segunda-feira, 22 de abril de 2013

They shine

Não é maravilhosa a forma como você sempre tem uma palavra boa pra mim? Talvez nem sempre a certa, ou a verdadeira, mas uma que me abre espaço pra olhar pra outros cantos; na faculdade eu fico me sentindo pequenininha, reprimida pela imensidão de conhecimento de pessoas como eu, aquelas que nos olham de cima. Dai eu lembro de ti, lembro que você é um garoto imenso e nem se dá conta disso, e eu lembro o quanto te amo, logo eu faço parte dessa tua imensidão. E olha, fazer parte de algo grandioso te faz grande sim. Como por exemplo, você mora em um dos planetas mais lindos da galáxia (não o mais porque netuno tem um azul delirante, a gente precisa ir lá um dia, já que a lua já está habitada), galáxia essa que tem número incontável de estrelas gigantes, cada uma com sua história e seu modo, imenso, existindo em um universo que não tem tamanho, um pano de pique-nique gigante fazendo ondulações aleatórias e dançando sem parar, ouvindo uma música cósmica e celeste. Somos vizinhos de estrelas (e quem sabe se as estrelas não têm sentimentos? Você pode provar que elas não pensam? Como provar que os cometas não são estrelas mais maduras abusando de sua liberdade e correndo entre o infinito. Ou como provar que estrelas sempre próximas as outras não são famílias? Não são amantes. Como provar que não existe eclipse estrelar? Como provar que elas não fazem sexo no espaço, com amor, prazer e luz? Não dá pra saber se brilhando mais forte elas atraem uma outra, estrelas provavelmente não têm sexo e isso é a bênção delas, e se amam, brilham mais fortes, ficam juntas, ficam velhas, se amam mais, se apaixonam mais, crescem mais, explodem... Como, meu karo navegante, provar que não somos vizinhos de uma das coisas mais absurdamente sensatas e apaixonantes?) e isso nos faz grandes. E quando eu digo nós, não falo da humanidade inteira da terra que pertencem a esse lugar, falo de nós dois e mais umas poucas dúzias de pessoas que nasceram aqui, mas logo logo nossos donos virão nos buscar para levar-nos ao lugar onde realmente deveríamos ter nascido. Pensar que sou sua amiga, e que eu te amo, me faz ver o quão grande eu sou e como estamos a frente de tantos porque sabemos de segredos e mistérios, não sabemos todos, obviamente, mas sabemos. E quem sabe se leões não são a sucessão de uma estrela que se encantou com a alma de pandora e decidiu dar um voltinha por aqui, depois ela volta pra casa (porque elas não contam dias nem tempo, por isso são mais felizes); você, Kaco, leão, quem sabe não é uma estrela, que vai amar amar apaixonar apaixonar apaixonar e explodir. Talvez por isso é difícil sentir teu coração, porque luz não pulsa, encandeia. 

Pequenininha


Quando você chega, calminho, dizendo devagarzinho (quase sem querer) que tá sem graça me ver eu confesso que dói meu coraçãozinho. Em palavrinhas, em passinhos eu vou te entendendo e vendo que essa cidade é pequena pro nosso amor. 
E tudo que é tão miudinho um dia fará falta, porque em nosso coração imenso vai sobrar espaço. E essa cidade que é pequena jamais irá se comparar com o tamanho que a nossa casa terá pra gente, será imensa, porque tudo que tem amor é absurdamente gigante. Mas espera, amor, vem calminho, de mansinho, que as melhores coisas são conseguidas com leveza e carinho.

p.s: amor a gente tem e tá sobrando

Miss

"Eu te conheci e a partir deste momento eu senti pela sua vida uma deliciosa admiração. E quis ser sua." e eu achei tudo tão lindo. Tão lindo que me deu uma vontade de fazer parte disso, como quando vimos uma roupa das mais lindas e raras do mundo todo e desejamo-nas a qualquer custo, porque temos certeza que vestidas com ela vamos ser mais lindos. E vestida de você, com sua vida e sua personalidade eu me sinto mais linda. E hoje quando eu vejo que meu coração já bate em sintonia com o teu, que era uma das minhas principais inteções, eu vejo que valeu a pena, porque eu despertei pra um sonho, e durmo, porque vou despertar de novo. Por isso, amor, não sai de perto, não diz que eu to distante porque isso dói, "meu coração chora frio, tristinho" e caladinho pra não te incomodar com meu soluçar, porque como eu sei você deveria saber que amar não é físico (e se pra você é, tá errado, estamos amando pouco, mas na minha visão eu te amo tanto - e nessas horas eu penso que amar não é o bastante, e nunca será), mas amor, amar é o bastante porque não há nada maior que isso, e nós nos amamos tanto. Ah meu bem, você precisa viajar mais e ver que de todos os lugares nenhum é melhor como a nossa casa, que as coisas chatas e repetitivas que fazemos são importantes, e fazem falta, porque veja, imagine se não fizermos mais. 

Especial (lê-se is-pé-xial)

Quando eu vejo aquele casal que eu gosto tanto é interessante porque enquanto eu vejo uma das partes eu percebo como aquela pessoa é maravilhosa e linda, e que só a outra tem total acesso a ela. Tem gente especial e egoísta que quer as pessoas mais bonitas do mundo só pra si. E eu não to falando de beleza física não (embora esses dois tenham de sobra), mas eu to falando de uma delicadeza, uma inteligência, de coisas bonitas de verdade; aquelas que o fogo não queima. Porque tantas pessoas queriam estar no lugar da outra e não, ninguém pode estar porque só uma tem acesso. E eu me sinto assim, exclusiva, com relação a você, porque eu sei que ninguém vai ter acesso a você como eu tenho. Ninguém vai conhecer suas manias, seus detalhes, seus segredos, aquelas coisas que todo mundo bate o olho e se encanta, é meu. Essa beleza que te compõe (exteriormente mesmo) é do tipo que alguém vê e tem vontade de conhecer mais a fundo, porque teus olhos dizem a todo mundo que tem muito mais pra mostrar, bem escondidinho, e só eu posso ver teus detalhes com relação a isso, só eu um dia vou ver tua parte bonita inteiramente, sem subjetividade ou pudor. Só eu, e ninguém mais. E se isso não for ser especial, eu preciso conversar com o criador dessa palavra pra saber o que ela realmente significa, porque pra mim significa isso: ter o que é de melhor pra si, guardar em si, e se sentir aliviada por não ter que procurar mais por isso. As tuas caras, as tuas expressões, teus gostos, teu cheiro, a tua parte esquisita (porque creep aren't we all?), os teus olhos mais brilhantes, o teu sorriso (que aliás me deixa com uma vontade imensa de te beijar), o teu beijo e o teu amor (esses dois principalmente) são só meus, serão só meus até o infinito... E o bom de te amar é isso: ter um infinito dentro de mim, porque ter a certeza que eu vou te amar por eternidades, como Deus assim prometeu, é ter isso em mim. E diz, é todo mundo que tem isso? É não, not at all. E eu? Sou sua, só sua, e se algum carinha (ou mulher, diante da libertinagem dos nossos dias) me quiser, pode ter certeza que vai ser em vão, porque eu nasci pra ser sua e é só você que mexe comigo, nobody else. E quando você me fala "minha" é como estar em casa, verdade, é uma sensação que eu não sei te explicar. Meus beijos, meu amor, meu inglês ruim e tudo mais de bom e ruim que há em mim, é teu, teu, e teu de novo. E relaxa, mesmo que eu aprenda a voar eu não vou fugir, porque aqui é meu lugar e tudo o que eu preciso nessa vida eu já tenho, aqui, com você, aqui, meu. 

segunda-feira, 15 de abril de 2013

Just for one day


Ela abriu os braços, como se fosse redentora do universo, e sentiu o vento atravessar, não bater, atravessar, como se ela fosse um espírito livre, desses que atravessa paredes, mas ela atravessava o vento. Então ela fechou os olhos e se perdeu numa escuridão imaculada, um espírito de noite procurando corpos para se aconchegar. E o vento voava em seus cabelos e pela primeira vez ela não se preocupou em como eles ficariam quando ela saísse dali, porque isso não faria tanta diferença. Os gritos não se ouvia muito, porque a música que tocava dentro dela agora era muito mais alta, e embora ela estivesse com os braços em posição totalmente contrária a de todos os outros, era isso que a fazia livre, esquisita e especial. No segundo giro ela não se preparou, e ficar de cabeça pra baixo foi absolutamente inesperado, e sair dele intacta foi melhor ainda, mas os estragos que aquela montanha-russa acabara de fazer dentro dela, e com os pensamentos dela eram piores do que tudo. Ela ainda não abrira os olhos porque não queria ver onde estava, esperava sair dali para outro mundo, onde descesse dali e diretamente mergulhasse num mar de água tão azul e brilhante como não existe na terra. E na última subida ela decidiu que iria abrir os olhos, no momento certo, pra que o estrago nos maus pensamentos fossem bem piores, então ela abriu, e desceu, e foi caindo...............
ela entrou em um túnel
as luzes que atravessavam eram como outros espíritos a olhando, e as pessoas paradas eram quase indiferentes diante da infinidade que existia ali, ela quase se sentia voando, e embora ela soubesse que poderia cair e morrer se saísse voando do carrinho, ela queria voar, ela queria voar, queria abrir os braços o máximo que pudesse, abrir os olhos mais ainda e ver além do que todos já viram no mundo, queria deixar o vento a travessá-la de novo. Queria ser Herói, desses que voam, desses que são livres, desses que nãos são criados por homem nenhum, desses que nascem sozinhos, porque são imensos demais pra permanecer calados. E o dela nascia agora. 

tutoiement et vouvoiement


E se nós nos tratássemos com "vós" e "vão"? Aparentaria nos amar mais? 
Se nos tratássemos com "tu" e "qualquer coisa"? Teríamos um amor mais desobrigado?
quando começarmos a nos tratar como "meu" e "amanhã" seremos amantes fiéis.
no tempo em que nos tratávamos pelo nome éramos estranhos, início para um amor inocente, descompassado, bobeante, de pé, firme e absoluto. 
no dia que nos tratarmos com "você" e "agora" é porque quase não acreditamos e quase esquecemos de nós. 
se nós nos tratássemos como "amor" e "vida" é porque não saberíamos o que tais palavras significam.
Quando nos tratarmos com adjetivos no diminutivo, e talvez usar voz manhosa, será uma prova de que nossos corpinhos já ficaram devidamente juntinhos e nossos coraçõezinhos já tocaram uma cançãozinha pertinho do outro, devagarzinho, pequenininho. 
Por que o amor quando quer parecer mais forte se trata com gramática? E quando quer parecer livre se usa com linguagem popular, e até vulgar? Por que nos dá vontade de entender e explicar tudo e todas as coisas?

Sobre confessar


- Lu, eu posso te confessar um coisa?
Esse é o momento em que todas as suas ações passam resumidamente e rapidamente na sua cabeça, pra ver se algo de errado aconteceu, ou algo de muito bom. 
- Fala Ulisses
- Eu acho que você tá ficando diferente
- Diferente como? Diferente, mudando pro lado negro da força? ou diferente crescendo?
- Não sei bem, mas com certeza não é mudando pro mal, deve ser crescendo. Lu, você seria capaz de desejar algo mal pra mim?
- Não! Nunca, isso jamais passou pela minha cabeça. Eu te amo tanto. Quer uma prova? Eu odeio falar no telefone, e olha só, to há meia hora falando aqui contigo por esse comunicador desagradável. 
- Mas você odeia tudo, Lu! 
- Não te odeio. 
- Mas voltando a conversa de você estar diferente. Eu acho que percebi. Provavelmente você esteja crescendo e eu ainda não. Sabe? Você tá com um olhar diferente, pessimista, mas realista. Eu sinto que parei na fase de achar tudo maravilhosamente com esperança.
- Mas há esperança. Eu acho que não pra mim, mas pra alguém que acredita. 
- Você é a minha esperança.
- Isso me tocou mais do que a vez que você me fez acreditar no amor. 
- Mas você é pessimista, não acredita no amor.
- Acredito no seu.

in love ♥


Eu queria não escrever pra você 

Acredita se eu disser que você é a ultima coisa que eu penso antes de dormir? E a primeira, antes de acordar. Eu gosto de imaginar, gosto de ficar sonhando, porque nossos sonhos são nossa libertação. 

Sabe, você não é um cara que se encontra todos os dias, e não é mesmo; eu, que encontrei, quero te levar pra vida toda. 

Eu pinto minhas unhas só pra te ver pegando na ponta dos meus dedos com cuidado pra ver o novo tom de azul que botei nelas. 

Nos dias que eu não te vejo eu te imagino melhor do que você é, e quando finalmente eu te vejo é uma surpresa feliz.  

Por que aquela garotinha teve que cantar meu amor por você e não eu? Vai ver ela sente algo muito parecido por outra pessoa e não perdeu tempo 

eu queria escrever de novo

mas o problema é que

eu me sinto bem agora
bem demais 

agora. 

Eu te amo de um jeito mais bonito que aquele filme do japonês. 

eu fico tão nervosa quando penso que vou demorar pra te ver, sabe? Porque já é a segunda semana que eu te vejo só nos domingos e pra alguém que estava acostumada a te ver a semana inteira, bem, é gritantemente e freneticamente pouco. Parece que vivemos em estados diferente, ou em cidades mesmo, e fosse extremamente cansativo e desnecessário se locomover pra perto do outro durante a semana, tão ocupada. Porque eu descobri que o bairro onde você mora é longe de tudo, e sempre foi longe, porque morar perto do mar não era agradável. E hoje não é seguro. Então eu fico esperando pelo alerta de onda gigante aproximando-se da sua casa pra que você venha correndo pra minha, onde é seguro. 

Creep, aren't we all?


- Sabe quando você se sente no mundo errado? Sabe, eu acho que as vezes imagino demais e acabo querendo que minha vida seja igual ao livro. Mas, eu me esforço pra pensar e olho pro mundo e vejo que isso nem existe, sabe? Bem, não pra eles, pra mim com certeza existe. Com certeza. Tenho certeza que os grandes gênios eram absolutamente tratados como esquisitos. Eu tiro pelo Einstein, pela Clarice (que era até de nome), o Camelo, o Russo, Coco... gênios. Não que eu queira ser gênio e essa seja minha desculpa pra não ser assim tão normal, mas eu gosto de ser assim, ser comparada com gente tão grande, ter característica em comum. Sabe. Eu sempre penso que não importa como você morre, importa o que você deixa, você precisa deixar alguma coisa, e certamente agora eu tenho poucas coisas pra deixar porque ainda não pensei muito em morrer, e nem em com quem vai ficar com o que eu deixar. Mas eu não falo de herança não, falo de legado, de algo que faça mais de um grupo pequeno de pessoas lembrar de você. Sabe, o cantor que morreu recentemente deixou um resultado imenso da vida dele. Há pessoas que baseiam suas vidas na morte, mas eu baseio a minha no meu legado e no meu descanso. Sabe?
- Sei sim. Essa história dela ter te chamado de esquisita mexeu contigo, não foi?
- Muito. Mas não foi só isso, é que depois disso eu comecei a querer achar meu lugar, procurar pessoas como eu, porque você não é, e se não é você, quem é? Então procurei, e me encontrei com aquele nosso amigo em comum, sabe? De cabelo ruivo, e olha, tem coisa mais estranha do que ser ruivo? Mas todo mundo gosta! Por que todo mundo não gosta de ser diferente? Quer dizer, acho que gostam, mas não admitem porque não querem ver a diferença alheia. Então, quando eu comecei a falar com ele eu percebi que uma coisa que um outro amigo meu havia me dito era verdade (pra falar a verdade, eu acho que ele me conhece, mas eu tenho que fingir que não, porque você não quer), ele me disse "você começou a andar com pessoas que não têm nada a ver com você" e "no fundo você tem ódio de todas as coisas". Não  é que é verdade? - e eu to escrevendo porque eu sei que essa conversa nunca vai acontecer, porque você nunca vai me entender e isso não vai fazer diferença nenhuma - Eu não pertenço a esse grupo, esse que você faz parte, sabe? Não gosto das mesmas coisas, acho tudo que eles fazem muito feio, acho os nomes feios. São engraçados, divertidos, mas quem é pra mim não me faz rir, me faz sorrir <por dentro> e por fora. Depois fui falar com minha prima, sabe? Eu percebi como ela mudou, e como ela achou alguém igual a ela, mas mesmo ela estando diferente e falando palavrão eu ainda gosta dela, ainda sou dela e ela ainda me faz carinho no coração. Ainda gostamos das mesmas coisas, e ela ainda vem me mostrar as coisas divertidas que ela conhece, e eu conto as coisas boas que fiz e faço por ai. Eu sou pra ela, e ela pra mim, o problema é que não vejo ela com frequencia e pra ela eu tenho minhas amigas também, mas tenho não, sabe?
- arram. Achei que seria mais fácil entender isso. 
- Sabe de outra coisa? A gente não pode sair falando pras pessoas do que a gente gosta e como a gente sente por dentro, sabe? É que ninguém gosta, as pessoas querem que falem delas, acredita? 
- Ué, mas eu to te ouvindo, acho essa sua regra não se aplica tudo. 
- Você tá me ouvindo, é diferente. Não tá me entendendo, e depois de tudo isso vai dizer algo inteiramente dispensável, a menos que você realmente entenda e me diga algo bom, que me faça sentir melhor. 
- Por que tá dizendo isso?
- Porque só escrevendo é que eu posso te dizer o que quiser sem ter que ver sua cara de desconforto de quem está fazendo algo errado e vai por tudo a perder, sabe? 
- E aqui eu faço que cara? 
- Aqui você só existe na parte vermelha. Então, sem caras, só pulsos. E também só aqui eu posso te dizer que to morrendo de vontade de falar com meu amigo de novo, porque eu sei que ele vai fazer com que eu me sinta melhor, e mesmo que ele não tenha as palavras, assim como meu leão tem, fazê-lo se sentir bem me faz achar meu lugar. Embora eu não saiba cuidar das pessoas, eu sei que quando falo com ele por dentro ele se sente "contente" em falar comigo. E eu sempre quis poder dizer a ele que podemos voltar a ser como antes, mesmo que você não deixe, sabe? E aqui eu posso dizer isso a ele sem compromisso, e dizer isso sabendo que você não vai surtar e querer largar da minha mão. 
- Por que tanta certeza? Eu posso estar zangado por você estar dizendo na minha cara que eu estou falhando
- e qual o problema? Eu tenho certeza porque aqui não temos mãos, só coração, e só o meu, o teu nem chega perto daqui. E quer saber, eu vou falar com ele, eu não posso me privar de me achar só por capricho. E capricho é uma palavra que funciona. 

Rawr

Quando o Júlio ficou parado diante da vitrine do pet-shop, extasiado, babando, olhando pros cachorrinhos com uma cara de realização eu não me contive, e embora eu soubesse que ele não estava pronto pra ouvir ensaios, eu tive que falar. 
- Eu acho muito feio que gosta de animais mais do que pessoas. É. É feio, é feio você dar muito mais atenção pra um ser que não sabe nem quem é você enquanto deixa alguém (talvez até apaixonado) esperando por um sinal. É feio como as pessoas gostam de sentir inferiores, a qualquer coisa. Não que eu diga que cachorrinhos fofos sejam piores que nós, não, nunca, são bem bonitos, mas é que o ser humano tem uma sensiblidade tão bonita, tem aquela coisa de união e química. Me entende?
- arram. 
- Júlio, sinceramente, não é bonito olhar nos olhos vagos de um cachorro, dizer eu te amo e não receber resposta alguma. "Se ele lamber a sua cara será como um beijo", bem, na verdade eu acho que não éjá que beijo envolve tanta carícia; nunca haverá mãos cruzadas, nem beijos na testa de carinho. Será sempre a ausência de troca, porque você se dá inteiramente e não recebe muito, talvez para alguns o fato de se dar já seja a troca, mas se dar pra quem te entende é melhor. Eu não digo que é feio ter animais, mas é feio tratá-los como nós nos tratamos, como se eles fossem dos nossos. Certamente os gatos têm as carícias da sua ordem, os cachorros as deles (e talvez por isso é um descato unir cães e gatos, justamente por o carinho deles não bate), e nós os nossos. 
- Acho que é melhor não perguntar o que você acha sobre passarinhos. 
- É, claro que não. Isso envolve todo um procedimento de liberdade. 

segunda-feira, 1 de abril de 2013

Cheater

- Oi meu amor! Eu senti tanta saudade, sabe, as horas sem você parecem passar mais lentamente. Mas quando eu fico com você parece que 1 segundo equivale a anos. Vai ver que os amantes vivem em um outro universo, e Ester, eu já tenho provas de que não somos desse universo.
- Eu preciso te contar uma coisa. Acho que você não vai gostar muito então pra não te deixar surpreso ou estragar qualquer coisa, pode ficar desanimado, eu acho.
- Fala meu amor.
- A gente devia terminar
e quase com a mesma velocidade que um vírus se espalha, essa frase começou e manhcar todas as memórias que ele tinha, como se tudo que ele viveu até aquele momento tenha sido relevante pra ele estar ali, se doendo. Pensou em todos os momentos com ela e aquela mancha o fez ver tudo de outra forma: ver que todas as ações dela provavelmente teriam sido calculadas pra estar ali.
- Eu não me sinto apaixonada. Quer dizer, apaixonada sim, gosto muito de você, mas eu sinto que não é o bastante. E sabe, eu acho que você pode achar alguém que te ame mais do que eu logo, porque você é adorável.
- Um amor como esse que você me apresenta agora eu posso encontrar em qualquer lugar.
- Não... eu não to fazendo isso por mal, eu simplesmente não posso. Se você gosta de mim tenta me entender. Eu percebi que o que eu sinto por ti não é o que eu sentia pelo Gabriel antes dele me deixar.
- Como que a gente consegue entender um amor não correspondido, Ester? Como?! Como que eu vou começar a refazer coisas que eu fazia antes de você e que na verdade eu nem sei mais o que fazer, você me isolou da minha vida e agora me bota nela de novo? Como se não tivesse feito nada.
- Você mesmo disse que isso ia acontecer um dia.
- Eu disse que a gente não ia ficar junto pra sempre. Não disse que um dia você se reapaixonaria por um ex-namorado babaca que te deixou, e me deixar aqui, sangrando, sofrendo, porque eu nunca me importei com mulher nenhuma e você foi a única que me fez querer fazer valer a pena. Ester, isso é pecado, não vê? Largar um homem que te ama por outro que te faz cócegas no coração? Não, Ester! Não! Isso é errado. Quem devia te deixar era eu, porque eu nunca quis amar ninguém.
- Mas eu não tenho culpa. Você me disse que não dá pra mandar no coração.
- Dá sim! Dá sim porque eu mandei meu coração te amar, e agora ele te ama, ama muito, mas eu vou mandar ele não lembrar nunca mais que você existiu. Você poderia ter me deixado por não gostar mais de mim, mas me deixar por achar que despertou outro sentimento e o que tem entre a gente não é importante... eu não quero te ver nunca mais Ester.
- Não, por favor não faz isso... eu...
- Gosta de mim? gosta da minha presença, né? Vai ser complicado se acostumar com a minha ausência, né? E eu, eu vou ter que me contentar com uma vida que eu não quero pra mim. Agora Ester, agora o que é que eu faço?
- Não sei. Você pode começar procurando um amor de novo.
- De novo? De novo como? se você nunca me amou? Sabe o que eu quero? Eu quero mesmo é que você ache que ele te deu esperança, e que dentro de você comece a nascer um sentimento por ele, pouco a pouco, e fique tão grande quanto isso que eu sinto por você, dai ele te diga que foi tudo um mal entendido, que nunca te deu esperança nenhuma e que agora tá em outra. Não vem falar comigo, não me procura nunca mais porque eu quero tanto te esquecer, agora eu quero, por difícil que seja, mas eu vou te esquecer porque todas as boas memórias estão manchadas, bagunçadas por suas próprias mãos.
- Não, eu não o amo. Só acho que o que eu sinto por você não é o bastante, assim como eu sentia por ele.
- Legal, agora você melhorou tudo me fazendo perceber que eu nunca fui capaz de te fazer gostar de mim.
- Não dá pra fazer alguém gostar de alguém.
- Dá pra fazer alguém odiar alguém. Parabéns.

Why do I love u

Eu gosto tanto de você que talvez no fundo mesmo o que eu goste mais é a capacidade que você tem de fazer com que eu goste de você. Eu gosto tanto do jeito que você fala, quando fala de algo que sabe, ou de algo que não sabe (porque você sempre me convence de que sabe); gosto do jeito que você fala das pessoas que você admira, porque eu sei que você quer ser tão bom quanto elas, e o que eu mais gosto em você é que você é, você é todas essas pessoas que admira tanto, mas de um jeito mais lindo ainda; eu gosto do jeito que você ri, quando ri de verdade, ou quando força uma risada pras minhas piadas totalmente sem graça, gosto de quando me faz rir, porque quando a gente tá feliz a gente sente uma vontade incontrolável de sair rindo de tudo por ai e só de te ver me dá vontade de rir, não porque você seja engraçado toda hora, mas não tem nada a ver com graça, tem a ver com satisfação. Eu gosto do teu sorriso, acho lindo, lindo lindo lindo lindo lindo lindo lindo lidno lindo lindo lindo e não é só, gosto dos teus dentes e da tua boca, sorrindo pra mim, e as vezes por causa de mim. Eu gosto do jeito que você canta coldplay, porque as vezes parece que você queria tanto me fazer entender que aquelas notas e aquelas palavras explicam tão bem o que você sente por mim; gosto quando canta John Mayer, porque parece que você quer me fazer entender que você se sente tão mais apaixonado por mim do que uma canção do Mayer pode nos deixar; eu gosto como você canta músicas que não saem da sua cabeça, músicas que são até engraçadas, as músicas que eu gosto, as músicas que você gosta. Eu gosto das coisas que você gosta e o jeito que você gosta, não tem um motivo muito definido pra se gostar, você só gosta. E como eu gosto de por ponto nas coisas eu to aqui querendo te esplicar porque eu gosto de ti, se bem que eu já falei tantas vezes. Eu lembro que antes, ou depois, não lembro bem, da gente começar a namorar eu te perguntei porque você gostava de mim e você me fez sentir tão importante de uma forma que eu nunca tinha me sentido antes, me fez ver que finalmente eu poderia causar orgulho pra alguém, sem estragar as coisas, dai você disse que não ia perguntar pra mim porque eu gostava de você porque provavelmente não teria muita coisa. Mas eu vou te dizer agora porque eu gosto de ti, mesmo que eu já tenha dito isso mil vezes, mas eu não me canso. Eu gosto de você porque de todas as maneiras possíveis você me fez aprender a gostar, no sentido próprio mesmo. Uma vez um amigo me disse que eu poderia gostar de várias coisas, mas no fundo no fundo eu tinha ódio por todas elas, e poxa eu acreditei nisso e até hoje acho que é verdade, mas por você eu não sinto ódio nenhum, raiva nenhuma, pelo contrário, por você eu sinto um amor cativante, sabe? Carinhoso. Eu gosto de ti pelo que você me faz sentir, por me fazer gostar tanto e de tantas coisas, gostando de verdade. Eu gosto de você porque eu não vejo ninguém na vida capaz de me fazer sentir o que você faz, e da forma que faz; nem no passado, nem no futuro, é você e sempre você. Eu gosto de você porque você é lindo, em tudo, de alma, coração, espírito e com o corpo inteiro. Eu ainda não ti vi, assim, de verdade pra achar teu corpo tão bonito, mas eu te desejo e muito; e por mais que isso pareça estranho e impróprio de se dizer, não dá pra contrariar as coisas que a gente sente por dentro, certo? Eu gosto de ti porque você é uma das melhores pessoas que eu conheço no universo inteiro, e eu posso conhecer poucas pessoas, mas as poucas que são boas são boas demais e você é um dos melhores. Eu gosto de você porque teu coração é imenso, e eu nunca vou esquecer de como ele batia rápido quando estava perto de mim, ou perto do meu, e nunca vou esquecer da forma como o meu bate feliz quando está bem pertinho do teu e meu bem, eu acho que isso é uma das coisas mais bonitas do mundo. Eu gosto do jeito que você faz planos, e gosto de você porque você me inclui neles, quase que integralmente, e isso é bom porque em todos os planos complicados e sonhos furados que eu tenho você está inteiramente neles. Como se meus planos e meus sonhos fossem só mais uma desculpa pra passar mais tempo com você. Eu gosto de você pelo jeito que você me fez ser uma pessoa de verdade, que não pensa insistentemente no fim de tudo, que acredita. Eu gosto de você porque agora eu consigo ver Deus em todas as coisas, e essa sim é a coisa mais linda do mundo. Eu gosto da gente porque é de verdade, quando eu penso nas coisas que poderia fazer com você não são coisas utópicas, que só ficarão só na minha mente, mas eu posso fazer sim, porque eu sei que você faria pra mim qualquer coisa que eu te pedisse, porque você pode ter certeza que eu faria qualquer coisa que você me pedisse, porque eu sei que você nunca pediria algo que não fosse pro meu bem, porque a minha felicidade é a sua satisfação. Eu escrevi tudo isso ouvindo aqule cd do codplay que a gente tem, The scientist que tá tocando agora, e realmente nobody said it was easy, mas também ninguém disse que seria a melhor coisa que aconteceria na minha vida.
Te amo <3
Bru, tua Bru.

Bolinho


- Tá doendo, ele disse.
- não, nem começou a doer de verdade, ela disse
- segura minha mão, ele disse
- seguro, ela disse segurando a mão
eles ficaram calados por um tempo, segurando a mão do outro
- a minha mão tá suando, ela disse
- se eu apertar tua mão dói menos, ele disse
- mas eu não me importo, ela disse cruzando os braços e fazendo uma cara de birra
- por favor.
- não
- por favor, não diz que "eu avisei". Mas você também disse que eu deveria me atirar
- Atirar, não "se" atirar.
- talvez eu mereça um copo d'água.
- Uma refeição inteira.
Ele saiu, alegando que seria melhor comer, beber alguma coisa e voltar depois.
- vai estar aqui quando eu voltar? ele disse
- Sempre, ela disse.
Horas, muitas horas depois ele voltou trazendo um pacotinho, como aqueles que se levam pra casa quando sai de um restaurante e manda embalar o que sobrou. Não, não era esse pacote, era o pacote de alguma cafeteria, doceria, ou qualquer pequena loja que tenha um pacote cor-de-rosa de material reciclado.
- o mar está mais valente hoje? ele disse
- esteve valente desde que você saiu, ela disse, trouxe alguma coisa pra mim?
- sim, ele disse estendendo o pacote pra ela, eu tive que trazer porque é a sua cara.
quando ela abriu o pacote e viu um bolinho com cobertura azul e estrelas coloridas sobre ela ela sentiu todo o corpo tremer porque aquilo era durante muito tempo o que ela mais queria comer.
- como você sabia?
- Morde, pra que eu possa te mostrar.
ela mordeu,
- olha, aqui dentro tem a melhor parte, um recheio de brigadeiro (mas o mais gostoso que eu já provei na vida), ele é leve e com um gosto marcante; misturando com o bolo, que é de longe o mais molhadinho e leve que você vai provar na vida, acontece uma explosão de sensação, porque o bolo não é muito doce e não se torna... você sabe... injuento. A cobertura, a minha melhor marinheira, essa você vai amar, é de um azul sem par e não feita de glacê porque eu sei que você odeia, mas de algo que eu ainda não sei o que é, parece um segredo, sabe? É o toque especial do bolinho, porque quando você morde é meio crocante, mas fica macio, sabe? É uma sensação de força e leveza comer essa cobertura. E ela não é muito doce, pelo contrário, tem um toque azedinho e se você comer até o fim, com bolo e recheio, vai ver como vale a pena a caretinha no início. E as estrelas, bem, as estrelas são fofas, só isso.
- dói menos agora? Eu me preocupei, sabe... me arrependo de não ter segurado tua mão.
- tudo bem, já marquei uma operação. Vou tirar isso de mim a força e não vai dor nunca mais. Mas de qualquer forma, vou querer segurar tua mão pra que a cicatriz não doa muito e que com a sua presença ela cure quase que automaticamente.  o que é isso que a gente sente um pelo outro, hein?
- morde o bolinho, de olhos fechados, se concetra em tudo que tu me disse.
ele mordeu. sorriu enquanto mastigava levemente e naquele momento ele entendeu.
- isso, ela disse.