28 abril 2016

Hoje eu assisti uma aula da Izabel


Sinto muito sua falta, sempre corro pra poder te ver, te dar um oi, receber seu brilho, sua luz, sempre fico ansiosa com a possibilidade de te encontrar, acho que a ansiedade é quando o coração já está lá e a mente, ou o corpo, não. É um estar-em-dois-locais. É um problema pra física com que temos que lidar. Você mudou minha percepção sobre muitas coisas, e fortaleceu outras. Nossa geração chegou no seu limite. Não há finalização de um ciclo para iniciar outro, me disseram, as eras sobem umas sobre as outras. Acho que é isso. Quando eu era criança eu tinha imaginações mirabolantes sobre todas as coisas a minha volta. Não sei se bati com a cabeça, se minha mãe caiu quando grávida, se quando eu era estrela e vim pra cá o baque da queda foi muito grande, mas acho que nunca tive a sensação de pertencer a algum lugar. Esse sentimento de estar "desolada" não me persegue, ele é presente, é real, é algo abraçado na cintura. Queria não ter medo. O medo é uma mão em nosso ombro que simplesmente está lá, as vezes me acostumo. Conheci a Clarice Lispector e quase não conseguia me conter no espaço que eu ocupava, eu sentia como se eu tivesse todo o tamanho do mundo, eu achei que esse mundo existia através da minha visão e que o meu eu estava em todos os espaços, mas era só meu coração. Ainda sou espaçosa. Me debruço sobre algumas existências. Quando eu conheci meu namorado eu queria ocupar o espaço dele, queria estar em todos os momentos da vida dele, queria atravessá-lo, sentir um inexplicável entrelaçar de almas. Estrelas entram umas nas outras. Elas se existem. Quando eu te conheci eu senti você ocupando todas as dimensões e não era como se você me empurrasse, você nos atravessa. Uma claridade, estrelas, juntas, uma infinidade de possibilidades, de "existências", uma infinidade de lados, de perspectivas, uma presença veloz, viva, brilhante, intrigante, complexa, enorme, transcendente. Um brilho, um raio. Eu sentia que sua voz ultrapassava a barreira dos meus ouvidos, entrava pelos meus olhos, habitasse minha mente, os momentos em que você para e reflete entre uma palavra e outra estivessem combinados com o correr disso que há na minha mente e me faz viver. Absolutamente transformada por sua presença, maravilhada com sua existência, tocada por seu olhar: uma insegurança imensa: será que você olhava pra mim? então eu faria parte de você? Ela é uma mulher linda, ela tem um cabelo cacheado, que ganhou por merecer,

quando ela fala as pessoas exitam em respirar, elas nãos abem disso, mas como nosso corpo as vezes age além da nossa consciência, os pulmões sentem-se acanhados com o fôlego inexplicável que há no peito dela, é como se ela estivesse sempre preparada para entrar numa luta daquelas que entramos sabendo que vamos até. o último. suspiro.

ILY

Uma foto publicada por Tavi Gevinson (@tavitulle) em
Mas, quer dizer, as duas possuem essa ligação inexplicável, this strange magic, talvez por serem artistas ou por serem feministas e o nível super alto de personalidade forte. Alguém mandou um ask para Anna Collins perguntando se elas duas namoravam e ela respondeu que não, que são apenas grandes grandes grandes amigas.


Anonymous said: Are Petra and Tavi dating or something..? Sorry if that's too personal, I was just wondering!
HAHA no, i wish.  Both of them like boys. They’re just best friends.


Eu sou obcecada por essa possibilidade de amizade em que os níveis são tão profundos, largos e estreitos que as pessoas associam ao amor romântico que conhecemos, porque é o que conhecemos de mais forte. Estamos prontos para uma mudar isso. Estar com alguém com quem você compartilha tantos sentimentos incríveis, uma admiração inexplicável e um desejo imenso de stay close, obviamente não quer dizer que você quer casar e ter filhos. Mas, é o que acham.

Como explicar a descrição desse vídeo.
 "i physically miss you." 
Quem seria capaz de dizer algo tão incrível? Acho que só quem sente, sinceramente, fisicamente, a ansiedade e todas as depressões do vale da adolescência ~que ridículo~ saberia dizer o que é isso. É exatamente o que eu falei sobre estar em casa. Home, it is. Sempre fico pensando que deve ter algo escrito na Rookie sobre algo que eu sinto sobre alguma coisa e só o fato de alguém ter o mesmo sentimento/pensamento de alguma forma já me faz sentir melhor, como se eu não fosse a única, como se fosse normal e ai estivesse ok. Mas, não sei porque eu preciso me achar "normal", ter um sentimento único as vezes é um problema. However. 21 de abril foi aniversário da Tavi, da Lilian e da Renata e não dei parabéns a nenhuma porque eu sou uma pessoa horrível, eu preciso entender como as pessoas gostam dessas mensagens boas e como esses momentos pedem por isso. Mas, fica pros próximos aniversários.

Estou escrevendo isso e a moça do meu lado no trabalho está fazendo aniversário. Sou ridícula. Argh.

Esse post é sobre os parabéns que a Petra deu pra Tavi e o comentário dela.

Uma foto publicada por Petra Collins (@petrafcollins) em

Preciso guardar o comentário caso ele se perca
As fotos e vídeos delas duas são infinitos, realmente admirável. Queens of themselves. 

27 abril 2016

Teen bedroom / Home

Não sei como conheci essa garota, talvez em alguma recomendação, mas ela recomendou um filminho maravilhoso, cheio de girls girls girls. Com um teen bedroom maravilhoso e com uma decoração incrível. Estar con ella. Pensei na Lorde. É sobre uma garota que conhece outra e as duas acabam se apaixonando e um delas está sofrendo porque vai ter que contar pra vó que é muito recatada, que namora uma garota. As duas são lindíssimas, inclusive. Mas, me apaixonei mesmo pelo quarto delas, e como elas faziam dele um lar.
https://vimeo.com/159737953


Não paro de arrumar o quarto e isso é um problema, hoje não arrumei, mas sinto uma dor de cabeça horrível e provavelmente vai passar se eu for organizar alguma coisa. Preciso pensar no que a Marie disse com "primeiro, que tipo de quarto você quer? Defina primeiro o que você quer". Eu queria ter duzentos quartos e duzentas vidas para coabitar em todos eles por um bom tempo. Tem essa entrevista incrível com esse cara incrível que tirou fotos de vários quartos de adolescentes nos anos 80 e 90. Ele disse:
"teenagers were always reduced and stereotyped in the media, despite the fact that it's actually a point of great transition in a person's life. It's the last time you live in your parents' house, so you can have pretty strong opinions about the world — you don't have to compromise yet. I'm also interested in how people define themselves in space. No matter their socioeconomic status"
E em um post antigo da Rookie a Tavi escreveu:
"Is there any sanctuary so vital to the human experience as this, a place to just be away from everybody, listen to music, and procrastinate homework by lying in bed staring at the ceiling? I say no. Amid all the woes of teenage life, the bedroom is the one place you can make your own."
"my room was a good reflection of all the things I like as soon as possible. And so, I believe in the importance of filling it with the things that make you happy."
http://theskinnyartist.tumblr.com/post/53130551689Imagino um local em que eu entre e imediatamente me sinto em casa. Tenho um sério problema com isso. Poderia parar e fazer as contas de quantos locais diferentes já morei, de quantas vezes tentei fazer um espaço, mesmo que fosse um cantinho em uma penteadeira ou o fundo de um guarda roupa ou o quarto de outra pessoa parecer um lar:
 Um lugar onde as inseguranças, as obrigações, os pesos, as amarras e qualquer coisa que esconda quem você realmente é vá embora. Queria muito escrever isso em inglês, ou escrever isso no meu tumblr, mas estou aceitando que não sou uma garota da interwebs, esse blog será pra sempre um registro. Mal posso falar do meu horrível que tenho de um dia ele sumir, tenho a sensação de que a internet é muito etérea e ela não tem muita firmeza.

Comecei a fazer uma coleção no weheartit com imagens de quartos, mas como as coisas vem e vão, não estou muito na onda de heartear.
Estou na onda do:
1. Ler rookie
2. Arrumar o quarto

Tem essa entrevista incrível que a Tavi deu onde ela mostra o apartamento dela e ela fala sobre como tudo o que tem lá lembra de algo que ela gosta, alguém que ela admira ou um momento que ela viveu. That's what I mean.
https://www.youtube.com/watch?v=86S8hWurquM
Acho também que as cores têm algo a ver com isso. Também tenho a sensação de que esse blog é um pouco my home, quer dizer, sempre venho aqui e falo o que tenho vontade, guardo coisas que gosto e tenho certeza que deveria postar mais vezes. Como disse, é tudo muito etéreo. O Arthur me ligou, é um pouco tarde, talvez a dor de cabeça seja sono. Mas, pedi pra ele ligar depois porque é um evento eu estar conseguindo escrever aqui. Where's home?. Hoje faço quatro anos de namoro. Tive a sensação de que com ele me sinto em casa, as vezes não, but sometimes he takes my bra.

26 abril 2016

the lowest depth of misery

"What do you regard as the lowest depth of misery? 
Living in fear."
David Bowie

Found at Rookie.