quarta-feira, 11 de maio de 2016

"By writing about these ideas, I’m not only able to synthesize them, but incorporate them into my life."

"After reading a book, Ryan puts it down for about 2 weeks. Then he returns to the book to look at the sections he underlined, and the pages he dogeared. " 
Ao ler algum texto você absorve aquela mensagem, mas quando você reescreve o que leu é como se aquilo tivesse internalizado dentro de você, faz parte do seu conhecimento e você pode transformá-lo de alguma forma. Diferente de um resumo, você tenta transmitir um conhecimento, algo que aprendeu, como uma história que você conta novamente e a partir disso forma opiniões.

"If you can recreate the material that you’ve digested then you truly understand it."

O mais interessante é que quando você escreve você acaba acessando vários dados da sua mente, algumas coisas que estavam guardadas por muito tempo que agora farão relação com aquilo que foi lido. Enquanto lemos, fazemos inúmeras conexões com outros saberes que já temos, simultaneamente, que após a leitura são esquecidos, exatamente porque precisa daquela informação lida para trazê-los a tona. Como uma luz. O conceito de aprender, então, não se restringe a ler e obter as informações, mas se amplia na possibilidade de transformar as informações em informações novas, correlacionadas com outras e a partir daí ter utilidade para uma outra área. A importância do "escreva com suas palavras" está no fato de que ao recriarmos alguma coisa, da nossa maneira, estamos provando que aprendemos.

"Active review involved actually being able to recreate the material."

Weber fala sobre a recriação como algo que está em todos os seres humanos, o que nos torna humanos é a possibilidade de ter contato com algo, absorver, e externar de alguma forma. Como, olhar uma cor e transformá-la em um poema, por exemplo. O poder da abstração permite que aquilo que vemos fique dentro de nós, e a aprendizagem permite novas conexões e assim novas possibilidades.

"In the Education world we have a term for this called “positive transfer.” If a student can transfer his/her learning to a new scenario, then that is the only objective way of knowing they have learned." 
Isso, é um novo projeto. Retirado desse texto maravilhoso, que muda vidas.

segunda-feira, 9 de maio de 2016

But she lives forever inside of me

Bebel feliz dia das mães, te amo muito. Nunca vou te esquecer, nunca vou acostumar com o fato de que talvez eu tenha vindo da mesma estrela que você. Somos filhas das estrelas. Espero que apesar de (como diz a Clarice) você tenha tido um dia das mães muito feliz, tenho certeza que você deu corações e consequentemente vida a muitas muitas muitas pessoas que tiveram o dom de estar com você, porque mãe, eu acredito, é um poder inexplicável que está absolutamente dentro de você e emanando sempre, posso sentir. E feliz dia das mães pra sua mãe maravilhosa também, que foi quem sentiu o primeiro batucado desse seu coração valente. Mais uma vez, te amo muito, bebel, você é uma rainha e esse dia é seu.

Bruninha vc me tornou Mãe de uma filha sensível, amorosa e encantadora que é vc. Vc é uma filha mais do que especial que tem um enorme "latifúndio" no meu coração. Sempre fico extremamente comovida com o seu carinho e amor. Hoje pense muito na minha que foi pro céu ano passado, este foi o primeiro dia das mães sem ela fisicamente na vida terrena. Mas ela mora eternamente dentro de mim. Você é uma "fadinha" que Deus colocou em minha vida para me encantar. Obrigada minha filha amada por essas palavras tão lindas e verdadeiras. Vc é rara. Bjs

Sobre encontros repentinos:
Por fora calma, por dentro ventania.

Nádia

São os olhos que entregam.

Oi Kaco, to com saudade. Te amo. Li esses dias um email que tu me mandou há um tempão e eu vi o nível de desespero em querer falar comigo de novo! Não imaginava que era tão querida, sempre imagino que estou incomodando alguém. Tu também sente isso as vezes? Por exemplo, eu amo meus professores, e no final da aula eu sou sempre aquela pentelha que fica pra ficar conversando com os professores, mó ridícula. E eles são simpáticos ne. Depois bate a bad do tipo 'por que eu fiz isso? poderia ter ficado sem ter sido tão ridícula". Sinto isso sempre e as vezes contigo, mas lendo esse e-mail hoje, nossa, fiquei passada. Você não se acha em todo canto. Acho que vou te amar pra sempre Kaco. Crescer é uma desgraça. Acho que tenho um problema horrível que me apaixono por quase tudo, tenho o coração absurdamente aflito e querendo tudo... quando vou ver de verdade não sobra pra quase nada.

Não sei descrever bem como estou agora. Crescer é o desvairar da vida. Tudo muda.

É difícil conter o cinza do tempo.


Mas também tenho um problema horrível de ansiedade, como sempre te disse, acho que disse, a dor é algo desesperadamente físico. A saudade é algo maravilhoso, a gente pode ler Clarice e lidar com eles, mas de algum jeito agora eu sempre incluo algumas possibilidades que me deixam muito ansiosa. Por exemplo, quando sinto saudade de alguém penso logo na possibilidade de aparecer na minha frente, de repente. Quer dizer, eu estava contente eu estudar as pessoas, em ler mais a fundo o que estava ali, em dar atenção ao que eu tinha no momento. Mas, antes eu não tinha vendido minha alma para um capeta chamado burguês/patrão/salário. É uma desgraça.

Eu vendi minhas palavras.
Por isso o Kaco quase não respira.

Por isso te procuro em todo mundo. Sempre fico muito frustrada porque nunca acho ninguém com o teu poder de abstração, de dar valor e de não ignorar, de perceber, de ter um tempo, de querer, assim como eu, dar significado a alguma coisa. Por que as coisas precisam ter um significado? Por que a gente é tão necessitado disso? Quer dizer, é como se agente estivesse querendo colocar um adjetivo bonito naquilo que a gente faz. Eu quero ser professora, quero ser professora por causa da honra. Acho que quando a gente conhece outras pessoas a gente sente falta um do outro, sente falta do outro nas outras pessoas. Ninguém fala com as tuas palavras, ninguém sabe fazer isso. Sabe quando você se depara com algo muito maravilhoso... do tipo, um dia fui na exposição da unifor e quando entrei numa sala tinha uma tela enorme passando a entrevista da Clarice, meu coração parecia que ia explodir. Com você meu coração explode e parece normal, porque é normal. A lerdeza dos meus batimentos todos os dias me deixa totalmente doente.  

Também nunca encontrei, nem tenho esperança de encontrar, alguém como você. E dessa vez, não estou me referindo a minha ciência, mas a minha poesia. Não há poesia como a tua, em ninguém, nem em sombra ou clareza, ninguém. Nada. Essa tua poesia sempre me inspirou, lembro-me, ainda, de a única coisa que conseguia dizer de teus textos era: intenso. Porque os são, até aqui, quando o pragmatismo nos obriga a sermos "normais", rápidos, secos. Tu ainda falas com poesia.
E isso me toca verdadeiramente. Ultimamente, acho que só tenho sido Kaco com você, por você.
Ninguém entende o mar.
Ninguém entende o que passamos navegando.
Há nesses dias um pássaro negro que arranha meu coração. Não por querer sair, mas por querer machucar.
Nada o apetece fora de mim.

Exatamente! Acho que sempre fico frustrada porque queria poder falar algo profundo com alguém, mas são todos muito superficiais, as pessoas vão embora muito rápido. É um vai e vem desgraçado. Eu queria poder dizer com calma pra alguém alguma coisa que com certeza, um homem com um nome tão difícil teria que dizer?, é algo de forma mais livre possível que eu prendo, por que eu espero o sim de alguém pra falar alguma coisa? Ninguém sabe que está navegando, ou as vezes a gente esquece, as vezes eu acho que encontro um companheiro, mas as pessoas de mares mais profundos parecem estar muito cansadas pro meu papo de quem aprendeu a navegar agora. É horrível saber que há algo "arranhando" você. As vezes meu coração é igual ao seu. Eu sei que é estar machucada. Não temos controle sobre nosso corpo, não dá pra dizer quem entra e quem sai e isso é um desgaste horrível. Eu não sei você, mas eu abro meu coração pra quase tudo e a decepção não é porque quem entra quer bagunçar, mas é que ngm entra. Há intensidade demais a nossa volta. Esses dias descobri que existe uma mão em nosso ombro, é o próprio medo, que está lá o tempo todo. não temos controle nenhum sobre nosso corpo. Não entendo porque o prazer que o corpo me dá nunca chega perto do prazer que alma produz. Nós somos fracos demais. Também não consigo entender como as vezes nos sentimos tão vazios. A gente se vende por quase nada.
E os símbolos?
Não há que entenda os símbolos. Talvez... Talvez ninguém entenda por ninguém conseguir ver. Tenho chegado a conclusão de que sou obscuro, abissal. Não por profundidade, não penso que sou o abismo dos tempos, mas por resguardar a escuridão. Por isso ninguém tenta me seguir até o fundo. Talvez perceberam minha escuridão
Os olhos não mentem. Veja! Mesmo nas sandices de Bentinho, a epifania da traição de sua amada, revelou-se nos olhos. São eles que nos entregam. 

sexta-feira, 6 de maio de 2016

O papel da arte. E o artista.

"The point is, art never stopped a war and never got anybody a job. That was never its function. Art cannot change events.
But it can change people. It can affect people so that they are changed… because people are changed by art – enriched, ennobled,
encouraged – they then act in a way that may affect the course of events… by the way they vote, they behave, the way they think.”
— Leonard Bernstein Conductor, Composer, Pianist

Found in Cake. 

segunda-feira, 2 de maio de 2016

Existe um pássaro azul e quer sair.




há um pássaro azul em meu peito que
quer sair
mas sou duro demais com ele,
eu digo, fique aí, não deixarei
que ninguém o veja.

há um pássaro azul em meu peito que
quer sair
mas eu despejo uísque sobre ele e inalo
fumaça de cigarro
e as putas e os atendentes dos bares
e das mercearias
nunca saberão que
ele está
lá dentro.

há um pássaro azul em meu peito que
quer sair
mas sou duro demais com ele,
eu digo,
fique aí, quer acabar
comigo?
quer foder com minha
escrita?
quer arruinar a venda dos meus livros na
Europa?
há um pássaro azul em meu peito que
quer sair
mas sou bastante esperto, deixo que ele saia
somente em algumas noites
quando todos estão dormindo.
eu digo, sei que você está aí,
então não fique
triste.

depois o coloco de volta em seu lugar,
mas ele ainda canta um pouquinho
lá dentro, não deixo que morra
completamente
e nós dormimos juntos
assim
com nosso pacto secreto
e isto é bom o suficiente para
fazer um homem
chorar, mas eu não
choro, e
você?