outra coisa? A gente não pode sair falando pras pessoas do que a gente gosta e como a gente sente por dentro, sabe? É que ninguém gosta, as pessoas querem que falem delas, acredita? 
- Ué, mas eu to te ouvindo, acho essa sua regra não se aplica tudo. 
- Você tá me ouvindo, é diferente. Não tá me entendendo, e depois de tudo isso vai dizer algo inteiramente dispensável, a menos que você realmente entenda e me diga algo bom, que me faça sentir melhor. 
- Por que tá dizendo isso?
- Porque só escrevendo é que eu posso te dizer o que quiser sem ter que ver sua cara de desconforto de quem está fazendo algo errado e vai por tudo a perder, sabe? 
- E aqui eu faço que cara? 
- Aqui você só existe na parte vermelha. Então, sem caras, só pulsos. E também só aqui eu posso te dizer que to morrendo de vontade de falar com meu amigo de novo, porque eu sei que ele vai fazer com que eu me sinta melhor, e mesmo que ele não tenha as palavras, assim como meu leão tem, fazê-lo se sentir bem me faz achar meu lugar. Embora eu não saiba cuidar das pessoas, eu sei que quando falo com ele por dentro ele se sente "contente" em falar comigo. E eu sempre quis poder dizer a ele que podemos voltar a ser como antes, mesmo que você não deixe, sabe? E aqui eu posso dizer isso a ele sem compromisso, e dizer isso sabendo que você não vai surtar e querer largar da minha mão. 
- Por que tanta certeza? Eu posso estar zangado por você estar dizendo na minha cara que eu estou falhando
- e qual o problema? Eu tenho certeza porque aqui não temos mãos, só coração, e só o meu, o teu nem chega perto daqui. E quer saber, eu vou falar com ele, eu não posso me privar de me achar só por capricho. E capricho é uma palavra que funciona. 

Rawr

Quando o Júlio ficou parado diante da vitrine do pet-shop, extasiado, babando, olhando pros cachorrinhos com uma cara de realização eu não me contive, e embora eu soubesse que ele não estava pronto pra ouvir ensaios, eu tive que falar. 

- Eu acho muito feio que gosta de animais mais do que pessoas. É. É feio, é feio você dar muito mais atenção pra um ser que não sabe nem quem é você enquanto deixa alguém (talvez até apaixonado) esperando por um sinal. É feio como as pessoas gostam de sentir inferiores, a qualquer coisa. Não que eu diga que cachorrinhos fofos sejam piores que nós, não, nunca, são bem bonitos, mas é que o ser humano tem uma sensiblidade tão bonita, tem aquela coisa de união e química. Me entende?
- arram. 
- Júlio, sinceramente, não é bonito olhar nos olhos vagos de um cachorro, dizer eu te amo e não receber resposta alguma. "Se ele lamber a sua cara será como um beijo", bem, na verdade eu acho que não éjá que beijo envolve tanta carícia; nunca haverá mãos cruzadas, nem beijos na testa de carinho. Será sempre a ausência de troca, porque você se dá inteiramente e não recebe muito, talvez para alguns o fato de se dar já seja a troca, mas se dar pra quem te entende é melhor. Eu não digo que é feio ter animais, mas é feio tratá-los como nós nos tratamos, como se eles fossem dos nossos. Certamente os gatos têm as carícias da sua ordem, os cachorros as deles (e talvez por isso é um descato unir cães e gatos, justamente por o carinho deles não bate), e nós os nossos. 
- Acho que é melhor não perguntar o que você acha sobre passarinhos. 
- É, claro que não. Isso envolve todo um procedimento de liberdade. 

segunda-feira, 1 de abril de 2013

Cheater

- Oi meu amor! Eu senti tanta saudade, sabe, as horas sem você parecem passar mais lentamente. Mas quando eu fico com você parece que 1 segundo equivale a anos. Vai ver que os amantes vivem em um outro universo, e Ester, eu já tenho provas de que não somos desse universo.
- Eu preciso te contar uma coisa. Acho que você não vai gostar muito então pra não te deixar surpreso ou estragar qualquer coisa, pode ficar desanimado, eu acho.
- Fala meu amor.
- A gente devia terminar
e quase com a mesma velocidade que um vírus se espalha, essa frase começou e manhcar todas as memórias que ele tinha, como se tudo que ele viveu até aquele momento tenha sido relevante pra ele estar ali, se doendo. Pensou em todos os momentos com ela e aquela mancha o fez ver tudo de outra forma: ver que todas as ações dela provavelmente teriam sido calculadas pra estar ali.
- Eu não me sinto apaixonada. Quer dizer, apaixonada sim, gosto muito de você, mas eu sinto que não é o bastante. E sabe, eu acho que você pode achar alguém que te ame mais do que eu logo, porque você é adorável.
- Um amor como esse que você me apresenta agora eu posso encontrar em qualquer lugar.
- Não... eu não to fazendo isso por mal, eu simplesmente não posso. Se você gosta de mim tenta me entender. Eu percebi que o que eu sinto por ti não é o que eu sentia pelo Gabriel antes dele me deixar.
- Como que a gente consegue entender um amor não correspondido, Ester? Como?! Como que eu vou começar a refazer coisas que eu fazia antes de você e que na verdade eu nem sei mais o que fazer, você me isolou da minha vida e agora me bota nela de novo? Como se não tivesse feito nada.
- Você mesmo disse que isso ia acontecer um dia.
- Eu disse que a gente não ia ficar junto pra sempre. Não disse que um dia você se reapaixonaria por um ex-namorado babaca que te deixou, e me deixar aqui, sangrando, sofrendo, porque eu nunca me importei com mulher nenhuma e você foi a única que me fez querer fazer valer a pena. Ester, isso é pecado, não vê? Largar um homem que te ama por outro que te faz cócegas no coração? Não, Ester! Não! Isso é errado. Quem devia te deixar era eu, porque eu nunca quis amar ninguém.
- Mas eu não tenho culpa. Você me disse que não dá pra mandar no coração.
- Dá sim! Dá sim porque eu mandei meu coração te amar, e agora ele te ama, ama muito, mas eu vou mandar ele não lembrar nunca mais que você existiu. Você poderia ter me deixado por não gostar mais de mim, mas me deixar por achar que despertou outro sentimento e o que tem entre a gente não é importante... eu não quero te ver nunca mais Ester.
- Não, por favor não faz isso... eu...
- Gosta de mim? gosta da minha presença, né? Vai ser complicado se acostumar com a minha ausência, né? E eu, eu vou ter que me contentar com uma vida que eu não quero pra mim. Agora Ester, agora o que é que eu faço?
- Não sei. Você pode começar procurando um amor de novo.
- De novo? De novo como? se você nunca me amou? Sabe o que eu quero? Eu quero mesmo é que você ache que ele te deu esperança, e que dentro de você comece a nascer um sentimento por ele, pouco a pouco, e fique tão grande quanto isso que eu sinto por você, dai ele te diga que foi tudo um mal entendido, que nunca te deu esperança nenhuma e que agora tá em outra. Não vem falar comigo, não me procura nunca mais porque eu quero tanto te esquecer, agora eu quero, por difícil que seja, mas eu vou te esquecer porque todas as boas memórias estão manchadas, bagunçadas por suas próprias mãos.
- Não, eu não o amo. Só acho que o que eu sinto por você não é o bastante, assim como eu sentia por ele.
- Legal, agora você melhorou tudo me fazendo perceber que eu nunca fui capaz de te fazer gostar de mim.
- Não dá pra fazer alguém gostar de alguém.
- Dá pra fazer alguém odiar alguém. Parabéns.

Why do I love u

Eu gosto tanto de você que talvez no fundo mesmo o que eu goste mais é a capacidade que você tem de fazer com que eu goste de você. Eu gosto tanto do jeito que você fala, quando fala de algo que sabe, ou de algo que não sabe (porque você sempre me convence de que sabe); gosto do jeito que você fala das pessoas que você admira, porque eu sei que você quer ser tão bom quanto elas, e o que eu mais gosto em você é que você é, você é todas essas pessoas que admira tanto, mas de um jeito mais lindo ainda; eu gosto do jeito que você ri, quando ri de verdade, ou quando força uma risada pras minhas piadas totalmente sem graça, gosto de quando me faz rir, porque quando a gente tá feliz a gente sente uma vontade incontrolável de sair rindo de tudo por ai e só de te ver me dá vontade de rir, não porque você seja engraçado toda hora, mas não tem nada a ver com graça, tem a ver com satisfação. Eu gosto do teu sorriso, acho lindo, lindo lindo lindo lindo lindo lindo lindo lidno lindo lindo lindo e não é só, gosto dos teus dentes e da tua boca, sorrindo pra mim, e as vezes por causa de mim. Eu gosto do jeito que você canta coldplay, porque as vezes parece que você queria tanto me fazer entender que aquelas notas e aquelas palavras explicam tão bem o que você sente por mim; gosto quando canta John Mayer, porque parece que você quer me fazer entender que você se sente tão mais apaixonado por mim do que uma canção do Mayer pode nos deixar; eu gosto como você canta músicas que não saem da sua cabeça, músicas que são até engraçadas, as músicas que eu gosto, as músicas que você gosta. Eu gosto das coisas que você gosta e o jeito que você gosta, não tem um motivo muito definido pra se gostar, você só gosta. E como eu gosto de por ponto nas coisas eu to aqui querendo te esplicar porque eu gosto de ti, se bem que eu já falei tantas vezes. Eu lembro que antes, ou depois, não lembro bem, da gente começar a namorar eu te perguntei porque você gostava de mim e você me fez sentir tão importante de uma forma que eu nunca tinha me sentido antes, me fez ver que finalmente eu poderia causar orgulho pra alguém, sem estragar as coisas, dai você disse que não ia perguntar pra mim porque eu gostava de você porque provavelmente não teria muita coisa. Mas eu vou te dizer agora porque eu gosto de ti, mesmo que eu já tenha dito isso mil vezes, mas eu não me canso. Eu gosto de você porque de todas as maneiras possíveis você me fez aprender a gostar, no sentido próprio mesmo. Uma vez um amigo me disse que eu poderia gostar de várias coisas, mas no fundo no fundo eu tinha ódio por todas elas, e poxa eu acreditei nisso e até hoje acho que é verdade, mas por você eu não sinto ódio nenhum, raiva nenhuma, pelo contrário, por você eu sinto um amor cativante, sabe? Carinhoso. Eu gosto de ti pelo que você me faz sentir, por me fazer gostar tanto e de tantas coisas, gostando de verdade. Eu gosto de você porque eu não vejo ninguém na vida capaz de me fazer sentir o que você faz, e da forma que faz; nem no passado, nem no futuro, é você e sempre você. Eu gosto de você porque você é lindo, em tudo, de alma, coração, espírito e com o corpo inteiro. Eu ainda não ti vi, assim, de verdade pra achar teu corpo tão bonito, mas eu te desejo e muito; e por mais que isso pareça estranho e impróprio de se dizer, não dá pra contrariar as coisas que a gente sente por dentro, certo? Eu gosto de ti porque você é uma das melhores pessoas que eu conheço no universo inteiro, e eu posso conhecer poucas pessoas, mas as poucas que são boas são boas demais e você é um dos melhores. Eu gosto de você porque teu coração é imenso, e eu nunca vou esquecer de como ele batia rápido quando estava perto de mim, ou perto do meu, e nunca vou esquecer da forma como o meu bate feliz quando está bem pertinho do teu e meu bem, eu acho que isso é uma das coisas mais bonitas do mundo. Eu gosto do jeito que você faz planos, e gosto de você porque você me inclui neles, quase que integralmente, e isso é bom porque em todos os planos complicados e sonhos furados que eu tenho você está inteiramente neles. Como se meus planos e meus sonhos fossem só mais uma desculpa pra passar mais tempo com você. Eu gosto de você pelo jeito que você me fez ser uma pessoa de verdade, que não pensa insistentemente no fim de tudo, que acredita. Eu gosto de você porque agora eu consigo ver Deus em todas as coisas, e essa sim é a coisa mais linda do mundo. Eu gosto da gente porque é de verdade, quando eu penso nas coisas que poderia fazer com você não são coisas utópicas, que só ficarão só na minha mente, mas eu posso fazer sim, porque eu sei que você faria pra mim qualquer coisa que eu te pedisse, porque você pode ter certeza que eu faria qualquer coisa que você me pedisse, porque eu sei que você nunca pediria algo que não fosse pro meu bem, porque a minha felicidade é a sua satisfação. Eu escrevi tudo isso ouvindo aqule cd do codplay que a gente tem, The scientist que tá tocando agora, e realmente nobody said it was easy, mas também ninguém disse que seria a melhor coisa que aconteceria na minha vida.
Te amo <3
Bru, tua Bru.

Bolinho


- Tá doendo, ele disse.
- não, nem começou a doer de verdade, ela disse
- segura minha mão, ele disse
- seguro, ela disse segurando a mão
eles ficaram calados por um tempo, segurando a mão do outro
- a minha mão tá suando, ela disse
- se eu apertar tua mão dói menos, ele disse
- mas eu não me importo, ela disse cruzando os braços e fazendo uma cara de birra
- por favor.
- não
- por favor, não diz que "eu avisei". Mas você também disse que eu deveria me atirar
- Atirar, não "se" atirar.
- talvez eu mereça um copo d'água.
- Uma refeição inteira.
Ele saiu, alegando que seria melhor comer, beber alguma coisa e voltar depois.
- vai estar aqui quando eu voltar? ele disse
- Sempre, ela disse.
Horas, muitas horas depois ele voltou trazendo um pacotinho, como aqueles que se levam pra casa quando sai de um restaurante e manda embalar o que sobrou. Não, não era esse pacote, era o pacote de alguma cafeteria, doceria, ou qualquer pequena loja que tenha um pacote cor-de-rosa de material reciclado.
- o mar está mais valente hoje? ele disse
- esteve valente desde que você saiu, ela disse, trouxe alguma coisa pra mim?
- sim, ele disse estendendo o pacote pra ela, eu tive que trazer porque é a sua cara.
quando ela abriu o pacote e viu um bolinho com cobertura azul e estrelas coloridas sobre ela ela sentiu todo o corpo tremer porque aquilo era durante muito tempo o que ela mais queria comer.
- como você sabia?
- Morde, pra que eu possa te mostrar.
ela mordeu,
- olha, aqui dentro tem a melhor parte, um recheio de brigadeiro (mas o mais gostoso que eu já provei na vida), ele é leve e com um gosto marcante; misturando com o bolo, que é de longe o mais molhadinho e leve que você vai provar na vida, acontece uma explosão de sensação, porque o bolo não é muito doce e não se torna... você sabe... injuento. A cobertura, a minha melhor marinheira, essa você vai amar, é de um azul sem par e não feita de glacê porque eu sei que você odeia, mas de algo que eu ainda não sei o que é, parece um segredo, sabe? É o toque especial do bolinho, porque quando você morde é meio crocante, mas fica macio, sabe? É uma sensação de força e leveza comer essa cobertura. E ela não é muito doce, pelo contrário, tem um toque azedinho e se você comer até o fim, com bolo e recheio, vai ver como vale a pena a caretinha no início. E as estrelas, bem, as estrelas são fofas, só isso.
- dói menos agora? Eu me preocupei, sabe... me arrependo de não ter segurado tua mão.
- tudo bem, já marquei uma operação. Vou tirar isso de mim a força e não vai dor nunca mais. Mas de qualquer forma, vou querer segurar tua mão pra que a cicatriz não doa muito e que com a sua presença ela cure quase que automaticamente.  o que é isso que a gente sente um pelo outro, hein?
- morde o bolinho, de olhos fechados, se concetra em tudo que tu me disse.
ele mordeu. sorriu enquanto mastigava levemente e naquele momento ele entendeu.
- isso, ela disse.

quinta-feira, 28 de fevereiro de 2013

Samba e amor

Mexer no cabelo de Melissa, para Julio, é algo que se pode fazer por séculos. Ela talvez já estivesse cansada de ouvir o quanto ele amava o cabelo dela, mas ele dizia mais uma vez. 
- Eu amo teu cabelo. - e para não parecer repetitivo terminou a frase de outra forma - E o cheiro dele que fica em mim pelo resto da semana. 
Eles continuaram abraçados. Caro leitor, apenas Dom Casmurro capaz de achar adjetivos próprios pra descrever a cena que se corria, porque muitos provam, mas poucos saboreiam da maravilhosa sensação que é estar apaixonado. Mas posso começar tentando explicar a forma com que a cintura dela se encaixava entre as pernas dele, ou como o braço dele em volta do pescoço dela e apoiado em seu colo parecia perigoso e reconfortante; sim reconfortante, pois ela tinha a cabeça sobre seu braço e uma das mãos segurava-o. Ela precisava tocá-lo. E por fim as suas mãos encontravam-se no meio do caminho, entre suas pernas, entrelaçadas, para demonstrar algo de carnes, como um filme que tem cenas simples, mas representativas. 
A atmosfera que cobria aquele ambiente era de tamanho conforto, que ao descrever tenho a certeza que seu coração, leitor, irá bater mais calmo e rápido. A luz que iluminava muito pouco vinha da fresta da janela, coberta por cortinas brancas de um tecido muito fino, provavelmente trazido da Índia; os lençóis eram um de seda azul e outro de seda dourado, trazidos provavelmente da França. A janela era imensa e ficava exatamente a frente da cama, com pouco esforço dava pra ver através da cortina e do vidro uma paisagem linda; não que uma cidade em pleno fervor parecesse bonita, mas eles amavam aquela vista. A parede era pintada de dourado, mas do topo até a metade dela havia arabescos pintados. E pintados a mão. Uma mesa retangular e comprida com tampo de vidro e pés de metal pintados de dourado estava coberta de objetos pessoais e alguns itens decorativos e acima dela havia duas prateleiras com livros, cds e até alguns discos. Em outro canto do quarto havia um toca discos sobre uma vitrola. 
Por mais que ela não quisesse sair dali ela decidiu se levantar, retirar o lençol azul que a cobria, andar até a prateleira e pegar um disco muito adorado, caminhar até a vitrola e melhor tudo com música. Ela andou até a janela, olhou entre a fresta e muito rapidamente viu todas as coisas já conhecidas, e sorriu por não estar lá fora, naquela manhã sem muito sol. 
- Melissa - a voz forte dele, porém adocicada agora, interrompeu todos os pensamentos dela - quando você vai contar?
- Nunca. Ele jamais vai saber de nada e se por um acaso descobrir será perfeito para ele decidir ir embora e desistir de tudo. 
- Não, Melissa, não... Ele tem que saber, eu me sinto cansado com tudo isso, do esconderijo e dos tratamentos falsos que damos um ao outro quando estamos em público. Eu queria tanto te levar no meu quarto, te beijar na rua ou andar sem medo que tenha alguém me espionando. 
Ela foi andando na direção dele e deitou sobre ele, mais para encostar o corpo dela no dele, para ele sentir. O rosto dos dois ficaram alinhados
- Jura que não suporta isso? - nesse momento a boca dela já tocara a dele e os braços dela já tentavam envolver seu pescoço. 
Ele não respondeu. 
- Eu preciso de você, Melissa. Preciso demais. Posso a qualquer instante ter crises de abstinência. 
Ela puxou ele e foi se levantando, iniciando uma certa dança, em que os pés deles quase não saim do chão, mas era dança. Ela o beijara da forma mais doce que pode e ele passou a beijar seu pescoço. Ele havia esquecido das reclamações que fizeram quando "Samba e amor" começara a tocar.
- Se a paixão acabar e o amor chegar, eu juro, faço tudo por você. 
- E porque não faz agora? Se sabe que a paixão é grande. E parece pecado duas pessoas se gostarem assim e não ficarem juntas. 
- Eu to guardando o meu melhor pra quando o amor chegar. É pecado estar apaixonado assim e não amar. 

quarta-feira, 27 de fevereiro de 2013

Arthur em 13 de 57

Não trocaria você por nada desse mundo.  Eu sei que não há nada nesse mundo que seja mais gratificante que ver teu sorriso depois de te dizer que te amo, e você é a coisa mais linda que eu já pude segurar com as mãos e dizer "é meu". E nosso amor é maior que muita coisa desse mundo, o carinho que você tem por mim é tão grande que eu tenho certeza que quando a gente vai pro cinema todas as pessoas conseguem ficar quetinhas e calmas porque o carinho que tu tá fazendo em mim tá radiando pra mais longe, em raios longos, aconchegando tudo. E eu recebo a melhor parte. Eu quero ser pra você o que você é pra mim, porque se eu conseguir vai ser metade do muito que eu tenho que fazer nessa vida. Para nós não há final ou algo que precise voltar ao que era antes, porque mesmo que dividíssemos o amor que a gente tem agora daria pra 500 anos nesse mundo, mas nosso amor aumenta a cada dia e cada dia que passa não é uma parcela desse amor que precisa ser distribuida, mas ele todo que é multiplicado. Meu amor, nós precisamos de outro mundo, outro universo do tamanho da gente, porque é amor demais pra caber numa via láctea só. Se todos esses grupos de dois juntassem suas bagagens e resolvessem ir para outro planeta juntos com nós dois, um planeta consideravelmente maior, em 2000 anos não se falariam em fim, nem em coisas aquecendo, mas seria tudo diferente, uma realidade absurdamente diferente do que vemos aqui. Nem nomes existiriam. Mas existiria amor, carinho, respeito e cuidado, e viveríamos com todos os outros uma vida perfeita sem nada que nos interrompa, porque não existiriam relógios ou tempo. Eu sei disso porque quando eu estou confortavelmente encostada no seu peito e escuto as batidas do seu coração mais rápidas, e sinto teu cheiro mais forte, não é um tempo real, são eternidades ali e eternidades que eu posso sentir. Eu sei disso. Sei porque te amo. Amo não como a todos os outros, mas de forma única e especial, porque ninguém me ama como você, ninguém jamais teve por mim metade do cuidado que tu devota a mim e meu eu não pode ser impedido de te amar. 

segunda-feira, 25 de fevereiro de 2013

Nightmares


Pesadelos são uma espécie de treino para situações de perigo. Fomos selecionados durante milhões de anos de evolução para ter um cérebro que é naturalmente amedrontado - o que explica, por exemplo, o fato de o pesadelo mais comum ser o que envolve algum tipo de perseguição. Ou seja, aqueles que têm muitos pesadelos estariam em vantagem evolutiva, pois ficariam mais alertas e preparados na vida real. 

Quem tem pesadelos plausíveis, como não conseguir terminar uma prova a tempo, por exemplo, costuma ter grande capacidade de concentração e habilidade para separar o pensamento racional do emocional.

"Quem passa a vida tendo pesadelos tem tendências artísticas e criativas que não são encontradas nos outros grupos", diz Patrick McNamara

Se a pessoa estivesse correndo, sua respiração ficava ofegante. Se ela estivesse voando, as áreas do cérebro ligadas a movimentos espaciais eram acionadas. "Isso explica por que os sonhos parecem reais. Para o cérebro, eles são reais", diz LaBerge

Certa noite, sonhei que estava caindo. Era uma queda angustiante, e vi que o chão se aproximava. De repente, percebi que não era a primeira vez que aquilo acontecia comigo - e que eu estava viva e que aquilo só poderia ser um sonho. Foi o que bastou. Nesse instante diminuí de velocidade e caí suavemente no chão. 

sábado, 23 de fevereiro de 2013

maybe that's what happens




I spent my time just thinking about you. Every single day, yes, I'm really missing you and all those things we use to do.
Took my heart to the limit, and this is where I'll stay
Girl, I travel 'round the world and even sail the seven seas, across the universe, I go to other galaxies. Just tell me where you go, just tell me where you want to meet.

Wanna have you around like every single day. I love you all way.

Ritual de passagem

- Lembra do dia em que eu te pedi em casamento?
Ela lembrava muito bem, podia inclusive sentir o cheiro que vinha da blusa dele, da boca dele, lembrou até do shampoo que ele usara naquele dia porque ela o tinha dado e era maravilhosamente cheiroso, e certamente o cheiro havia trabalhado junto para que ela jamais esquecesse daquele dia. O cheiro, a imagem e a peça de ouro na sua mão não seria a mesma coisa se ela não estivesse perdidamente apaixonada. E Catarina pode naquele instante de devaneio sentir seu coração bater mais rápido de novo, como se o amasse ainda. 
- Não.
- Como não? Sempre que eu t epergunto você diz que não lembra e eu tenho que te contar de novo.
- Vai ver é isso, eu quero que você conte mais uma vez.
Ela sabia que a versão de Túlio era um pouco diferente da dela, mas enquanto ele contava ela ia vendo em sua mente o filme pela milésima vez. Catarina não fazia ideia do que aconteceria e nem Túlio, porque quando começou a chover e os dois não acharam lugar pra se esconder tudo que eles acharam foi uma joalheria. Enquanto procuravam um lugar pra se sentar sem destruir a mobília da loja, ouviam a música que era de longe a mais adequada para cena seguinte, e viam que o interior daquela loja que eles sempre observavam pela vitrine era certamente o melhor cenário. O vendedor veio na direção de Túlio e perguntou o que ela desejava e pouco tempo depois Catarina já estava sentada e quase seca, ajeitando o cabelo, tirando uma fivela da bolsa e colocando-a no cabelo. Ela olhou para Túlio e ouviu a música e viu o lugar, olhou que um outro casal escolhia alianças e ambos sorriam tanto (o homem menos observando a escolha da mulher . "Seria maravilhoso se você me comprasse algo". Ele revirou os bolsos, esvaziou a carteira e tudo o que tinha, juntando com o dela, dava pra comprar uma corrente de ouro. Depois de comprar ele foi enrolando a corrente no pulso dela, "acho que se decidíssemos nos casar hoje não teríamos dinheiro pra nada", "mas teríamos a corrente, teríamos um ao outro e melhor ainda, teríamos a nós dois 24 horas por dia, você seria minha mulher e eu seu esposo e viveríamos em nossa casa um eterno, uma vida perfeita sem nada que nos interrompa". Catarina parou de olhar pra nova pulseira e olhou para Túlio com o mesmo olhar de quando nos falam de algo maravilhoso que desejamos a qualquer custo. Ele observou seus olhos e entendeu. "Casa comigo, Catarina. Casa comigo e não me deixa dormir só nem uma noite sequer. Casa comigo e me faz extremamente feliz. Eu sei que você quer deixar um legado e seria maravilhoso deixar nosso amor para outros lembrarem como você foi importante. Importante pra mim e pros filhos que queremos ter". 
- Para Túlio

sexta-feira, 22 de fevereiro de 2013

Carta de viagem

Eu sei que você quer que eu volte, sei ainda mais que se eu voltar a recepção será diferente de todas as outras. Amor, se eu pudesse voltar meus pés não estariam grudado nesse chão, mas sobre teus pés, ou repousados sobre tua cama, entrelaçados com os teus. Se eu pudesse entrar em qualquer barco e saber que o mar me levaria a você, sem dúvida alguma eu já estaria contigo. Porque sempre que eu ouço aquela nossa música eu choro, e talvez nem seja nossa, talvez inúmeros casais tão iguais a nós chore também quando a ouvem, mas eu não tenho mais lágrimas e não depende de mim estar contigo de novo. Estar contigo é o que eu mais quero na vida. Se perguntassem pra onde eu quero ir nesse segundo eu responderia sem pestanejar se m respirar: no teu abraço. Provando do teu beijo, pisando em teus pés, amassando tua roupa e acariciando teus cabelo. És tu, sempre tu e tu de novo. Loui eu quero voltar pra ti, e talvez tu não saibas disso, porque provavelmente um mal entendido entre tua cabeça e coração tenha causado esse reboliço todo dentro de ti, mas prometo que no instante em que eu puder sair daqui eu volto pra ti, pra te reorganizar. 
Saudade só tem esse nome porque alguém deu, mas se ninguém tivesse nomeado ela talez não existisse e eu não sofreria tanto a tua ausência. Amor, sabe uma dor que desatina bem entre o peito e o estômago, uma outra que no mesmo tempo acontece na garganta e só chorando pra que ela passe? Loui meu, não queira minha dor, queira que eu te encontre logo e te reorganize. Veja, se eu te vejo sofrer, mesmo que assim não veja exatamente, sofro da mesma forma. E tenho guardado em coleção na minha memória todos os teu sons, ruídos, gemidos e risadas. Loui meu, eu volto pra ti e com toda a pressa, mas acalma teu coração que a dor da ausência nunca tarda a chegar, e espero que nem eu, quero curar teu coração. O meu ficará sarado automaticamente com tua presença; eu te quero, tanto e tão fortemente, do mesmo jeito que a cigarra deseja cantar e igualmente o ser humano necessita  de um ser maior que todas coisas. 

Yoani Sánchez

Posso ter muito pouco, porque o mais importante está desta pele para dentro.

quarta-feira, 20 de fevereiro de 2013

Juliet é romântica

Se ela morasse nos Estados Unidos ou em qualquer cidade comum de filmes românticos ela poderia deixar um recado após bip e ter certeza que seria ouvida. Mas embora ela fizesse parte de um filme, exatamente igual a todos que ela vira com ele, não dava pra deixar recado ou ir ao parque e de forma lenta e gradual ele se aproximaria e daria início a uma conversa há muito adiada. Ela tinha que ir lá. Mas ela é cinematográfica, ela precisava fingir que nevava e vestir casacos ou qualquer peça de lã que cobrisse os pulsos, para que os espectadores pensassem que de tanto sofrer e cantar os pulsos já não eram mais tão pálidos. Ela pensou na conversa que teria e decidiu escolher outro nome pra si mesma... como seria mesmo? Não ridículo, não típico e não o dela, mas bonito, simples, romântico, sofrido, um nome Juliet. Com T mudo para ficar bonito no fim dos diálogos quando ela imaginasse ele dizer "eu não te amo mais, Juliet". 
Não, não é drama, não é querer sofrer. Ela chama isso como todos os entendidos chamam: arte romântica. 
Juliet é romântica, e não é porque tem o mesmo nome da personagem mais famosa do mundo, mas porque sabe que amar não tem nada a ver com os órgãos e sim com algo invisível e intocável, mas sensível. Amor pra Juliet é andar na praia e sentir os grãos de areia baterem no corpo, ela comparava assim porque achava essa sensação uma delícia. Porque ela nunca via o mar. Porque ela nunca amava. 
O diálogo já estava todo pronto, obviamente ela falaria mais e no fim ela ia enxugar a lágrima no canto do olho direito com a ponta da manga do moleton de lã. Trilha sonora? Não não nem pensar, nas piores cenas não toca música parar que todos prestem atenção especificamente na voz, na boca. E a boca sim é algo sedutor, imoral e cativante. 
Isso, seria um close nas bocas, para que vissem a dele tremer um pouco no canto superior quando ele dissesse a ultima frase. 
- Larissa? 
- É, sou eu Ricardo. Não conversamos direito da ultima vez e imagino que algumas coisas devam ser ditas. Da minha parte eu quero...
- Não podia ter deixado uma mensagem? Um bilhete? Até uma carta se você quisesse ser romântica. Teve que vir aqui?
- Escuta... Eu não entendi nada do que você disse na semana passada e eu vim pra dar um jeito em tudo, vim te ouvir, mas antes eu quero dizer que...
- Larissa, eu não sei o que você pensou em dizer, mas não importa, é isso o que acontece no fim.  No fim de todas as coisas nós voltamos a ser o que éramos a antes de ser. Nada. 
- Mas não morremos. E já que estamos o que éramos antes de ser podemos começar a ser agora, como um ciclo que começa e não tem fim.
- Porque o amor tem fim
- Por que você fala do amor como se você soubesse dele? Como se você entendesse muito bem o que vem antes durante e depois? ou como se amor fosse alguém o algo que pudéssemos estudar.
- Porque eu te amo, Larissa. E a pior dor que já explodiu em mim é essa, que tá aqui dentro agora, essa de amar e não ser amado. Agora vai embora antes que ele chegue aqui e te veja, eu não quero que tudo aquilo comece de novo. 
- Encontros e desencontros só acontecem em filmes, o Júlio me explicou.
- Ele te explicou também que se aproximar de alguém pra chegar a outra é coisa de filme? Não? Não explicou?

quinta-feira, 14 de fevereiro de 2013

Valentine's day Arthur em 12 de 57

Relaxa, ninguém entra aqui :) Só quero guardar essa foto pra sempre

I'll make you this guarantee... No way November will see our goodbyes. When it comes to December it's obvious why no one wants to be alone at Christmas time. Come January, we're frozen inside, making new resolutions a hundred times. February won't you be my valentine? And we'll both be safe till St. Patrick's day.
Everybody it seems to be, just wants to be, just like you and me.
our always is all that we gave
- John Mayer 


domingo, 10 de fevereiro de 2013

de uma outra brunna


sexta-feira, 8 de fevereiro de 2013

Sempre. sempre sempre


Arthur em 12 de 57

Brew, to meio mal com toda essa história de faculdade, acho que agi como um babaca, por isso te devo desculpas. Pensei direito e vi que devo te apoiar 100% se é isso que te deixa feliz e por isso eu te devo desculpas também... E se algum dia você for roubar um carro eu vou estar lá pra te ajudar, tá ok? Eu te amo Brunna, mas é muito. E não dá pra eu te dar tudo agora, mas se você ainda quiser eu posso te dar por uma vida inteira, tá? 
p.s: caara! terei uma esposa letrada. 
Tutu
08/02/2013 13:09

Faz ideia do quanto isso me deixou sem palavras?

Porque ele dá importância. Porque ele sabe que eu vou precisar um dia.


A verdade é que provavelmente nós não estejamos nem no cinema, nem no teatro e nem na música, mas exclusivamente na literatura. Essa é a melhor parte de todas, porque o Drummond não escreveu pra gente, mas é como se fosse. 
Ah. e essa fase de mar revolto logo passa, rapidinho voltaremos a navegar na calmaria do mar das nossas palavras, como sempre navegamos, assim perto, assim longe.

quarta-feira, 23 de janeiro de 2013

Arthur me pede em namoro em 11 de 57.

Uma noite atras eu havia ficado acordado até de madrugada pensando o que eu iria fazer. Dai ja era umas 3 horas da manhã quando eu decidi comprar um cd do chico buarque pra você e acabar te pedindo em namoro. Mas eu queria algo mais legal, então eu fui dormir pra pensar melhor no outro dia. Te encontrei na escola, nossa eu tava tão nervoso quando eu te vi, porque eu sabia que naquele dia eu iria fazer um pedido; não que fosse algo muito grande, mas pra mim isso era muito importante. Então eu falei "ei quando terminar a aula vamo almoçar comigo? Só eu e você, que tal?", você topou porque você sabia que naquele dia eu ia te pedir em namoro. É aquela coisa que a gente sabe que vai acontecer, mas sempre nos impressiona, sempre nos surpreende. Então eu fui pra aula e contei pro balbs, e pra elisama, e pra amanda, o que eu ia fazer e eles ficaram super felizes por mim, me desejaram sorte, principalmente o balbininho. Eu mal podia esperar pelo fim da aula pra tentar te ver em um intervalo de uma pra outra. Você não saia da minha cabeça Eu não sabia o que fazer mais. Então o balbininho me ajudou a pensar em outra coisa, sendo que num deu certo. Bem... quando acabou a aula eu fui atras de você, mas você tinha sumido e apareceu depois dizendo que ia fazer alguma coisa e eu disse que ia te esperar. Nesse intervalo de tempo eu fui atras da vick e perguntei pra ela qual era a sua musica preferida do chico e ela me disse "com açúcar com afeto", e eu pesquisei a melhor parte da musica (que era a ultima parte), imprimi guardei na minha carteira e foi um perfect timing, porque quando eu desci eu te encontrei. Nossa o meu coração nunca bateu tão forte. Dai eu falei "vamo?" e você "vamos". Saimos juntinhos, sabiamos o que ia acontecer e eu te levei pro del, e eu num parava de te olhar, e você me falando do seu dia. Eu te levei na saraiva e tentei esconder o cd do chico o carioca, sendo que você achou, isso estragou um pouco a surpresa. Mas eu comprei mesmo assim. Ganhei até regua. Te levei pro aldeota e fomos para a nobel. aaaaaaaah nobel... é muito bom lá e é um local especial pra mim. Sentamos no sofá e foi como se o tempo tivesse parado. Eu pensei em tudo que poderia acontecer, mas mesmo eu fui em frente com medo de você me dizer não de novo. sei lá. Eu te entreguei o cd e você abriu um sorriso imenso e te entreguei o papel, você leu e ficou toda vermelha, leu com uma felicidade a qual eu não sabia explicar. Dai eu falei, "ta pronta?", dai você acenou que sim. Eu falei bem pertinho do seu ouvido "Brunna? você quer namorar comigo?". Nesse momento você falou sim imediatamente e eu sorri, e você sorriu e me abraçou. Naquele momento eu estava tão feliz, mas tão feliz

tão
tão
tão
feliz
Dai eu perguntei se eu podeira te beijar, mas você disse que ainda tinha vergonha. Bem, eu respeitei; nem liguei pra falar a verdade, eu estava namorando com você. FINALMENTE. Foi uma conquista e tanto, dai a gente ficou sentadinho lá, abraçados, como se só fosse eu e você e nada importasse mais. Dai eu te levei pra almoçar de mãos dadas, eu não parava de olhar pra você e pra minha mão entrelaçada com a sua. Aquilo era lindo. Nós fomos almoçar no bob's, eu peguei o meu e o seu, mas eu não poderia chegar perto da mesa porque você tava falando com sua mãe, tão feliz. Eu passei uma tarde com você, pelo menos uma parte dela porque você tinha que ir, mas foi um ótimo dia, foi um dia feliz. Foi O dia feliz. 
Gostou da historia?

Quando a noite enfim lhe cansa, você vem feito criança
Pra chorar o meu perdão, qual o quê!
Diz pra eu não ficar sentida, diz que vai mudar de vida
Pra agradar meu coração
E ao lhe ver assim cansado, maltrapilho e maltratado
Ainda quis me aborrecer? Qual o quê!
Logo vou esquentar seu prato, dou um beijo em seu retrato
E abro os meus braços pra você.

Be your princess is a many-splendored thing

terça-feira, 22 de janeiro de 2013

Arthur em 10 de 57

"Sinto falta das tardes que nós passávamos juntos, sinto falta de ouvir sua voz pertinho de mim, sinto falta de sentir seu cheiro de victoria's secret, sinto falta de te sentir perto de mim, sinto falta de te encontrar no ônibus por coincidência, sinto falta da nossa personalidade legal (quando ficamos longe um do outro ficamos uns chatos kkkk) sinto falta de você e mais ainda de nós... te amo brunninha, to com saudades."

Tutu
21/01/2013 17:11:18

quarta-feira, 16 de janeiro de 2013

"a rotina da pele é o arrepio"


"From the moment I wake
To the moment I sleep
I'll be there by your side
- don't you shiver?
Sing it loud and clear
I'll always be waiting for you
So you know how much I need you"

só lembre de três coisas: eu e você, cultura e essa música tocando na loja inteira.

sexta-feira, 11 de janeiro de 2013

lord of the rings ll - the two towers

All we have to decide is what to do with the time that is given to us.
- Gandalf 

lost in lost


quarta-feira, 2 de janeiro de 2013

eu tava vendo uma foto nossa e uau naquele dia eu me sentia mais feliz que formiga em todynho! e sabe aquela coisa de ficar vendo a mesma coisa por um bom tempo e ela fazer sua cabeça te levar pra milhares bons em que você já esteve? ai eu fui lembrando de algumas coisas boas e outras muito boas, como por exemplo do dia em que a gente ficou conversando por tanto tempo e pertinho um do outro por tanto tempo que como pode ter exisitido dias ruins depois daqueles? Como coisas ruins acontecem tão ousadamente em momentos tão bons? Então lembrei dos momentos nem tão bons, que nada acontecia e que a gente ficava caladinho e você tentava achar na sua cabeça alguma coisa pra me dizer.
Preciso te contar um segredo.
É bom fazer silêncio com você.
E na verdade nem precisava a gente dizer nada, porque a gente tá namorando e diferente de quando a gente não tem muito o que conversar com um amigo, a gente pode sim fazer outra coisa. Mas nesses dias a gente parecia não saber disso, e por incrível que pareça as poucas coisas que apareciam na minha cabeça pra te dizer poderiam te magoar, então eu ficava um pouco nervosa e dizia qualquer coisa, perguntava qualquer coisa, ou contava ou perguntava algo repetido, mesmo que eu saiba que você não gosta que falem sempre das mesmas coisas. E quando eu lembrei dos dias ruins, olhando pra nossa foto eu precebi que nesses dias não acontecem nada, nem bom nem ruim, nada.